Archive for the ‘Rosario Central’ Category

Libertadores 2019 – Grêmio 3×1 Rosario Central

April 11, 2019

Gremio x Rosario Central

Não foi uma atuação brilhante, mas o Grêmio “reagiu” e finalmente conseguiu sua primeira vitória na Libertadores 2019.

Os mapas de calor mostram Jean Pyerre caindo pela esquerda e Everton aparecendo bastante dentro da área. Não por acaso foram essas as “peças” mais acionadas do ataque tricolor.

Leonardo Gomes tomou gosto por fazer gol em Libertadores.

– Média de público do Grêmio na Libertadores 2019:
31.620 (29.206 pagantes)

– Média de público do Grêmio na Arena na temporada:
20.576 (18.559 pagantes)

Gremio x Rosario Central

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net) e C.A. Rosario Central

Grêmio 3×1 Rosario Central

GRÊMIO: Paulo Victor; Leonardo Gomes, Geromel, Kannemann e Cortez; Maicon (Thaciano, 21/2ºT), Matheus Henrique, Diego Tardelli (Alisson, 13/2ºT), Jean Pyerre (Rômulo, 33/2ºT) e Everton; André
Técnico: Renato Portaluppi

ROSARIO CENTRAL: Ledesma; Molina, Barbieri, Recalde e Parot (Rizzi, 21’/2ºT); Ojeda, Villagra, Aguirre e Pereyra (Vergara, int.); Herrera e Barrera (Riaño, 34’/2ºT).
Técnico: Diego Cocca

Libertadores 2019 – Grupo H – 4ª Rodada
Data: 10 de abril de 2019, quarta-feira, 21h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 30.251 (27.732 pagantes)
Renda: R$ 921.410
Árbitro: Andres Rojas (COL)
Auxiliares: Wilmar Navarro (COL) e John Alexander Leon (COL)
Cartões amarelos: Kannemann, Matheus Henrique, André; Barbieri, Ojeda e Herrera
Gols: Jean Pyerre, aos 30 minutos do primeiro tempo; Leonardo Gomes aos 9 e aos 36, e Aguirre aos 42 minutos do segundo tempo.

Advertisements

Libertadores 2019 – Rosario Central 1×1 Grêmio

March 7, 2019

O Grêmio parece ter jogado uma partida de Libertadores em ritmo de Gauchão (o que, até certo ponto, é natural, visto que o time até aqui só tinha tido compromissos pelo certamente estadual). E ainda assim conseguiu um empate, que diante das circunstâncias  (jogo fora de casa e ter levado gol logo no primeiro minuto) pode ser considerado bom resultado.

Geromel poderia ter buscado revidar a agressão sofrida numa jogada fora da área. Correria menos riscos.

Marinho foi um dos nomes da partida. Contudo, ficou claro que havia um distanciamento entre ele e Leonardo Gomes. Tanto é que os dois se aproximaram no segundo tempo e as substituições feitas por Renato visaram ocupar o lado direito do meio campo gremista (conforme se percebe nas imagens abaixo)

marinho leonardo gomes central clarinsofa score




Foto: Hector Rio (AFP/Correio do Povo) e C.A.Rosario Central

ROSARIO CENTRAL: Ledesma; Bettini (Rizzi, int), Barbieri, Cabezas e Molina; Rinaudo, Gil, Allione (Camacho, 27/2ºT) e Aguirre; Riaño e Zampedri (Lovera, 32/2ºT)
Técnico: Paulo Ferrari

GRÊMIO: Paulo Victor; Leonardo Gomes, Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Rômulo e Maicon (Jean Pyerre, 32/2ºT); Marinho, Luan (Matheus Henrique, 19/2ºT) e Everton; Felipe Vizeu (André, 28/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

Libertadores 2019 – Grupo H – 1ª Rodada
Data: 06/3/2019, quarta-feira, 21h30min
Local: Gigante de Arroyto, em Rosario – ARG
Árbitro: Roddy Zambrano (EQU)
Auxiliares: Bryon Romero (EQU) e Juan Macias(EQU)
Cartões amarelos:  Zampedri, Geromel, Matheus Henrique
Gols: Zampedri, aos 2 minutos do primeiro tempo; Everton, aos 12 minutos do primeiro tempo

1979 – Rosario Central 1×2 Grêmio

March 5, 2019
gremio rosario cp

Foto: Mauro Matos (Correio do Povo)

 

Grêmio e Rosario Central se enfrentaram pela primeira vez em fevereiro de 1979, na semana anterior ao carnaval. Era o sexto jogo do tricolor na temporada e o segundo de uma excursão à Argentina agenciada pelo empresário Juan Figer.

O Grêmio, que começava a ajustar suas novas contratações na equipe comandada por Orlando Fantoni, venceu por 2×1 com gols de Éder e Jurandir.

gremio rosario zh v

Foto: Zero Hora – Fonte: GrêmioPédia

GRÊMIO CAMPEÃO NA ARGENTINA, NA FORÇA E NA REAÇÃO

O Grêmio, depois de uma virada marcante no segundo tempo, ontem à noite, venceu o Rosário Central e conquistou o título – o primeiro da temporada — de campeão do Torneio Internacional Cidade de Rosário, Argentina, No período inicial, prejudicado por uma penalidade máxima inexistente (nos 45 finais repetiu o mesmo erro) assinalada pelo árbitro, o Grêmio perdeu e foi uma equipe nervosa. Depois, com Éder empatando na cobrança de uma falta, e Jurandir concluindo jogada de Dirceu pela esquerda, o representante gaúcho estabeleceu a vantagem, Mais tarde, numa visível intenção de evitar a vitória do Grêmio, o juiz marcou outra penalidade máxima que só ele viu. Desta vez, porem, o excepcional Manga voou e caiu quieto com a bola, que Heredia bateu buscando o canto esquerdo. E, a partir daí, Grémio assegurou os 2 a 1.

PRIMEIRO TEMPO

Antes de iniciar o jogo, numa confissão apressada de boca de túnel, Orlando Fantoni deixou evidenciada uma preocupação: a ausência de lura, que poderia ter reflexos na movimentação do time. E, para azar do Grêmio, Renato Sá não teve condições de manter a rotação do meio-campo, deixando o ataque distanciado. E. assim, além de retardar a arrancada ofensiva, ainda deixava a velocidade de Tarciso se, dispersar.

No detalhe, a dificuldade tricolor. Mais ainda: uma penalidade máxima inexistente — obstrução de Éder e, não, falta em Orte — deixou o time nervoso. Com isso, de certa forma, entrando na catimba dos argentinos, especialistas em manhas, o Grêmio começou a se perturbar.

Apesar destes detalhes, se não fosse o lance isolado de Éder em Orte, uma penalidade máxima assinalada aos 11 minutos, numa interpretação errónea do árbitro, o Grêmio poderia ser sustentado o placar em branco nos primeiros 45 minutos. Prova disso, o Rosário Central teve apenas uma grande oportunidade para marcar: 42 min., pararam Vicente, Ladinho e Ancheta, deixando Orte entrar sozinho e chutar para fora. Além disso, nada mais, exceto ataques esporádicos.

O Grêmio sempre tomou as iniciativas na partida. Mesmo com a meia-cancha desarrumada, o time gaúcho forçou até mesmo com insistência. Aos cinco minutos, por exemplo, André perdeu um golo certo, quando Éder chutou forte e o goleiro Ferrero soltou.

Éder, devido a falta de solidariedade do meio-campo, passou todo o primeiro tempo se movimentando praticamente por todo o campo. E, sem dúvida, foi por intermédio do ponteiro que surgiram os melhores momentos para o empate.

No todo, um primeiro tempo para empate com muita justiça e não houvesse uma injusta penalidade máxima.

SEGUNDO TEMPO

De imediato, a constatação: Fantoni, neste período, tentou transformar todo o time do Grêmio. E as alterações foram profundas: a retirada preventiva de André — que estava ameaçado de expulsão — a entrada de Jurandir que foi para a ponta, enquanto Tarciso para o comando do ataque — Dirceu na lateral esquerda e, como medida tática, o deslocamento de Renato Sá para o lado esquerdo, passando Paulo César a jogar onde realmente sabe, pela meia-direita.

O Grêmio cresceu, cresceu muito em movimentação. E, aos 16 minutos, Éder fazia 1 x 1, cobrando uma falta com violência, venceu o goleiro Ferrero, com a bola entrando no ângulo esquerdo do Rosário Central. Um minuto após, sempre respondendo com rapidez as investidas dos argentinos, o Grêmio estabelecia a vantagem: Dirceu apoiou e fez o cruzamento, Tarciso na área deu um toque para Jurandir, que chutou para as redes. O tricolor virava o escore.

Na saída do segundo golo do Grêmio, o Rosário Central desceu perigosamente com Trama, que deu um toque com mão na bola e passou por Ancheta na área gremista. O juiz, de novo, inverteu o lance, assinalando nova penalidade máxima inexistente contra o Grêmio. Eram 19 minutos e Heredia batia forte no canto esquerdo para Manga fazer uma defesa sensacional e manter o escore de 2 x 1.

 A partir do segundo pênalti e com a vantagem no marcador, o Grêmio fez o que realmente era necessário: tratou de fechar o meio-campo, colocando Valderez ao lado de Vitor Hugo, saindo Éder. Com isso, ficaram poucos espaços para o Rosário Central tentar a ofensiva. E, assim, o time tricolor ainda teve condições de ameaçar a defesa argentina. O Grêmio teve muita garra até o final, com torcida e árbitro jogando ao lado do Rosário Central. Uma vitória para recuperar o prestigio do futebol gaúcho na Argentina.

DETALHES TÉCNICOS

Primeiro tempo — 1×0 para o Rosário, através de uma penalidade máxima duvidosa, que Garcia, aos 11 minutos, cobrou com precisão. JUIZ — Alberto Lucatelli, atuação comprometida pela sinalização de duas penalidades inexistentes contra o Grémio. Na preliminar, Independiente 2, Quilmes 0. “ (Plinio Nunes, Correio do Povo, 23 de fevereiro de 1979)

gremio viagem cp

correio 8 fev

O Grêmio, ao vencer ontem o torneio da cidade de Rosário, confirmou que está mesmo com uma equipe preparada para grandes conquistas em 79. Ao contrário do jogo de estréia, quando goleou o Independiente e mostrou excelentes qualidades técnicas, ontem, ao derrotar o Rosário Central, virando um marcador negativo de 0 a 1 para 2 a 1, mostrou também força e valentia. Deixou-se envolver pelo nervosismo e violência da partida no primeiro tempo, sofrendo ainda as conseqüências do mau posicionamento de Renato Sá, mas, no segundo período, sem a perturbação de André e com a presença do novo lateral Dirceu, o Grêmio chegou à vitória com categoria, através de dois golos (Éder e Jurandir) em dois minutos, tendo ainda Manga, em seguida, defendido um pênalte. “(Antônio Goulart, Correio do Povo, 23 de fevereiro de 1979)

gremio viagem caju jose doval cp

Foto: José Doval (Correio do Povo)

gremio guaiba

Rosario Central 1×2 Grêmio

ROSARIO CENTRAL: Ricardo Ferrero; Magistral, Crayacich, Van Tuyne (Heredia) e Jorge Alberto Garcia; Gaitan, Eduardo Giuliano e Eduardo Bacas; Orte, Trama e Rubén Diaz.
Técnico: Ángel Zof

GRÊMIO: Manga; Eurico, Ancheta, Vicente e Ladinho (Dirceu); Vitor Hugo, Renato Sá e Paulo César Caju; Tarciso, André Catimba (Jurandir) e Éder (Valderez).
Técnico: Orlando Fantoni

Torneio Ciudad de Rosario – Final
Data: 22 de fevereiro de 1979, quinta-feira, 22h00min
Local: Estádio Gigante de Arroyito, em Rosario – ARG
Árbitro: Alberto Ducatelli
Auxiliares: Norberto Rodrigues e Juan Carlos Mansur
Gols: Garcia (de pênalti) aos 11 minutos do primeiro tempo. Éder aos 16 minutos e Jurandir aos 17 minutos do segundo tempo

Libertadores 2016 – Rosario Central 3×0 Grêmio

May 6, 2016

 

E não deu. Pela quarta vez seguida o Grêmio é eliminado da Libertadores nas oitavas de final.
Eu ainda esperava algum tipo de reação. Era difícil acreditar que o time faria uma apresentação tão ruim quanto a do jogo de ida. O Grêmio teve uma semana para encontrar alguma saída para a partida fora de casa. Mas em campo não se viu nada. A atuação foi completamente apática.  O Grêmio tomou  gol logo no início do jogo. Levou o segundo em pênalti totalmente desnecessário e sofreu o terceiro na volta para o segundo tempo. O “roteiro” não poderia ser pior. Na soma dos dois jogos o Grêmio só acertou 4 chutes NO gol do adversário. Muito pouco para quem iria tocar cinco.

 

Gosto dos conceitos e do trabalho do Roger. Não gostaria de ver ele demitido neste momento. Do jeito que o futebol é pensado no clube, a probabilidade de seu eventual substituto ser um treinador de potencial inferior é muito grande. Mas isso não significa afirmar que o nosso técnico não tem nenhuma culpa nos insucessos de 2016. O fato de que nenhum jogador teve um desempenho minimamente razoável nos dois confrontos contra o Rosario Central deve passar também pelo tipo de jogo que foi pensado pelo treinador.

 

 

Foi feio. Muito feio. Quanto antes se reconhecer isso, mais fácil (ou menos) fica de corrigir. Até aqui o Grêmio vem gastando muita energia para tentar justificar o injustificável e acaba pensando pouco nas soluções dos seus problemas. Somado a isso, temos ainda uma triste postura de censurar críticas, de constranger a oposição. Postura essa que obviamente não trouxe nenhum resultado. Só serviu para alijar  pessoas.  Uma instituição em dificuldade não pode abrir mão de pessoas dispostas a colaborar. Mas no Grêmio, estranhamente, a regra é a da exclusão.

 

Já podemos afirmar que o planejamento do Grêmio para 2016 foi mal pensado. Algumas carências ficaram bastante evidentes. Galhardo e Erazo estavam longe de ser sumidades e ainda assim o clube não consegui encontrar substitutos para as suas respectivas posições. Entendo que existam algumas dificuldades, mas fico bastante preocupado com a ausência de autocrítica na diretoria e a constante tentativa de “terceirizar” a culpa pelos fracassos do clube.

 

Fotos: Rosario Central, Central de Esportes (Rádio Gaúcha) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

ROSARIO CENTRAL: Sosa; Salazar, Burgos, Donatti e Pinola; Musto (Gil Romero, 36’/2ºT), Montoya (Álvarez, 41’/2ºT), Fernández e Cervi; Herrera e Marco Ruben (Lo Celso, 34’/ºT)
Técnico: Eduardo Coudet
GRÊMIO: Marcelo Grohe; Ramiro, Geromel, Fred e Marcelo Hermes; Walace, Maicon, Giuliano, Douglas (Pedro Rocha, int.) e Luan; Bolaños (Bobô, 17’/2ºT)

Técnico: Roger Machado

1979 – Rosario Central 4×1 Grêmio

May 5, 2016

O último confronto entre Rosario Central e Grêmio no estádio Gigante de Arroyito aconteceu em maio de 1979. Como já fora explicado num post anterior, a partida valeu pela final do Torneo Ciudad de Rosario (ou Semana de Mayo). A princípio pode parecer estranha essa competição típica de início de temporada jogada no mês de maio, mas há uma explicação: O campeonato argentino estava parado em função de uma excursão de Seleção Argentina a Europa (onde enfrentaria Holanda e Itália). As equipes de Rosario aproveitaram a folga no calendário para organizar esse torneio, convidando Lazio e Grêmio (que havia deixado uma boa impressão nos argentinos após uma sequência de 3 vitórias contra Independiente, Colón e Rosario.Central em fevereiro daquele ano).
Nas semifinais o Grêmio passou pelo Newell´s e o Central ganhou da Lazio por 3×0. Na final, o tricolor levou um constrangedor 4×1 e viu o prêmio de 50 mil dólares ir para o time da casa.
No time do Central jogavam Mário Sérgio, Edgardo Bauza e o goleiro Ricardo Ferrero, que costumava defender o arco canalla usando uma camisa com o distintivo do Grêmio

Fotos: Antonio Carlos Mafalda (Zero Hora)

Rosario Central 4×1 Grêmio

ROSARIO CENTRAL: Ferrero; Chazarreta, Bauza, Van Tuyne, Ghielmetti; Gaitán, Manzi, Bacas; Orte, Trama, Díaz (Mario Sergio 27/2ºT).

Técnico :Ángel Zof
GRÊMIO: Manga; Eurico (Vilson, Intervalo), Ancheta, Vantuir e Dirceu; Vitor Hugo, Jurandir e Paulo César Caju; Tarciso, André, Baltazar (Leandro 18/2ºT).
Técnico: Orlando Fantoni

Torneio “Semana de Mayo” – Final
Data: 27 de maio de 1979, domingo, 15h30min
Local: Estadio Gigante de Arroyito, em Rosario-ARG
Árbitro: Jorge Romero-ARG
Gols: Diaz, aos 5 e aos 35 minutos do primeiro tempo; Trama aos 12, Gaitan aos 38 e Paulo Cesar Caju (de pênalti) aos 40 minutos do segundo tempo

Libertadores 2016 – Grêmio 0x1 Rosario Central

April 29, 2016

O Grêmio teve uma atuação abaixo da crítica e foi derrotado em casa pelo Rosario Central, se complicando na Libertadores. Diferente do que aconteceu na partida contra o Toluca no México, dessa vez o problema do time não foi apatia. Os jogadores mostraram disposição, mas cometeram uma quantidade significativa de erros, alguns deles grosseiros. O problema é que o tricolor parecia não ter nenhuma alternativa ou recurso para sair da pressão na saída de bola imposta pelo adversário. Os meias não recuaram para auxiliar na distribuição do jogo. Não houve tentativa de explorar os espaços deixados na defesa adversária com bolas longas. Nada. O Grêmio jogou da mesma maneira durante os 90 minutos, abusando de erros em fundamentos básicos. O tricolor teve 64% de posse de bola, mas só tentou 4 conclusões e somente uma chance clara de gol (na bola que sobrou para o Bolanos após um escanteio) O time teve Apesar de ter sido amplamente avisado sobre as características do Central, o capitão Maicon estranhamente disse que “a gente tinha analisado os jogos deles e não tinha visto eles jogarem da maneira que fizeram hoje“.

Nem em um time de várzea seria aceitável tomar o gol que o Grêmio tomou. Bressan sempre teve limitações, mas antes ao menos poderia se dizer que ele passava segurança na bola área. Hoje não há mais como repetir tal frase.

Mas não é o caso de crucificar um único jogador. Nenhum jogador do Grêmio teve um desempenho minimante aceitável. NENHUM.

 Pedro Geromel fez muita falta.

O mais bizarro é que eu sigo achando que temos chances. Mesmo com toda a pane gremista o Central só foi fazer gol num erro grosseiro da defesa gremista. Apesar de terem controlado totalmente o jogo, os argentinos só tiveram mais uma situação concreta de gol, que foi aquela bola que Ruben acertou o travessão após o encobrir Marcelo Grohe. É pouco provável que o  Grêmio não apresenta uma melhora em Rosario (mas talvez isso seja só eu tentando me iludir)

É uma pena que o presidente Romildo Bolzan não tenha falado após o jogo em virtude de uma crise de pressão alta. Mas um dos seus 6 vice-presidentes deveria ter se pronunciado. Da mesma maneira me pareceu estranho o silêncio do Vice de Futebol César Pacheco.

Fotos: Rosario Central.com e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio Grêmio 0x1 Rosario Central Rosario Central

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Ramiro, Fred, Bressan e Marcelo Oliveira; Walace, Maicon (Everton – 15’/2º T), Douglas (Lincoln – 26’/2º T) e Giuliano; Luan e Miller Bolaños (Bobô – 20’/2ºT)
Técnico: Roger Machado.

ROSARIO CENTRAL: Sosa, Salazar, Burgos, Donatti e Pinola; Montoya, Musto, José Fernández e Cervi (Gil Romero – 47’/2ºT); Herrera e Marco Rubén (Lo Celso – intervalo)
Técnico: Eduardo Coudet

Libertadores 2016 – Oitavas de Final – Jogo de ida
Data: 27/04/2016, quarta-feira, 21h45min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 34.621 (31.762 pagantes)
Renda: R$ 1.271.921,00
Árbitro: Victor Carrillo (Peru)
Assistentes: Jonny Bossio e Braulio Cornejo (Peru)
Cartões amarelos: Burgos, Pinola, Lo Celso, Musto e Cervi (Central); Bressan, Fred, Walace, Maicon e Miller Bolaños (Grêmio).
Gol: Marco Ruben  aos 18 minutos do 1º tempo