Archive for the ‘Ponte Preta’ Category

Brasileirão 1981 – Semifinal – Jogo de Volta – Grêmio 0x1 Ponte Preta

April 26, 2021

Foto: Luiz Avila (Zero Hora)

Há exatos 40 anos se registrava, no  estádio Olímpico, o maior público presente da história do futebol gaúcho. Mais de 98 mil pessoas presenciaram a classificação do Grêmio as finais do Brasileirão 1981, perdendo por 1×0 para a Ponte Preta mas se valendo do bom resultado feito em Campinas no jogo de ida das semifinais.

Eu sempre achei bastante peculiar que esse público seja tão maior do que os demais registrados no Olímpico na década de 80. Há uma diferença de mais de 15% em relação ao segundo maior público pagante registrado na Azenha (74.238 pagantes no segundo jogo da final do Brasileirão de 1982). Lembro de, certa feita, ter visto o Antônio Augusto sustentar que essa diferença se deve ao fato de que para esse jogo foram exigidos dois ingressos para cada pessoa que decidisse ir na social como acompanhante de sócio. Não encontrei nenhuma evidência dessa exigência nos jornais da época, como pode ser visto no material transcrito abaixo (contudo, vi essa exigência no anúncio do preço dos ingressos da final da Libertadores de 1995).

Acho interessante também notar que o site oficial do Grêmio, bem como diversas outras páginas citam o número de 98.421 (85.751 pagantes) enquanto nos jornais da época é informado o público de 98.499 (85.721 pagantes).

 

Foto: Luiz Armando Vaz (Zero Hora)

Foto: Jurandir Silveira (Correio do Povo)

Foto: Manchete (Fonte: Acervo Histórico do Grêmio)

Foto: Nico Esteves (Placar)

 

O time de Tarciso – De León, Baltazar, China, Casemiro, Paulo Isidoro e companhia – poderia até perder por 1 a 0. Foi justamente o placar do embate com os paulistas. Apesar da derrota, a torcida comemorou fervorosamente a classificação para a decisão do campeonato. “Eu nunca tinha visto o Olímpico com torcedores tão empolgados. Foi uma loucura. Era um momento de busca por algo inédito, mas havia uma grande organização da torcida”, comenta Tarciso.

Para o ex-atacante, o tropeço em casa diante de quase 100 mil torcedores mudou a postura do time para a final contra o São Paulo: “A gente sabia que seria um jogo difícil. Só que o problema foi que a Ponte apareceu aqui com outro esquema de jogo. Nos enganaram e a gente demorou para entender como eles estavam jogando. Acabou que a Ponte nos empurrou para trás e conseguiu o gol. Acho que nos fechamos muito por causa da vantagem. Mas o erro ensina”.

E ensinou. Na decisão de 81, o Tricolor gaúcho não deu chances para os são-paulinos. O primeiro jogo no Olímpico terminou 2 a 1. No duelo de volta, outra vitória dos gremistas, agora por 1 a 0. “A derrota na semifinal foi muito importante, porque nos deu uma visão bem ampla do que precisaríamos para ser campeões. Não basta só querer, tem que jogar e ter vontade”, conclui Flecha Negra.” (Correio do  Povo – 27 de novembro de 2012)

Foto: Luiz Armando Vaz (Zero Hora)

 

 

 

“GRÊMIO PREVÊ RENDA DE Cr$ 11 milhões
Expectativa de 85 mil torcedores

 
Se os 75 mil ingressos forem vendidos, a renda de hoje no Olímpico deverá chegar aos Cr$ 11 milhões – um recorde no Rio Grande do Sul. Os dirigentes gremistas acreditam que o Olímpico receberá mais de 85 mil torcedores, pois os sócios pagam separado o seu ingresso e o dinheiro é repassado depois para o borderô da partida.

 
Os preços para o jogo de hoje forma aumentados em relação a outras partidas: mil cadeiras numeradas a Cr$ 300; 25 mil arquibancadas superiores a Cr$ 3000; 25 mil arquibancadas inferiores a Cr$ 70,00; 10 mil sociais a Cr$ 70,00; 5 mil menores a Cr$ 20,00. É certo que a maior parte dos ingressos já deve estar nas mãos de cambistas, e por isto mesmo bem mais caras. As bilheterias do Estádio Olímpico deverão abrir às 9 horas da manhã. A direção do Grêmio recebeu diversos pedidos de reservas de ingressos do interior do estado, o que deverá trazer alguma dificuldade para a compra hoje.” (Zero Hora, domingo, 26 de abril de 1981)

 

OS RECORDES DESTA TORCIDA
Maior público e renda no Rio Grande do Sul. E o público no Olímpico sofreu muito também

 
Foram 98.499 corações batendo apressadamente durante 90 minutos, vibrando com o Grêmio que perdeu por 1 a 0 para a Ponte Preta, mas garantindo a sua vaga na decisão da Taça de Ouro e na Libertadores. Foi uma torcida que sofreu deste o momento do gol de Osvaldo aos 20 minutos do primeiro tempo. Mas esta torcida bateu todos os recordes de público e renda no Rio Grande do Sul. Os ingressos um pouco mais caros resultaram num total de Cr$ 11.142.990,00 – e 85.721 foram quem pagaram ingressos; 12.778 não pagaram: eram menores de 12 que não pagam nada no Olímpico, pessoal de imprensa e convidados especiais do próprio Grêmio. […]” (Zero Hora, segunda-feira, 27 de abril de 1981)

 

 

Ruy Carlos Ostermann  – “DERROTA INSUFICIENTE

Um público maravilhoso, o maior que já pagou ingresso em Porto Alegre e o maior que já assistiu a um jogo — foram 12.721 que entraram com carteirinha, a serviço ou no bolo — teve de resignar-se com uma derrota do Grêmio para a Ponte. E teve de admitir a curiosa mas verdadeira ambigüidade: que a derrota não era suficiente e havia a classificação para a Libertadores depois dela e o direito de decidir com o São Paulo sexta no Olímpico e domingo no Morumbi. Por isto, na saída do estádio havia, no melhor exemplo que era o Patrono Fernando Kroeff, um rosto amargurado pela derrota quase anulando o sorriso e os olhos brilhantes motivados pela classificação.

Dizer-se que foi capricho de um campeonato mal planejado e erro: o Grêmio se classificou derrotado por 1 a 0 pela Ponte por força indiscutível do retrospecto melhor que conquistara no campo, nos jogos anteriores. Foi a vitória em Campinas, num jogo de surpresa e muita determinação, que permitiu a sobra de ontem, tão grande que nela coube esta derrota insuficiente.

  • • • •

Mas o Grêmio, pelo que jogou ontem, não ganharia o jogo para sua imensa e entusiasmada torcida: jogou mal, descontrolado, errado na maior parte do tempo, com erros técnicos e coletivos e muito descompassado. A Ponte jogou bem melhor do que fizera em Campinas. Tocou a bola, como sempre, aproximou seus principais ¡jogadores (Edson, Odirlei, Lola, Osvaldo, Humberto, Nenê, não pela ordem nem pelo lugar mas pela importância de cada um). No primeiro tempo avançou Osvaldo, juntou-o a Lola em cima de Newmar e De León e formou assim o Grêmio a atrasar China para a cobertura dos zagueiros de área; abriu-se um espaço dolorosamente grande entre China e seus dois companheiros, Paulo Isidoro e Vilson Tadei — era a área de manobra da Ponte.

O resultado de primeiro tempo, 1 a 0, foi correto, mas a incapacidade da Ponte em chegar a um gol mais também pareceu correta.

  • • • •

 Baltazar chutou uma vez só, Tarciso lambem só uma vez, o Grêmio no total chutou apenas 9 vezes em 90 minutos de jogo. Mas a Ponte, que precisava fazer ao menos dois gols, fez um, de cabeça, numa cobrança de falta da linha de fundo, e chutou menos ainda do que o Grêmio, sete vezes no total. Pouco, tão pouco que fazer gois, ontem, era tarefa duríssima para quem perdeu e para quem ganhou. A Ponte, que teve maior insistência, iniciativa e bola sob controle, insistiu — por força da característica dominante de seus jogadores que estavam na frente — no toque de bola mesmo na hora em que se exigia o chute.

Foi, inegavelmente, uma das vantagens materiais que o Grêmio teve a seu favor.

  • • • •

E ganha, agora, do São Paulo? Pois pode ganhar, se o Botafogo ganhou uma vez e ontem estava ganhando de 2 a 0 quando começou a perder num gol de pênalti do São Paulo. O futebol é uma atividade lógica: o São Paulo tem mais time do que qualquer outro time em atividade no pais este ano mas leva gols (três na decisão com o Botafogo) e pode continuar levando. No Olímpico ao menos.

O Grêmio terá de melhorar muito. Mas nem precisa porque ¡á está na Libertadores e agora tudo é vantagem.” (Ruy Carlos Ostermann, Zero Hora, segunda-feira, 27 de abril de 1981)

 

Foto: Correio do Povo

Foto: Correio do Povo

 

 

Foto: Antônio Pacheco (Zero Hora)

 

 

Grêmio 0x1 Ponte Preta

GRÊMIO: Leão; Uchôa, Newmar, De Léon e Casemiro; China, Paulo Isidoro, Vilson Tadei e Renato Sá (Jurandir); Tarciso e Baltazar.
Técnico: Ênio Andrade

PONTE PRETA: Carlos; Edson Boaro, Nenê Santana, Juinho Fonseca e Odirlei; Celso, Humberto, Osvaldo e Zé Mário; Serginho e Lola
Técnico: Jair Picerni

Brasileirão 1981 – Semifinal – Jogo de Volta
Data: 26 de abril de 1981, domingo, 17h00min
Local: Olímpico, Porto Alegre-RS;
Público: 98.499 (85.721 pagantes)
Renda: Cr$ 11.142.990,00
Árbitro: Maurílio José Santiago (MG)
Auxiliares: Alvimar Gaspar dos Reis e Edson Alcântara de Amorim
Cartão Amarelo: Odirlei (PP)
Gol: Osvaldo, aos 20 minutos do 1º tempo

Brasileirão 1981 – Semifinal – jogo de ida – Ponte Preta 2×3 Grêmio

April 23, 2021

Foto: Correio do Povo

 

Há exatos 40 anos o Grêmio vencia a Ponte Preta, em Campinas, pelo jogo de ida da semifinal do Brasileirão de 1981.

Foto: Zero Hora

“GRÊMIO ESTÁ BEM PERTO DAS FINAIS

Agora é aqui. Mais ainda: a vantagem de poder perder pela diferença de um gol, Esta é a situação do Grêmio, que fez 3 a 2, ontem à noite, em Campinas, sobre a Ponte Preta. Com um bom futebol no período final e se abrindo para as jogadas ofensivas, o tricolor gaúcho teve méritos para a vitória e deu passo decisivo rumo ao título nacional e presença na Libertadores da América.

PRIMEIRO TEMPO – O Grêmio não começou bem. A Ponte Preta, pelo contrário, tomava as iniciativas. Foi um time de competição, fechando os espaços e não deixando o adversário jogar. E, assim, antes mesmo do representante gaúcho aquecer, os paulistas faziam 1 x 0.

O gol da Ponte Preta, aos três minutos, nasceu da cobrança rápida de falta por Dicá, com a bola passando entre os zagueiros tricolores. Lola apareceu bem e tocou de cabeça para as redes. E. com a vantagem no escore, a equipe de Campinas manteve o domínio.

Somente aos 35 minutos, o Grêmio alcançou o empate: jogada pela esquerda, com Baltazar passando para Paulo Isidoro, que bateu forte. Um zagueiro ainda encobriu a visão do goleiro Carlos. A igualdade chegou num bom momento, quando o Grêmio ensaiava a reação.

Apesar do domínio, a Ponte Preta não tirou mais vantagem. Por isso, o empate tricolor justo. Mas, antes de encerrar esta fase o árbitro Vílson Carlos dos Santos expulsou Abel e Paulo Roberto, por jogada violenta.

SEGUNDO TEMPO — A partida reiniciou em ritmo quente. Na saída de bola, a Ponte Preta errou no passe e o Grêmio respondeu rapidamente. Tarciso recolheu e lançou na ponta-direita para Paulo Isidoro, que cruzou, aparecendo Vilson Tadei para, de cabeça, fazer 2 a 1. Eram 16 segundos de jogo.

Com mais disposição o Grêmio começou envolvendo amplamente o adversário. Na frente, Paulo Isidoro passou a jogar pela ponta-direita, enquanto Tarciso — em excelente jornada — ficou se movimentando pela meia-direita. Esta alteração de Ênio Andrade foi oportuna.

Aos 20 minutos, após driblar Juninho. Tarciso na entrada da área, chutou com precisão, no canto esquerdo de Carlos, ampliando para 3 a 1 a vantagem do Grêmio sobre a Ponte Preta. Os paulistas, porém, dois minutos após, através de Lola, diminuíram a diferença: 3 a 2.

Embora tivesse insistido mais e melhorado sensivelmente, o Grêmio se preocupou em manter o escore. Tarciso, entretanto, tevê duas oportunidades, sendo uma bola na trave. No todo, uma vitória sensacional do Grêmio, que agora espera a Ponte.” (Correio do Povo, sexta-feira, 24 de abril de 1981)

 

Fonte: Placar

 

 

 

“Isidoro disse que seu gol não foi de sorte:
– Eu estive bem no lance. Vi que a bola sobrou na entrada da área, pressenti que havia condição para o chute e fiz isso. A bola pegou bem e empatamos o jogo.

[…]

“No início do segundo tempo, na saída de jogo, Dicá reteu demais a bola, perdeu para Tadei e este lançou Tarciso na ponta. O jogador fez um cruzamento para a área e Tadei tocou de cabeça no canto de Carlos. Um gol-relâmpago, aos 12 segundos, que Tadei disse ser resultado de jogadas tentadas nos treinos:
– Não foi por acaso que marcamos esse gol. Nós estamos acostumados a treinar uma marcação forte na saída de jogo. Tomei a bola do Dicá, lance o Tarciso e entre entre os zagueiros. Só tive o trabalho de cabecear no canto.”

[…]

“Até a marcação do terceiro gol do Grêmio, Tarciso era um jogador sem méritos, mas quando chutou de pé esquerdo, lembrou de Lumumba: “Ele sempre me disse para chutar também com o pé esquerdo. Eu limpei a jogada e chutei de esquerda. Agora vejo que o Lumumba tem razão.” (Zero Hora, 24 de abril de 1981)

 

 

Ponte Preta 2×3 Grêmio

PONTE PRETA: Carlos, Édson Boaro, Juninho, Nenê Santana e Odirlei; Zé Mário (Humberto, 22 do 2º), Osvaldo e Dicá (Celso, 20 do 2º); Serginho, Lola e Abel
Técnico: Jair Picerni

GRÊMIO: Leão, Paulo Roberto Costa, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro e Vílson Tadei; Tarciso, Baltazar (Renato Sá, 28 do 2º) e Jurandir (Vantuir, intervalo)
Técnico: Ênio Andrade.

Semifinal – jogo de ida
Data: 23/04/1981, quinta-feira, 21h15min
Local: Moisés Lucarelli (Campinas-SP);
Público: 12.881
Árbitro: Wilson Carlos dos Santos (RJ);
Auxiliares: Manuel Amaro e Dirceu Arruda
Cartões Amarelos: Édson, Nenê (PP), Paulo Isidoro, China e Baltazar (GRE)
Cartão Vermelho: Abel (PP) e Paulo Roberto (GRE) 44 do 1ºt
Gols: Lola 3′ e Paulo Isidoro (GRE) 35′ do 1º; Vilson Tadei (GRE) 16s, Tarciso (GRE) 20′ e Lola (PP) 23′ do 2º

Brasileirão 2017 – Ponte Preta 0x1 Grêmio

November 9, 2017

20171108_ponte preta 0x1 gremio Sergio Barzaghi Gazeta Press b

O Grêmio não fez uma partida brilhante, mas jogou o suficiente para se aproveitar do mau momento (e aqui se pode incluir a justa expulsão de Fernando Bob ainda no primeiro tempo) da Ponte Preta e vencer o jogo no Moíses Lucarelli.

Pelas minhas contas esse já é o segundo gol de cabeça de Ramiro. Hoje ele voltou a jogar um pouco mais centralizado.

Marcelo Grohe e a sua dupla de zaga trabalharam bastante e foram os principais responsáveis por evitar o empate da Ponte.

20171108_ponte preta 0x1 gremio Sergio Barzaghi Gazeta Press c20171108_ponte preta 0x1 gremio gre_FL_APP(1)
Fotos: Sergio Barzaghi (Gazeta Press) e Fábio Leoni (Ponte Preta)

Ponte Preta 0x1 Grêmio

PONTE PRETA: Aranha; Emerson (Felipe Saraiva, aos 41/2ºT), Rodrigo, Yago e Jeferson; Fernando Bob, Naldo (Léo Arthur, aos 24/2ºT), Elton (Léo Gamalho, aos 31/2ºT), Danilo Barcelos e Emerson Sheik; Lucca.
Técnico: Eduardo Baptista

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Léo Moura, Rafael Thierry, Bressan e Marcelo Oliveira; Cristian, Jailson (Fernandinho, aos 28/2ºT), Michel e Ramiro; Everton e Jael (Beto da Silva, aos 16/2ºT) (Leonardo, aos 34/2ºT).
Técnico: Renato Portaluppi

33ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2017
Data: 08/11/2017, quarta-feira, 19h30min
Local: Moisés Lucarelli, em Campinas – SP
Público: 6.226 (5.679 pagantes)
Renda: R$ 55.930,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Neuza Inez Back (SC)
Cartões amarelos: Lucca, Rodrigo, Elton, Danilo Barcelos (PON) Bressan, Marcelo Oliveira, Fernandinho (GRE)
Cartão vermelho: Fernando Bob, aos 17 minutos do 1º tempo
Gol: Ramiro aos 4 minutos do 2º tempo)

Brasileirão 2017 – Grêmio 3×1 Ponte Preta

July 17, 2017

35925440316_4ccade6bdf_k

O filme parecia se repetir. O Grêmio comandava a partida, criava chances, mas não conseguia abrir o marcador. Num gol contra de Thyere (que tentou cortar um cruzamento numa jogada em que a bola entrou no espaço existente entre Geromel e Cortez) os visitantes saíram na frente ainda no primeiro tempo. Mas dessa vez o tricolor reagiu bem. Barrios empatou o jogo aos 11 minutos do segundo tempo (após grande jogada de Pedro Rocha) e fez o gol da virada os 24 (convertendo pênalti sofrido por Fernandinho). O 3×1 final foi marcado numa bonita jogada que terminou numa improvável linha de passes de cabeça entre Ramiro e Everton.

As mudanças realizadas por Renato deram resultado. Ramiro trouxe mais dinamismo a saída de bola ao ser recuado para jogar de volante. Fernandinho sofreu o pênalti e Everton fez um gol tendo jogado cerca de 10 minutos (nos quais tocou 3 vezes na bola).

35925440766_8dd7b6775d_k

O público ficou acima da média dos confrontos anteriores contra a Ponte Preta em casa, mas abaixo da média do Grêmio no Brasileirão 2017.

Essa questão envolvendo o goleiro Aranha é bastante complicada. É compreensível que ele ainda se sinta incomodado pelas injúrias raciais sofridas em 2014. Mas isso não lhe dá o direito de fazer uma generalização rasa sobre todo um povo de uma cidade ou estado. Ao mesmo tempo, o fato dele falar bobagem em 2017 não torna menos grave o que aconteceu no passado. A forma civilizada de resolução de conflitos passa por um processo judicial e ontem, estranhamente, ninguém lembrou sobre o desfecho dado pelas autoridades competentes para o caso.
35966887595_37e460f2ec_k
Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 3×1 Ponte Preta

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Rafael Thyere, Pedro Geromel  e Bruno Cortez; Michel, Arthur (Fernandinho, intervalo), Ramiro; Luan e Pedro Rocha (Everton 36/2ºT); Lucas Barrios (Marcelo Oliveira 39/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Rodrigo, Jeferson; Fernando Bob (Jean Patrick), Naldo, Jadson (Felipe Saraiva); Renato Cajá (Negueba), Emerson Sheik, Lucca
Técnico: Gilson Kleina

14ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2017
Data: 16 de julho de 2017, domingo, 16h00min
Público: 21.133 (19.292 pagantes)
Renda: R$ 677.199,00
Local: Arena do Grêmio, Porto Alegre (RS)
Árbitro: Cláudio Francisco Lima e Silva (SE)
Assistentes: Cleriston Clay Barreto Rios (SE) e Fábio Pereira (TO)
Cartões amarelos: Edílson (GRE); Jeferson, Emerson Sheik (PON)
Gols: Thyere (contra) aos 34/1º T; Barrios, aos 11 e aos 24 (de pênalti) 2º Tempo e Everton, aos 42/2ºT;

Brasileirão 2016 – Ponte Preta 3×0 Grêmio

September 15, 2016

2016-ponte-preta-3x0-gremio-fabio-leoni

Em mais de 90 minutos, o Grêmio só conseguiu dar um único chute no gol da Ponte Preta. E levou 3 gols. Os dois primeiros em jogadas de bola aérea (e o terceiro em um pênalti inexistente).

O capitão Geromel deixou o campo dizendo que o “grupo não é qualificado suficiente para lutar pelo título. Os outros times tem muita qualidade, isso faz a diferença.“. Ok, é a opinião dele, mas ficam as perguntas: É papel do capitão externar esse tipo de análise? A Ponte Preta tem mais qualidade que o Grêmio? As alegadas carências do plantel explicam o fato do Grêmio jogar bem contra os times de cima da tabela e mal contra os menos cotados? Explica o fato do Grêmio jogar bem em casa e mal fora?

Foi a segunda vez em uma semana que um dos atletas se achou capacitado para fazer considerações públicas sobre o plantel na beira do gramado. Depois disso, não da pra se considerar uma surpresa a saída dos comandantes do departamento do futebol.

Lamento muito que o Roger tenha pedido demissão e lamento também que o presidente tenha “aceitado” essa demissão. Nosso treinador vinha cometendo alguns erros, mas me parece seguro afirmar que ele é quem tem a menor parcela de culpa no momento. E Roger era quem mais demonstrava ter um conceito claro do que queria para o futebol do Grêmio.

2016-ponte-preta-3x0-gremio-alexandre-battibugli

Fotos: Fabio Leoni (Ponte Preta) e Alexandre Battibugli (Lance)

Ponte Preta 3×0 Grêmio

PONTE PRETA: Aranha, Nino Paraíba, Douglas Grolli, Fábio Ferreira e Reinaldo; João Vitor, Matheus Jesus e Maycon (Elton, 32’/2ºT); Clayson (Felipe Azevedo, 34’/2ºT), William Pottker e Rhayner (Roger, 45’/1ºT)
Técnico: Eduardo Baptista

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Edílson, Geromel, Kannemann e Marcelo Oliveira; Walace, Jailson e Lincoln (Guilherme, 24’/2ºT); Pedro Rocha (Negueba, 14’/2ºT), Miller Bolaños (Batista, Intervalo) e Luan.
Técnico: Roger Machado

25ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016
Data: 15/9/2016, quarta–feira, 21h00min
Local: Estádio Moisés Lucarelli, Campinas – SP
Público: 3.713 pagantes
Renda: R$ 69.650,00.
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA)
Auxiliares: José Carlos Oliveira dos Santos (BA) e Paulo de Tarso Bregalda Gussen (BA)
Cartões amarelos: Douglas Grolli e Matheus Jesus (PON); Marcelo Oliveira (GRE)
Gols: Fábio Ferreira, aos sete, Roger, aos 30 e Pottker (de pênalti), aos 49 minutos do segundo tempo

Brasileirão 2016 – Grêmio 1×0 Ponte Preta

June 6, 2016

ponte preta everton

O Grêmio conseguiu a vitória com um golaço de Luan no último minuto de jogo. Antes disso o tricolor fez um bom primeiro (onde Everton teve três grandes chances de abrir o marcador) e um segundo tempo bem mais fraco (onde o time precipitava o jogo, erguendo muitas bolas para a área do adversário).

Chamou a atenção a desmedida irritação de boa parte da torcida. Parece que a paciência com o time acabou aos 30 segundos do segundo tempo, como se o Grêmio fosse obrigado a resolver o jogo nos primeiros 45 minutos.

A ausência de Walace foi outro elemento bastante sentido. Ramiro (ainda) não consegue dar a mesma dinâmica ao meio campo tricolor. O time sentiu falta da chegada de mais um volante na frente.

 

Gremio x Ponte Preta

Público de ontem ficou abaixo da média do ano e abaixo da média dos 5 jogos anteriores contra a Ponte em Porto Alegre. Não consigo entender essa promoção feita pelo Grêmio. Um acompanhante de sócio paga 20 Reais para ir na Cadeira Gold (setor mais nobre do estádio). Enquanto um Sócio-Torcedor Diamante pagaria R$ 98, um Sócio-Torcedor Ouro pagaria R$ 126 e um Sócio Patrimonial/Contribuinte que vai na Geral pagaria R$ 140 para ir neste mesmo setor. A promoção prejudica boa parte das pessoas que já são sócias.

Eu não teria expulsado o Clayson da Ponte Preta. Me pareceu ser lance para cartão amarelo, que foi bastante “valorizado” pelo Edilson. Mas ao menos o juiz foi coerente e também expulsou Lincoln, que igualmente entrou com o braço excessivamente levantado numa disputa de bola.

O goleiro João Carlos (de boa atuação) lembra muito o ator Gary Busey.

Como já disse lá em 2009, não gosto muito de ver os atletas usando a uma malha azul de manga longa por baixo da camisa tricolor de manga curta. Dá uma sensação de “quebra” nas listras.

Finalmente o Grêmio usou a meia que é vendida na Grêmio Mania. Eu gosto mais da usada nas partidas anteriores (que é toda branca)

2016 ramiro

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 1×0 Ponte Preta

GRÊMIOBruno Grassi; Edílson, Geromel, Wallace e Marcelo Hermes;Ramiro (Lincoln, 19’/2ºT), Maicon, Giuliano, Douglas (Bobô, 12’/2ºT) e Everton; (Batista, 43’/2ºT) Luan.
Técnico: Roger Machado

PONTE PRETA: João Carlos; Jeferson, Fábio Ferreira, Kadu e Reinaldo; João Vitor, Renê Junior; (Matheus Jesus, 30’/2ºT),Cristian (Nino Paraíba, int.), Rhayner (Gilson, 12’/2ºT) e Clayson; Wellington Paulista.
Técnico: Eduardo Baptista

06ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2016

Data : 05/06/2016, Domingo, 16h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 16. 957 (15.125 pagantes)
Renda: R$ 463.131,00
Árbitro: Péricles Bassols Cortez (PE)
Auxiliares: Clóvis Amaral da Silva (PE) e Cleberson Nascimento Leite (PE)
Cartões amarelos:  Luan , Edílson ; Reinaldo, João Carlos ;
Cartões vermelhos: Clayson (39/1ºt); Lincoln (26/2ºt)
Gols: Luan, do Grêmio, aos 49 minutos do segundo tempo.

Brasileirão 2015 – Ponte Preta 0x0 Grêmio

August 24, 2015

A brincadeira repetida ontem era que a melhor figura do Grêmio em campo foi a trave de Marcelo Grohe. O que ajuda a mostrar que o 0x0 no Moíses Lucarelli não foi mau negócio para o tricolor, muito embora Braian Rodriguez tenha desperdiçado uma chance claríssima de “cometer um crime” aos 46 minutos do segundo tempo.
Assim como já tinha acontecido em Curitiba na quarta-feira, o time apresentou sinais de cansaço e não conseguiu voltar a ter o mesmo desempenho que teve contra Inter e Atlético-MG. A entrada de Fernandinho no lugar de Pedro Rocha não trouxe mais vigor a equipe e a Ponte Preta acabou dominando as ações, tendo inúmeras conclusões e colocando duas bolas na trave.

O Grêmio esteve pior na partida do que o seu adversário, mas mesmo assim conseguiu segurar um empate. Devemos valorizar isso. Problema é somar apenas 2 pontos em 6 disputados com a Ponte (que, com todo o respeito, não tem as mesmas pretensões do Grêmio no Campeonato).

Acredito que todo mundo tem o direito de se indignar com algum lance errado na partida. Mas não consigo aceitar que um funcionário/prestador de serviço do clube chame, publicamente, um atleta do Grêmio de “merda” e “Filho da Puta“. O fato da direção ter escolhido trazer para dentro da instituição um sujeito com esse tipo de pensamento em relação aos guris da base me entristece muito mais do que a má atuação em Campinas.

Fotos: Victor Hafner (A.A. Ponte Preta)

Ponte Preta Ponte Preta 0x0 Grêmio Grêmio

PONTE PRETA: Marcelo Lomba, Rodinei, Renato Chaves, Pablo e Gilson; Fernando Bob e Elton; Felipe Azevedo, Bady (Leandrinho, 24’/2ºT) e Biro Biro (Keno, 33’/2ºT); Borges (Diego Oliveira, 8’/1°T)
Técnico: Doriva
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Galhardo, Geromel, Erazo e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon (Edinho, 2’/2ºT), Douglas, Giuliano e Fernandinho (Pedro Rocha, 32’/2ºT); Luan (Braian Rodríguez, 12’/2ºT)
Técnico: Roger Machado

20ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 23/08/2015, domingo, às 11h00min
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas-SP
Público: 8.612 pagantes
Renda: R$ 145.880,00
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG)
Auxiliares: Bruno Boschilia (Fifa/PR) e Sidmar dos Santos Meurer (MG)
Cartões amarelos: Biro Biro (PON); Marcelo Grohe (GRE)

Brasileirão 2015 – Grêmio 3×3 Ponte Preta

May 11, 2015

O aproveitamento do Grêmio nas rodadas de estreia do Brasileirão na era de pontos corridos é de 36,11% (50% nas partidas em casa e 22,22% fora de casa). Não deve ser por acaso que as melhores campanhas do tricolor neste últimos anos começaram por uma vitória na primeira rodada. Mas diante da Ponte Preta, na manhã de domingo, o Grêmio não conseguiu arrancar o campeonato com três pontos.

Vitória tranquila → Entrega do empate → Vitória com sustos → Empate desastroso
Por um bom tempo parecia que o Grêmio encaminharia uma vitória tranquila (Com dois gols de Mamute, o primeiro na cabeçada após cruzamento de Luan, e o segundo com drible no goleiro após roubada de bola do mesmo Luan). Mas em 2 minutos, essa vitória tranquila se transformou numa senhora entregada do empate quando a Ponte marcou 2 vezes (primeiro num golaço de Renato Cajá, depois numa bola que a zaga permitiu a antecipação de Rildo). Aos 30 minutos do segundo tempo o jogo poderia então ter se transformado numa vitória com sustos, quando Matias Rodriguez saiu do banco para pegar o rebote e marcar o terceiro gol. Contudo, no último lance da partida, Diego Oliveira aproveitou o rebote dado por Marcelo Grohe e a Ponte Preta marcou o seu terceiro gol quando já tinha um jogador a menos, impondo ao Grêmio um desastroso empate.

Um dos poucos fatos positivo desse jogo foi o fato de o Grêmio ter feito dois gols cruzamentos oriundos de bola parada (três se considerarmos o gol anulado), algo que não é tão comum desde o retorno de Felipão.

Outra boa notícia reside nos gols marcados por Yuri Mamute, que apesar de ser jogador profissional desde 2011, vai desfalcar seu clube para participar de um período de testes na seleção de base.

Acho válido que o Felipão fale das carências do grupo do Grêmio nas coletivas. O problema é que por vezes o tom adotado por ele para fazer isso beira o coitadismo.
E acho um pouco estranho que o treinador se manifeste sobre o quanto o clube pode avançar em valores de contratações. Mas Felipão deve estar fazendo isso porque percebe um vazio nas outras esferas e porque isso lhe é permitido.

Quanto ao que acontece dentro das quatro linhas, achei interessante o diagnóstico do treinador sobre o espaço demasiado que os marcadores do Grêmio dão aos seus adversários.  Contudo, esse problema já era visível nos jogos anteriores, ainda que o time não tivesse sofrido tanto com chutes de fora da área.

Creio que o horário das 11:00 é uma alternativa interessante para um jogo de futebol no domingo. Mas muito provavelmente o fato de tal iniciativa ter se iniciado num dia das mães deve ter tido um efeito negativo no público (que ficou abaixo da média do Gauchão). E o tipo de detalhe que pode fazer muita diferença. Tipo de detalhe que o Grêmio parece fazer questão de não prestar atenção.

Grêmio Grêmio 3×3 Ponte Preta Ponte Preta

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Galhardo (Matías Rodríguez, 30’/2ºT), Geromel, Rhodolfo e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon, Giuliano (Douglas, 32’/2ºT), Lincoln (Everton, 26’/2ºT) e Luan; Yuri Mamute
TÉCNICO: Luiz Felipe Scolari.
PONTE PRETA: Marcelo Lomba, Rodnei, Tiago Alves, Pablo, Gilson, Fernando Bob, Josimar (Juninho, 24’/2ºT) , Paulinho (Diego Oliveira, intervalo), Renato Cajá, Rildo (Felipe Azevedo, 32’/2ºT) e Biro Biro
TÉCNICO: Guto Ferreira
01ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2015
Data: 10/5/2015, domingo, 11h00min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 13.164 (11.920 pagantes)
Renda: R$ 378.586,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (FIFA/PR)
Auxiliares: Nadine Bastos (FIFA/PR) e Carlos Berkenbrock (PR)
Cartões amarelos: Galhardo, Yuri Mamute, Walace; Biro Biro, Rildo, Tiago Alves, Josimar, Renato Cajá
Cartão vermelho: Tiago Alves (aos 44 minutos do 2º tempo)
Gols: Yuri Mamute aos 24 minutos do primeiro tempo e aos 9 minutos do segundo tempo; Renato Cajá aos 17 minutos; Rildo, aos 19 minutos; Matías Rodríguez, aos 30 minutos e  Diego Oliveira aos 48 minutos do segundo tempo

Brasileirão – Ponte Preta 1×1 Grêmio

November 25, 2013
O jogo foi horrível, a atuação do Grêmio foi lamentável. Não há como fugir dessas constatações. O adversário era uma Ponte Preta que, apesar de ainda ter chances matemáticas de escapar do rebaixamento, poupava jogadores pensando na semifinal da Copa Sul-Americana.  Ou seja, o cenário não era dos mais complicados, e ainda assim a equipe gremista se complicou. O time mostrou um misto de cansaço, apatia, desinteresse e jornadas técnicas individuais sofríveis. Apesar disso, pelo que se viu em campo, seria possível vencer o jogo. Mas a realidade é que o Grêmio jogou muito pouco. Levou um gol numa das raras ações ofensivas da Ponte, logo aos 15 minutos, quando Adrianinho aproveitou um contra-ataque de 3 contra 2 para servir Adaílton, que chutou cruzado, sem que Dida conseguisse defender. A partir daí o Grêmio teve muita posse de bola no campo de ataque, mas com pouquíssima criatividade e com quase nenhuma vitória pessoal dos seus avantes contra os defensores do time de Campinas. Aos 12 minutos do segundo tempo, Vargas empatou de cabeça, mas a reação tricolor parou aí.

Me parece adequado associar a arrancada do Grêmio nesse Brasileirão a adoção do 3-5-2 com 3 volantes. Eu gostei da alternativa pensada por Renato, de um 4-3-3 que manteve os três volantes. Hoje o treinador optou por mais uma escalação diferente, com 2 volantes (Souza e Ramiro) e um meia (Zé Roberto). Não sei até que ponto tantas mudanças são benéficas ao desempenho do time. Será que esse grupo tem entrosamento e treinamento suficiente para tantas variações?
Muito se fala sobre a comparação do rendimento do Vargas no Grêmio e na seleção chilena. Será que o posicionamento dele é o mesmo nos dois times? Hoje me pareceu que ele atuou um tanto longe do gol, por diversas vezes ele se encontrava mais recuado que o Zé Roberto.

Fotos: Guilherme Dorigatti (PontePress), Carlos Sousa Ramos (AAN), FuturaPress (Lance),  AGIF (Correio do Povo)
Ponte Preta Ponte Preta 1×1 Grêmio Grêmio
PONTE PRETA: Edson Bastos; Artur, Ferron, Diego Sacoman e Uendel; Baraka, Alef (Raphael, 16’/2º), Fellipe Bastos, Adrianinho (Elias, 16’/2º) e Adailton; Willian (Chiquinho, 28’/2º).
Técnico: Jorginho
GRÊMIODida; Pará, Rhodolfo, Bressan e Alex Telles; Souza, Ramiro e Zé Roberto (Elano, 32’/2º); Vargas, Kleber (Maxi Rodríguez, 23’/2º) e Barcos (Yuri Mamute, 35’/2º).
Técnico: Renato Portaluppi

Data: 24/11/2013, domingo, 170h00min
Local: Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Público: 4.111 torcedores
Renda: R$ 37.002,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Lúcio Ipojucan Ribeiro da Silva de Mattos (PA) e Hélcio Araújo Neves (PA)
Cartões amarelos: Baraka e Adaílton (PPO); Alex Telles e Elano (GRE)
Gols: Adaílton, 15’/1ºT e Vargas, 9’/2ºT