Archive for the ‘São Paulo’ Category

Brasileirão 2020 – São Paulo 0x0 Grêmio

October 19, 2020

O Grêmio não conseguiu sair do 0x0 com o São Paulo. A equipe gremista teve uma atuação razoável, mas ficou evidente que a ausência de Diego Souza no comando do ataque foi sentida. Mas a história do jogo poderia ter sido outro se a arbitragem tivesse sido minimamente decente.

O conjunto de árbitros deixou de dar um pênalti para o Grêmio e de expulsar dois atletas do São Paulo. É razoável imaginar que a má-arbitragem tenha alguma relação com a inaceitável mudança do responsável pelo VAR a pedido do São Paulo.

Na manhã de domingo o Presidente Romildo Bolzan afirmou que irá pedir a anulação da partida. Não sei se é a medida mais eficaz, mas o clube certamente não poderia deixar de se posicionar.

De forma alguma acho que a reclamação após o jogo é inválida, mas será que o Grêmio não deveria ter se posicionado assim que soube da mudança na escala do VAR?

A ida dos diretores do SPFC a CBF e foi noticiada na quinta. Nas mais de 48 horas até o jogo ninguém do Grêmio se manifestou publicamente sobre o acontecido.

No domingo, Salvio Spinola (comentarista de arbitragem na transmissão da Rede Globo) disse que a a foi pênalti para o Grêmio contra o Santos. Contudo, o presidente da comissão de arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba afirmou que 100% dos comentaristas concordaram com a arbitragem.  Ninguém do Grêmio retrucou. Ficou por isso mesmo.

Acho que o clube deveria ser um pouco mais pró-ativo nessas questões envolvendo a arbitragem.

 

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

 

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Daniel Alves, Diego Costa, Bruno Alves e Reinaldo; Luan Silva, Tchê Tchê, Gabriel Sara (Toró, aos 33’/2ºT) , Luciano (Tréllez, aos 42’/2ºT) e Igor Gomes (Vitor Bueno, aos 19’/2ºT); Brenner (Paulinho Bóia, aos 33’/2ºT)
Técnico: Fernando Diniz

GRÊMIO: Vanderlei; Orejuela, Geromel, Kannemann e Cortez; Maicon (Lucas Silva, aos 26’/2ºT), Matheus Henrique, Alisson (Thaciano, aos 13’/2ºT), Isaque (Jean Pyerre, aos 26’/2ºT) e Pepê; Luiz Fernando (Ferreira, aos 21’/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

17ª Rodada – Brasileirão 2020
Data: 17 de outubro de 2020, sábado, 21h00min
Local: Morumbi, em São Paulo-SP
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Assistentes: Henrique Neu Ribeiro e Helton Nunes (ambos de SC)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Cartões amarelos: Daniel Alves, Luan, Igor Gomes e Vitor Bueno. Geromel e Kannemann

Brasileirão 1973 – São Paulo 1×0 Grêmio

October 17, 2020

Foto: Correio do Povo

O isolamento imposto pela pandemia me forçado a fazer um exercício de tentar postar material inédito sem retornar aos museus.

Esse jogo do post foi a primeira derrota do Grêmio para o São Paulo em uma competição oficial. Era partida válida pela segunda fase do Brasileirão de 1973 (que foi disputado até fevereiro de 1974).

É interessante notar que a Folha de São Paulo considerou o desempenho do juiz Arnaldo Cezar Coelho como “fraco”, enquanto no Jornal do Brasil considerou sua atuação como “excelente”.

Ancheta é um dos jogadores gremista que eu mais lamento não poder ter visto jogar. Aqui ele foi novamente muito elogiado, mesmo tendo feito um gol contra (vale lembrar que ele recebeu a “Bola de Ouro” da Placar como melhor jogador daquela edição do Brasileirão).

O GRÊMIO PERDEU NO PRIMEIRO TEMPO

O Grêmio precisava pelo menos empatar com o São Pauto, no Morumbi, pala garantir, assim, uma campanha razoável no Campeonato Nacional de Clubes, fase semifinal. Mas o São Paulo começou melhor, mais organizado, um time disposto, que foi escalado minutos antes do jogo sem o seu principal jogador — Pedro Rocha —, vetado pelo departamento médico, e ganhou de 1 o 0.

O técnico Poy foi obrigado a recuar Zé Carlos e deu chance para o ex-juvenil Silva ser o terceiro homem de meio-campo. O Grêmio começou a partida mostrando claramente que pretendia empatar o jogo, na verdade um bom resultado. Notava-se nos primeiros movimentos que seria difícil conter o São Paulo, um time com ímpeto e decisão em todas as jogadas, principalmente pela ponta esquerda, onde seu garoto de 19 anos — Zé Roberto — crescia a cada lance, a ponto de terminar como o melhor atacante sampaulino, superando até Mirandinha, cotado para a seleção. Zé Roberto, embora bom jogador, mostrou-se extremamente violento, chegando a tirar de campo o lateral direito Cláudio, com suspeita de fratura.

O GOLO
A saída de Cláudio obrigou Froner a tirar Beto do banco de reservas (ele acabaria sendo no final o melhor da defesa) para coloca-lo no lugar de Renato, deslocando este para a lateral direita. Nos primeiros movimentos Renato teve dificuldade de adaptação e enquanto ele procurava se entrosar melhor na posição surgiu o golo da vitória. Zé Carlos serviu a Gilberto, lateral esquerdo, que se soltou para o ataque e na altura da meia-esquerda, com Carlos Alberto e Renato a marca-lo, saiu o passe para Zé Roberto, livre na ponta esquerda. O jogador recolheu e chutou forte e cruzado na direção do golo. O goleiro Picasso saiu certo mas Ancheta, tentando defender de cabeça, desviou a trajetória do chute, tendo a bola parado no fundo da rede. Daí em diante o Grêmio começou a crescer e terminou o primeiro tempo melhor que o São Paulo.

SEGUNDO TEMPO
Na etapa complementar o Grêmio poderia ter empatado, e até fez várias jogadas para que seus avantes assinalassem, se o São Paulo conlassem, e o São Paulo continuava se defendendo. Com a tentativa de tornar o time mais ofensivo, Froner lançou Mazinho retirando Paulo Sérgio. A melhor oportunidade surgiu num chute com barreira que Loivo atirou no poste direito com Valdir Perez já batido. Minutos antes Mazinho entrou livre pelo meio e quase marcou num cruzamento de Carlinhos, não fosse a excelente colocação e defesa parcial do goleiro paulista. Faltavam dois minutos quando o Grêmio construiu a última jogada para empatar a partida, através de Tarciso. O ponta de lança recebeu na entrada da área e atirou com o pé esquerdo, rente ao poste. O Grêmio perdeu jogando bem no segundo tempo.” (Correio do Povo, terça-feira, 22 de janeiro de 1974)

S.PAULO DERROTA GRÊMIO MESMO SEM MERECER

São Paulo (Sucursal) — O empate seria o resultado mais justo ontem à tarde, no Morumbi, mas o São Paulo conseguiu vencer o Grêmio por 1 a 0, gol do zagueiro Ancheta, contra, depois de forte chute do ex-juvenil Zé Roberto. O juiz foi Arnaldo César Coelho, com excelente atuação, e a renda somou Cr$ 125 mil 167.

O São Paulo foi melhor no início e quando o Grêmio reagiu, a partir dos 20 minutos, acabou sofrendo o gol contra. A partida foi monótona no primeiro tempo mas na etapa final surgiram as melhores jogadas, que acabaram agradando o público regular que foi ao Morumbi.

O gol contra

A torcida do São Paulo já estava preocupada com a reação do Grêmio, que iniciou a partida sem muita organização. Após uma investida sem objetividade, o time paulista marcou o gol, com um chute de Zé Roberto, desviado por Beto. Picasso não teve condições de defesa.

No segundo tempo o São Paulo procurou manter o resultado e o Grêmio deixou de jogar na retranca, organizando melhor seu ataque, embora sem sorte nas finalizações. A equipe gaúcha passou a comandar as ações mas o goleiro Valdir não se descuidou. Carlos Froner reforçou o time, substituindo Paulo Sérgio por Mazinho. Tarciso, um bom jogador, ganhou um companheiro mais eficiente, e a defesa adversaria foi pressionada até o final. Aos 41 minutos Loivo perdeu a melhor oportunidade de empate, chutando na trave.” (Jornal do Brasil, Segunda, feira, 21 de janeiro de 1974)

São Paulo 1×0 Grêmio

SÃO PAULO: Valdir Perez; Pablo Forlan, Paranhos, Arlindo e Gilberto; Chicão, Zé Carlos e Silva (Jesum): Piau, Mirandinha e Zé Roberto
Técnico: Poy

GRÊMIO: Picasso; Cláudio (Beto Bacamarte), Ancheta, Renato Cogo e J.Tabajara: Carlos Alberto, Paulo Sérgio (Mazinho) e Humberto Ramos; Carlinhos, Tarciso e Loivo
Técnico: Carlos Froner

Brasileirão 1973 – Segunda Fase – 3ª Rodada
Data: 20 de janeiro de 1974, domingo
Local: Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 14.025 pagantes
Renda: Cr$ 125.167,00
Árbitro: Arnaldo Cezar Coelho
Auxiliares: Moacir Miguel dos Santos e Wanderley Moreira Ferreira
Gol: Ancheta (contra), aos 20 minutos do primeiro tempo

Copa do Brasil 1995 – Grêmio 2×0 São Paulo

May 12, 2020

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

Em 12 de maio de 1995, o Grêmio venceu o São Paulo por 2×0 no Olímpico, pelo jogo de volta das quartas-de-final da Copa do Brasil.

Foi uma vitória categórica, que consolidou o Grêmio como a grande sensação daquela temporada. Interessante notar (na coluna transcrita abaixo) que Alberto Helena já previa que Paulo Nunes e Jardel “se juntaram no Grêmio para fazer história“.

Se a memória não me trai, a foto abaixo foi publicada no Correio do Povo do dia seguinte (a pandemia não me permitiu que eu conseguisse confirmar isso). De qualquer forma para mim ela registra muito bem o momento que o time que viria a ser campeão da Libertadores nos meses seguintes superava o time que havia chegado nas finais das últimas três Libertadores.

GRÊMIO VENCE E PASSA PARA AS SEMIFINAIS
O time se impôs ao São Paulo por 2 a 0, gols de Arilson e Jardel, e enfrenta o vencedor de Cruzeiro e Flamengo

Com uma vitória de 2 a 0 sobre o São Paulo (gols de Arílson e Jardel), ontem à noite, no Estádio Olímpico, o Grêmio garantiu a sua classificação à fase semifinal da Copa do Brasil 1995. Na próxima etapa da competição o time gaúcho vai enfrentar o vencedor de Flamengo ou Cruzeiro (MG), nos dias 23 e 31 de maio. A segunda partida será em Porto Alegre.

Com o apoio da torcida a equipe do técnico Luiz Felipe foi melhor desde o começo da partida, utilizando principalmente as jogadas de contra-ataque – com Paulo Nunes e Jardel. Mesmo não podendo contar com titulares importantes – Luciano e Adílson – além de perder Carlos Miguel, que não se recuperou de lesão, o Grêmio dominou o São Paulo e teve pelo menos duas chances claras de gols por intermédio de Dinho e Jardel.

Na segunda etapa o Grêmio continuou marcando forte no meio-campo e anulou as jogadas de ataque do São Paulo e no contra-ataque chegou várias vezes ao gol adversário. O primeiro gol veio depois de excelente cruzamento de Goiano. Jardel disputou com Zetti e a bola sobrou para Arílson, que marcou aos 23 minutos. Dez minutos depois, Jardel definiu o placar com um gol de cabeça. Alemão foi expulso no fim” (Zero Hora, Sábado, 13 de maio de 1995)

Foto: Valdir Friolin (Zero Hora)

GRÊMIO ELIMINA O SÃO PAULO DA COPA DO BRASIL

O São Paulo perdeu para o Grêmio por 2 a 0 ontem, em Porto Alegre, e foi eliminado da Copa do Brasil.
Classificado, o Grêmio enfrenta o vencedor do confronto entre Flamengo e Cruzeiro nas semifinais.
O primeiro tempo do jogo foi muito equilibrado. Após pressão inicial, o Grêmio recuou o seu time e passou a explorar os contra-ataques, já que o São Paulo tomava a iniciativa da partida.
Cada time perdeu nessa etapa quatro chances de gol.
No segundo tempo, o Grêmio esteve melhor e chegou ao gol aos 22min. Goiano cruzou, Jardel dividiu com a zaga e a bola sobrou para Arílson marcar.
O Grêmio definiu a vitória aos 32min, após falha de Zetti. Ele perdeu no alto para Jardel, que cabeceou para o gol. Zetti ficou pedindo falta.
O São Paulo cederá gratuitamente o seu Centro de Treinamento ao Valencia, da Espanha, entre 1 e 18 de agosto. Lá, o time espanhol fará a sua pré-temporada.” (Folha de São Paulo, sábado, 13 de maio de 1995)

ALBERTO HELENA JR: “E o tricolor chega diante do União vergado sob a carga da desclassificação na Copa Brasil, sua última alternativa para cortar caminho em direção à Libertadores. Perdeu a chance diante do Grêmio, um time armado com jogadores recrutados aqui e ali, sem grande expressão. Mas, sob a orientação inteligente e firme de Luiz Felipe, conseguiu formar um conjunto heróico, capaz de passar por cima de Palmeiras, São Paulo e quantos mais cruzem sua estrada.
O equilíbrio se irradia em todas as suas linhas, a partir do goleiro Danrlei, a mais grata revelação na sua posição nos últimos tempos. E chega a Paulo Nunes e Jardel, Mutt e Jeff, o baixinho ágil, de reflexos rápidos, e o gigante que de tonto não tem nada. Um veio do Fla; outro, do Vasco. E ambos se juntaram no Grêmio para fazer história” (Folha de São Paulo, domingo, 14 de maio de 1995)

Foto: Paulo Franken (Zero Hora)

TRICOLOR ESTÁ NA SEMIFINAL DA COPA

Porto Alegre — Com a força de sua torcida, que lotou o Olímpico, o Grêmio teve toda a garra e técnicas indispensáveis para atropelar o São Paulo, pelo placar de 2 a 0. garantindo presença na semifinal da Copa do Brasil. A equipe de Luiz Felipe reprisou seus grandes momentos deste ano e soube esperar o momento certo para matar o adversário.

Depois de um primeiro tempo equilibrado, com os goleiros fazendo defesas difíceis, a definição da partida ocorreu na etapa final. Aos 23 minutos, quando o São Pauto tentava pressionar, num contra-ataque, Goiano cruzou, Jardel cabeceou e a bola sobrou para Arilson driblar o goleiro e fazer 1 a 0. Aos 32, numa falha incrível de Zetti, Jardel, de cabeça. estabeleceu o segundo, para o delírio da torcida, que cantou o “olé”. Alemão, aos 45 minutos, foi expulso por chutar Paulo Nunes, mostrando o desespero da equipe paulista.

A renda do jogo foi de R$ 370.051,00, para 46.791 pagantes – cerca de dois mil torcedores não conseguiram entrar no estádio. Agora o Grêmio espera o vencedor de Flamengo e Cruzeiro, para os jogos nos dias 23 e 31 deste mês.” (Pioneiro, sábado, 13 de maio de 1995)

Grêmio 2×0 São Paulo

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Scheidt e Roger; Dinho, Goiano, Gelson e Arílson (Alexandre); Paulo Nunes e Jardel (Nildo)
Técnico: Luiz Felipe

SÃO PAULO: Zetti; Cláudio, Júnior Baiano, Bordon e Murilo; Mona, Alemão, Denílson (Palhinha) e Juninho; Caio e Bentinho (Dodô)
Técnico: Telê Santana

Data: 12 de maio de 1995, sexta-feira, 20h45min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 53.797 (46.791 pagantes)
Renda: R$ 370.071,00
Juiz: Márcio Rezende de Freitas
Cartões Amarelos: Scheidt, Rivarola, Arílson e Bentinho
Cartão vermelho:  Alemão
Gols: Arílson aos 22 minutos e Jardel aos 32 minutos do segundo tempo

Brasileirão 1981 – 2ª Fase – 4ª Rodada – Grêmio 1×0 São Paulo

November 30, 2019

Foto: Zero Hora

 

Esse foi um jogo paradigmático na campanha do título brasileiro de 1981. A equipe gremista precisava vencer o então invicto São Paulo no Olímpico para continuar com chances de classificação para as oitavas de final. O Grêmio estava na 3ª posição do Grupo I da segunda fase, com 1 vitória e duas derrotas, sendo que somente os dois primeiros colocados de cada grupo avançavam para a fase seguinte.

Ênio Andrade tinha uma série de desfalques. Uchoa, Vantuir, Vicente e Jurandir estavam lesionados, além de Dirceu e Renato Sá que estavam suspensos. Desse modo o treinador se viu obrigado a promover a entrada de diversos jovens oriundos da base na defesa gremista (Ilgo Wink conta que os setoristas do Grêmio já faziam uma espécie de lobby pelas prata da casa na época).

E a gurizada deu conta do recado e não saiu mais do time. O estreante Paulo Roberto foi um dos destaques do time, na vitória de 1×0 com gol do artilheiro Baltazar.

Uma curiosidade, na Zero Hora da época foi publicada a informação de que o bicho por essa vitória foi de 30 mil cruzeiros (o equivalente a cinco mil reais nos dias de hoje).

Foto: Zero Hora

GOL DE BALTAZAR DÁ VITÓRIA AO GRÊMIO E ACABA COM A INVENCIBILIDADE DO S.PAULO

Porto Alegre – Com um gol de Baltasar, aos 25 minutos do segundo tempo, o Grêmio venceu o São Paulo (que era o único invicto da Taça de Ouro), ontem à tarde, no Estádio Olímpico, e manteve as esperanças de classificação à fase seguinte do Campeonato. Agora, tem quatro pontos ganhos e ainda lhe faltam dois jogos, um deles em casa, contra o Inter de Limeira, seu principal adversário no grupo I.

Fundamentalmente, a vitória premiou o time que mais a procurou. O São Paulo, praticamente classificado, propôs, durante todo tempo, um jogo defensivo, apenas com Assis e Valtinho na frente, tentando as jogadas de contra-ataque. Mas o Grêmio, levado pela necessidade de vencer e muito incentivado por sua torcida; não deu as mínimas chances ao São Paulo. Além’ de criar inúmeras chances para marcar.

SÓ ATAQUE
Se o São Paulo não chegou a criar lima única situação de gol, o Grêmio teve, nos dois tempos de Jogo, muitas oportunidades para marcar, com o goleiro Toinho fazendo grandes defesas. Com uma movimentação constante no setor de, meio de campo e com o apoio constante dos dois laterais (a estréia do Juvenil Paulo Roberto foi excelente), o Grêmio forçou sempre a zaga paulista

A primeira grande chance do Grêmio foi com Vilson Tadei, aos 25 minutos, do primeiro tempo, quando penetrou pelo meio e obrigou o goleiro Toinho a fazer grande defesa. Aos 35, Casemiro chutou muito forte de fora da área, com a bola batendo na trave direita. Aos 39, o Juvenil Paulo Roberto bateu falta da mela esquerda, e obrigou Toinho a fazer outra grande defesa.

No segundo tempo, logo aos 4 minutos, Tarciso tinha tudo para marcar, quando o zagueiro Nei salvou. Aos 24, Paulo Isidoro cabeceou livre e Toinho fez outra grande defesa. Mas, aos 25, Tarciso bateu falta da direita e Baltazar, no meio da zaga do São Paulo, conseguiu cabecear, vencendo o goleiro Toinho, que passou a ser chamado de “Frangueiro” pela torcida. Os Jogadores do São Paulo, sentindo que a invencibilidade estava sendo perdida, ficaram muito nervosos em campo e Élvio acabou expulso depois de atingir Paulo Isidoro. O lateral Chiquito, no mesmo lance, tentou atingir com a bola o médico do Grêmio, que atendia a Isidoro, ainda em campo. Com essa vitória, o Grêmio soma quatro pontos na tabela de classificação, que deverá ser decidida contra o Inter de Limeira, no Estádio Olímpico. Antes disso, o Grêmio joga contra o Fortaleza, em Fortaleza.” (Jornal do Brasil, domingo, 22 de março de 1981)

Placar: Com muita garra o Grêmio derrotou o último invicto e fez sua melhor partida neste nacional. O São Paulo usou toda a catimba possível mas não pôde evitar a derrota e a perda da invencibilidade.

VITÓRIA DIFÍCIL MANTÉM GRÊMIO NA LUTA PELA CLASSIFICAÇÃO
A torcida gostou do gol de Baltazar e do ótimo futebol apresentado pelos novos jogadores

O gol de Baltazar que deu a vitória ao Grêmio, sábado à tarde no Olímpico, ficou como a imagem da própria partida: a bola nem chegou até o fundo da goleira —o goleiro Toinho agarrou-a logo que ultrapassou a risca — mas bastou para manter o clube com boas chances de classificação à próxima fase da Taça de Ouro. Difícil, dramático, tenso — assim foi o jogo contra o São Paulo que perdeu sua invencibilidade a muito custo, diante de mais de 30 mil torcedores que ficaram entusiasmados com a nova equipe do grêmio.

Foi realmente um jogo decisivo para o clube em todos os sentidos. A equipe enfrentou todas as espécies de dificuldades. Desde a catimba e provocações dos jogadores adversários até as chances de gol não aproveitadas que serviram para aumentar o nervosismo nas arquibancadas e no gramado. Tudo foi superado. A partir da vitalidade, disposição e garra de garotos como Paulo Roberto e Casemiro — sem falar nas suas qualidades individuais — o time de Ênio Andrade dominou completamente o São Paulo e teve condições de vencer por uma diferença maior.

O Grêmio mostrou que pode ter uma equipe com possibilidades de tentar resultados ainda melhores. Sua vitória convenceu e fez justiça na medida em que apenas uma equipe preocupou-se em construí-la.

OS MENINOS

Se nos primeiros 20 minutos o jogo se manteve equilibrado com o São Paulo adotando até mesmo uma posição ofensiva, De León tratou de usar sua experiência para impor seu futebol e empurrar o restante do time para frente. Se as faltas cometidas pelos paulistas única forma com que os jogadores do Grêmio tentarem o gol neste período não foram aproveitadas tanto por Paulo Isidoro como por Odair — Paulo Roberto provou depois que o time já dispõe de um cobrador: aos 36 minutos do primeiro tempo ele quase acertou, o que se repetiria em duas oportunidades no segundo tempo.

Se o Grêmio não tinha jogadas inteligentes pelo meio da área, Vilson Tadei em tabela com Paulo Isidoro ficou sozinho à frente de Toinho obrigando o goleiro a fazer sua primeira grande defesa aos 25 minutos do primeiro tempo. Se o Grêmio antes não tinha chute de longa distância, Casemiro provou o contrário acertando o poste aos 34 minutos. “O time dos meninos” como diria Ênio Andrade depois do jogo, realmente surpreendeu pela consciência e espírito de luta.

O São Paulo saiu de campo sem ter chutado nenhuma bola ao gol de Leão. E o time paulista acabou perdendo tranquilidade e a elegância. ÉIvio foi expulso por chutar Isidoro e Chiquito depois de uma discussão com o médico Alarico Endres na beira do gramado tentou acertar com urna bolada o reservado do Grêmio. Ás vezes violento, mas sempre disputando o jogo ao final deixava algumas comprovações: o Grêmio superara suas próprias dificuldades, Paulo Roberto tem um futebol de craque e Baltazar é mesmo um jogador com inspiração divina.

Mas a classificação ainda não está garantida, pois o Inter de Limeira fez 5 a 1 no Fortaleza no sábado à noite e o Grêmio ainda continua precisando de grandes vitórias.

O placar

BALTAZAR, aos 26 minutos do segundo tempo : 1 a 0 para o Grêmio – Tarciso sofreu falta de Marinho na ponta direita. Ele mesmo bateu em cruzamento sobre a área. Baltazar cabeceou para baixo, o pique enganou Toinho que deixou a bola passar por cima do seu ombro e cair dentro da goleira no lado direito.” (Geanoni Peixoto e Pedro Macedo, Zero Hora, Segunda-feira, 23 de março de 1981)

Foto: Correio do Povo

GRÊMIO VENCE SÃO PAULO E PARTE PARA CLASSIFICAÇÃO

Falta ao lado direito. Tarciso é rápido na cobrança, cruzando para a área. Zagueiros do São Paulo vacilam e Baltazar é preciso na cabeçada. Vinte e cinco minutos, segundo tempo, o Grêmio estava vencendo o São Paulo, por 1×0, no Olímpico, iniciando a arrancada rumo à classificação.

Apesar de ser superior ao time paulista, o Grêmio teve um primeiro tempo de muitas ameaças, finalizações e. por azar, grandes defesas do goleiro Toinho. Plenamente ofensivo e explorando o recuo do São Paulo, o tricolor pressionou com insistência. O gol, porém, não saiu nesta fase.

No tempo final, o mesmo domínio. Depois, o gol que fez justiça. O Grêmio mostrou mais futebol. Daí o escore favorável e o apoio da torcida (CrS 3.279.540,00, a arrecadação) que não parou um instante de incentivar os jogadores.

O Grêmio ganhou por 1×0 do São Paulo, com Leão; Paulo Roberto, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro, Tadei; Tamiso, Baltazar e Odair. O São Paulo jogou com Toinho; Chiquito, Nei, Dario Pereira e Marinho; Almir, Élvio (expulso) e Éverton; Valtinho (Tatu), Assis (Marquinho) e Heriberto. Bráulio Zanotto foi um bom árbitro, com Célio Laudelino e José Nunes, os auxiliares.

A vitória gremista foi amplamente festejada. É o que o torcedor esperava. Agora, sem dúvida, passando pelo São Paulo, o time tem condições de continuar lutando pelo objetivo maior: a classificação. Outro fator positivo da vitória: a. excelente estréia do lateral Paulo Roberto. O júnior esteve excelente na marcação e, quando partiu para o apoio, saiu-se com segurança. Portanto, foi outro motivo de grande vibração da torcida. Agora, mais tranqüilo, bicampeão gaúcho prepara-se para enfrentar a próxima jornada. A primeira decisão foi vencida.” (Correio do Povo, 22 de março de 1981)

Foto: Correio do Povo

Grêmio 1 x 0 São Paulo

GRÊMIO: Leão; Paulo Roberto, Newmar, De León e Casemiro; China, Paulo Isidoro e Vílson Tadei; Tarciso, Baltazar e Odair
Técnico: Ênio Andrade

SÃO PAULO: Toinho, Chiquito, Nei, Darío Pereyra e Marinho; Almir, Élvio e Éverton; Valtinho (Tatú 37 do 2º), Assis (Marquinhos 22 do 2º) e Eriberto.
Técnico: Carlos Alberto Silva

Brasileirão 1981 – 2ª Fase- 4ª rodada
Data: 21 de março de 1983, Sábado, 16h00min
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 27.999 pagantes
Renda: Cr$ 3.279.540,00
Juiz: Bráulio Zanotto (PR)
Auxiliares: Celso Laudelino da Silva e José Nunes
Cartão Amarelo: De León
Cartão Vermelho: Élvio, 31 do 2º
Gol: Baltazar, aos 25 minutos do 2ºtempo

Brasileirão 2019 – São Paulo 0x0 Grêmio

September 2, 2019

48654823387_4ee82c26e5_o

Esse empate, consideradas as circunstâncias (Grêmio com time reserva e São Paulo vindo de uma sequência de vitórias, foi um resultado bem aceitável.

Acho que Renato faz bem em “iniciar” um “debate” sobre quem joga o melhor futebol no Brasil.

Últimos 10 jogos entre São Paulo x Grêmio pelo Brasileirão no Morumbi (4D, 4E, 2V). Média de público nessas dez partidas: 26.191 pagantes.

48654823097_e4748e419f_oFotos: Leo Pinheiro (Grêmio.net)

São Paulo 0x0 Grêmio

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran (Igor Vinícius, 18/2ºT), Bruno Alves, Anderson Martins, Reinaldo; Tchê Tchê, Liziero (Igor Gomes, 31/2ºT); Antony, Daniel Alves, Everton; Vitor Bueno (Helinho, 26/2ºT)
Técnico: Cuca

GRÊMIO:Julio César; Rafael Galhardo, Paulo Miranda, David Braz e Juninho Capixaba; Thaciano, Michel; Luciano (Pepê, 21/2ºT), Luan (Darlan, 21/2ºT) e Everton; Diego Tardelli (Patrick, 40/2ºT)
Técnico: Renato Portaluppi

17ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2019
Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 31 de agosto de 2019, sábado, às 11h00min
Público: 46.997 pagantes
Renda: R$ 2.948.464,00
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Fabiano da Silva Ramires (ES)
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG)
Assistentes do VAR: Pablo Ramon Goncalves Pinheiro (RN) e Flavio Gomes Barroca (RN)
Cartões Amarelos: Luciano e Antony
Cartão Vermelho: Antony (41/2ºT)

Brasileirão 1975 – São Paulo 1×2 Grêmio

August 30, 2019
1975 sao paulo fora brasileirao neca zh b

Foto: Zero Hora

No Brasileirão de 1975, o Grêmio chegou sem chances de classificação para as semifinais na penúltima rodada da terceira fase. O São Paulo ainda tinha remotas chances matemáticas de prosseguir na competição. E os tricolores se enfrentaram no Morumbi, num jogo que serviu como preliminar de Portuguesa x Sport.

O Grêmio, treinado por Ênio Andrade, ganhou por 2×1 com gols de Zequinha e Neca.

Vale apontar para o fato da matéria da Zero Hora considerar Tarciso como grande batedor de pênaltis (dois anos depois ele erraria uma cobrança na final do Gauchão).

1975 sao paulo fora brasileirao d zh c

Foto: Zero Hora

DEPOIS DE PERDER PÊNALTI, NECA GARANTIU A VITÓRIA

Jogando uma partida em que mais uma vez que parecia que ia empatar, o Grêmio conseguiu ontem, depois de nove partidas sem vitórias, ganhar do São Paulo por 2 x 1. Os gols foram de Zequinha, aos 9 minutos, Serginho para o São Paulo aos 44 min e Neca, desempatando aos 40 min da segunda etapa para o Grêmio.

DOIS GOLS

A disposição do Grêmio em fazer uma boa partida começou cedo no jogo de ontem à tarde no Morumbi. A um minuto uma troca de passes entre Neca, Nenê e Claudinho quase termina em gol. E logo o Grêmio iria marcar. Aos 9 minutos, Nenê livrou-se de dois jogadores do São Paulo, deu para Neca, Neca lançou Zequinha a curta distância o chute saiu forte, rasteiro, no canto esquerdo de Valdir Peres. 1×0 para o Grêmio.

O gol talvez tenha vindo mais depressa de, que os paulistas calculassem, pegando o São Paulo de surpresa. Até que o time reagisse, o Grêmio mandou à vontade no jogo. Neca e Nenê tiveram espaços a vontade e foi dali que partiram as melhores jogadas no Grêmio na primeira etapa.

Mas o São Paulo não se acomodou. Pedro Rocha começou a jogar, destruindo as jogadas de meio de campo, anulando a função de Neca, que vinha sendo o melhor jogador do Grêmio até a altura dos 20 minutos. Já aos 13 minutos, Murici, que vinha jogando mal, perdeu um gol certo ao chutar muito mal. Depois desse lance o São Pauto aumenta a pressão que só vai terminar aos 44 minutos com o gol de Serginho. Antes do gol entretanto, o São Paulo andou bem perto do empate. Aos 25 minutos aconteceu uma jogada em que a bola tocou no braço de Beto Fuscão dentro da área. Os jogadores do São Paulo não se manifestaram e o jogo continuou. Aos 43 minutos Wilson foi o protagonista de uma jogada tão engraçada quanto sensacional. Pedro Rocha mandou uma bola para o Serginho entre Beto Fuscão e Ancheta. Ancheta na cobertura se confundiu com Vilson que também vinha na jogada. O lateral, então, na tentativa de aliviar acabou acertando um chute violento na forquilha esquerda do gol de Picasso.

Logoo depois, aos 44 minutos , o gol de empate do São Paulo. Outra jogada de Pedro Rocha, Zequinha estava recuado tentou defender mas cabeceou mal, e a bola caiu atrás com Serginho, que chutou em cima de Picasso. São Paulo 1×1. Foi a terceira oportunidade de Serginho. A segunda, ele tinha perdido numa bola no travessão de Picasso.

O PENALTI

A boa impressão do time do Grêmio no primeiro tempo aos poucos vai desaparecendo com a má finalização dos jogadores de ataque, principalmente Osmar e Claudinho. Beto Fuscão jogando recuado e Wilson dispersivo no ataque não acrescentaram quase nada a equipe. Aos 3 minutos uma bola que estava mais para Neca acabou longo do gol num chute errado de Wilson.

Aos 9 minutos Poy substitui Zé Carlos por Sergio Américo e aos 22 entra Ademir no lugar do lateral direito Osmar. A entrada de Ademir dá mais movimentação ao São Paulo, sempre alimentado por boas jogadas de Pedro Rocha, muito melhor no segundo tempo. Aos 20 minutos Pedro Rocha entrou correndo, largou para Murici, a bola bateu em Picasso e se não fosse Beta Fuscão, aliviando na frente do gol vazio, o São Paulo já teria desempatado. O Grêmio não melhora, Nenê se confunde em jogadas complicadas e aos 28 minutos acontece uma substituição esquisita do Grêmio. Ênio Andrade tira Claudinho, colocando Iúra em seu lugar.

Aos 34 minutos aconteceu o lance do pênalti. Tecão perdeu a bola para Nenê dentro da área e derrubou o ponta esquerda do Grêmio. O juiz marcou pênalti. Neca, ao cobrar, resbalou e a bola foi para fora. Parecia que o Grêmio iria terminar outra partida sem vitória. Mas Neca com um gol que o redimiu completamente depois do gol perdido no pênalti, deu a vitória ao Grêmio, aos 40 minutos depois de nove partidas sem vitória nesta Copa Brasil.

No Grêmio ninguém teve uma grande atuação individual. Neca foi o melhor em campo, mas teve um defeito que poderia comprometê-lo mais ainda: o fato de errar um pênalti. No São Paulo, também nada a destacar: Valdir Perez, Tecão, Pedro Rocha e Serginho os melhores.”  (Zero Hora, domingo, 30 de novembro de 1975)

SÓ TARCISO SABE BATER PÊNALTIS

Um pênalti de Tecão sobre Nenê aos 34 minutos do segundo tempo, bem marcado pelo iuiz Saul Mendes, mostrou mais uma vez que o Grêmio não tem quem chute corretamente este tipo de falta quando o centroavante Tarciso está ausente. Os paulistas que assistiam ao iogo de sábado à tarde no estádio do Morumbi ficaram surpresos pois, apesar da má campanha do Grêmio neste Campeonato Brasileiro, eles lembram que Ênio Andrade, como jogador do Palmeiras, foi um excelente cobrador de pênaltis. Por analogia, deveria ensinar melhor seus jogadores.

Contra o Coritiba, no Olímpico, ainda pela fase semifinal, Tarciso havia sido expulso de campo e o Grêmio, perdendo por 2 a 1, teve um pênalti a seu favor. Zequinha, escolhido para bater, chutou fraco, permitindo que Jairo agarrasse firme. No jogo de sábado contra o São Paulo, Neca foi o escalado e, apesar de Valdir Perez saltar para o lado esquerdo, o meia-cancha do Grêmio chutou fraco e completamente torto, longe da trave direita do São Paulo.

Quem observa atentamente os treinos diários no Olímpico pode ver claramente que só Tarciso chuta bem. Batendo no meio da bola e com muita força, o centroavante evita que a bola vá por cima do gol, ao mesmo tempo que — com a força — tira a possibilidade do goleiro adversário defender instintivamente, no reflexo.

NECA

Na próxima quarta-feira o Grêmio enfrenta o Sport de Recite no estádio Olímpico e encerra sua participação no Campeonato Brasileiro de 1975. Exatamente há nove partidas sem vitória, ninguém mais acreditava que o time dirigido por Ênio Andrade conseguisse ganhar do São Paulo depois que Neca chutou completamente desviado o pênalti de Tecão em Nenê no segundo tempo.

Entretanto, o próprio Neca fez o gol da vitória nos últimos minutos de jogo. Aproveitando outra boa jogada de Nenê pela esquerda, Neca recebeu a bola na entrada da área e chutou forte, de pé esquerdo, no ângulo direito de Valdir Perez. Foi o seu 12° gol neste campeonato, que o coloca entre os principais goleadores do pais, apesar de jogar na meia-cancha de um time que só venceu seis das 27 partidas disputadas. E muito embora esse jogo nada decidisse para o clube, mais uma vez Neca definiu uma partida em favor do Grêmio e deu a seus companheiros uma gratificação que eles não recebiam há quase 50 dias.” (Zero Hora, domingo, 30 de novembro de 1975)

A renda de Cr$ 107.011,00 não diz, nem por acaso, o que era o público presente ao Morumbi ao início do togo entre Grêmio e são Paulo, a preliminar da rodada dupla. Quem chegasse às 16 horas no estádio do São Pauto pensaria que o início do jogo havia sido retardado. Chegava a ser simplesmente ridículo o número de torcedores que estavam se arriscando a “tomar um banho” de chuva para ver uma partida de futebol que não tinha interesse para nenhum dos dois time. E depois do jogo, um torcedor do São Paulo exclamava desanimado, enquanto aguardava o início de Portuguesa e Sport: “Pelo menos a música do alto-falante ajuda a pagar o ingresso” (Zero Hora, domingo, 30 de novembro de 1975)

1975 sao paulo fora brasileirao a zh c

Foto: Zero Hora

GRÊMIO VENCE PELA 1.ª VEZ

São Paulo — O São Paulo, que na fase preliminar do Campeonato Nacional foi uma das equipes mais positivas, deu ontem mais uma demonstração de sua má fase, perdendo para o Grêmio em seu estádio, no Morumbi, por 2 a 1 em partida preliminar de Portuguesa e Esporte.

O Grêmio abriu a contagem no primeiro tempo através de Zequinha, mas cedeu o empate ao São Paulo, este com tini gol marcado por Serginho. No segundo tempo, o Grêmio desperdiçou um pênalti cobrado para fora por Neca, que viria a assinalar o gol da vitória quase ao final do jogo.

A partida, tecnicamente fraca, sofreu seguidas vaias da torcida e teve ainda um pênalti não assinalado pelo Juiz Saul Mendes, a favor do Grêmio e um lance curioso, de Serginho, que defendeu para o adversário uma jogada de Pedro Rocha (gol certo) na linha do travessão.” (Jornal do Brasil, domingo, 30 de novembro de 1975)

 

VITÓRIA DO GRÊMIO, UM JUSTO CASTIGO PARA O SÃO PAULO

O São Paulo perdeu ontem, ao ser derrotado pelo Grêmio, por 2 a 1, no Morumbi, suas últimas esperanças de tornar-se um dos finalistas da Copa Brasil. O resultado bastante justo, pois o Grêmio foi a melhor equipe durante todo o jogo, enquanto o São Paulo não passou de um time lento e desordenado, em todos os setores.

No primeiro tempo, depois de uma ou outra boa jogada no ataque, onde Murici tramava bem com Terto, o São Paulo foi surpreendido por um rápido contra-ataque. Neca lançou Nenê, pela esquerda, este passou bem por Osmar e virou o Jogo completamente para a direita, quando esperava-se que seguiria para a linha de fundo. A bola foi encontrar Zéquinha às costas de Gilberto. O chute enganou Valdir Peres. Era o primeiro gol, aos 8 minutos.

Depois do gol, o Grêmio empolgou-se e o São Paulo recuou. Pedro Rocha, que vinha tendo uma atuação medíocre, resolveu levar o time à frente. Passou a jogar mais adiantado e tramar bem pela direita procurando Terto, trocando de posição com Murici e Serginho pelo meio. Zé Carlos recuou e o São Paulo passou então a ler bons momentos ofensivos. Mas foi por pouco tempo, pois o meio campo do Grêmio passou a mandar no jogo, obrigando o São Paulo a recuar novamente. Aos 44, num contra ataque, Serginho, quase sem ângulo, finalizou bem para empatar.

No segundo tempo, os dois times mostravam-se cansados e o jogo foi se tornando cada vez mais monótono. O Grêmio, mesmo atuando mal, era quem mais atacava, aproveitando-se principalmente das falhas de Osmar e depois de Ademir, para explorar o lado direito. Aos 35 minutos, Nenê foi derrubado por Tecão dentro da área Néca desperdiçou o pênalti, chutando fora. Cinco minutos mais tarde, Neca venceu Paranhos e marcou o gol da vitória.” (Folha de São Paulo, domingo, 30 de novembro de 1975)

1975 sao paulo fora brasileirao chamada gaucha

São Paulo 1×2 Grêmio

SÃO PAULO: Waldir Perez; Osmar (Ademir), Paranhos, Tecão e Gilberto; Chicão, Pedro Rocha e Muricy Ramalho; Terto, Serginho Chulapa e Zé Carlos (Sérgio Américo)
Técnico: José Poy

GRÊMIO: Picasso; Vilson (Beto Bacamarte), Beto Fuscão, Ancheta e Bolivar; Luís Carlos, Osmar, Nenê, Zequinha, Neca e Claudinho (Iura).
Técnico: Enio Andrade

Brasileirão 1975 – Fase Final – Grupo B – 6ª Rodada
Data: 29 de novembro de 1975, sábado, 16h00min
Local: Estádio Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 7.084 pagantes
Renda: Cr$ 107.011,00
Árbitro: Saul Mendes
Auxiliares: Edu Monteiro e Bartolomeu Vaz Londello
Cartões amarelos: Bolivar
Gols: Zequinha, aos 09 minutos do 1º tempo. Serginho Chulapa, aos 44 minutos do 1º tempo; Neca, aos 40 minutos do 2º tempo

Confrontos São Paulo X Grêmio pelo Brasileirão no Morumbi

November 15, 2018

IMG_5867IMG_5901

Hoje o Grêmio enfrenta o São Paulo no Morumbi pelo Brasileirão. Acho que essa é uma desculpa forte suficiente para lembrar, entre tantos confrontos tricolores naquele estádio, da final do Campeonato Brasileiro de 1981.

Nas imagens acima, temos o poster, publicado na Zero Hora, do time do Grêmio que iniciou aquela partida. Na sequência, uma ilustração do gol publicada na Folha da Tarde.

Abaixo, na primeira imagem, o anúncio publicado pela direção do Grêmio após o título, brincando com falado favoritismo do São Paulo (que possuía vários jogadores da Seleção Brasileira) na decisão. Na sequência, matérias do Correio do Povo, Folha da Tarde e Zero Hora sobre a conquista gremista.
IMG_5843IMG_5899IMG_5900IMG_5915IMG_5924IMG_5824IMG_5823IMG_5961IMG_5964

Brasileirão 2018 – Grêmio 2×1 São Paulo

July 27, 2018

2018 rubens chiri spfc (2) 2018 lucas uebel (2)

Esse jogo poderia muito bem ficar marcado como a vez em que Geromel falhou, não só uma, mas duas vezes. Na primeira o São Paulo aproveitou a rara falha do camisa 3 gremista e abriu o marcador com Diego Souza. Na segunda Marcelo Grohe fez grande defesa para evitar o gol. Contudo, diante da boa atuação do Grêmio essas falhas viraram uma mera peculiaridade da história da partida. Everton (imparável quando busca o chute rasteiro dentro da área) marcou duas vezes e garantiu a virada azul.

A camisa de manga longa finalmente foi lançada, mas ontem o Thaciano entrou em campo com uma malha azul de manga longa por baixo da camisa tricolor de manga curta.

Por falar em camisa. Com esse modelo recém lançado pela Adidas os jogadores do São Paulo parecem jogadores do São Paulo quando vistos de frente e jogadores de qualquer time alvinegro quando vistos de costas.

2018 rubens chiri spfc a2018 lucas uebel (3)

Público de ontem ficou um tanto abaixo da média dos confrontos anteriores recentes contra o São Paulo pelo Campeonato Brasileiro).

2018 rubens chiri spfc (1)2018 lucas uebel (1)Fotos: Rubens Chiri (SPFC) e Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 2×1 São Paulo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Leonardo Gomes (Thaciano 36 do 2ºT), Geromel, Kannemann, Marcelo Oliveira, Maicon (Jailson, 31min/2ºT), Cícero, Ramiro, Luan (Marinho, 44min/2ºT) e Everton; Jael.
Técnico: Renato Portaluppi

SÃO PAULO: Sidão; Militão, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo (Brenner, 40min/2ºT); Hudson, Liziero, Nene (Gonzalo, 34min/2ºT) e J. Rojas (Lucas Fernandes, 32min/2ºT); Diego Souza e Everton
Técnico: Diego Aguirre

15ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2018
Data: 26/07/2018, quinta-feira, 19h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre-RS
Público: 21.829 (19.865 pagantes)
Renda: R$ 695.732,00
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ)
Assistentes: João Luiz de Albuquerque (RJ) e Thiago Henrique Farinha (RJ)
Cartões Amarelos: Hudson, Arboleda, Éder Militão, Joao Rojas e Everton; Leonardo, Kannemann, Cícero e Ramiro
Gols: Diego Souza, aos 3 minutos do 1º tempo; Everton, aos 47 minutos do 1º tempo e aos 15 minutos do 2º tempo

Brasileirão 2017 – Grêmio 1×0 São Paulo

November 16, 2017

24573621068_f4aa390605_k

No último “ensaio” antes do primeiro jogo da final da Libertadores o Grêmio venceu o São Paulo por 1×0 na Arena. O ritmo da partida não foi dos mais fortes, talvez em função do forte calor em Porto Alegre ontem, mas ainda assim o tricolor gaúcho, especialmente no primeiro tempo, teve mais iniciativa e mereceu a vitória.

É evidente que Kannemann contou com a sorte no lance do gol, mas é importante lembrar que Geromel já tinha tentado um cruzamento rasteiro no primeiro pau poucos minutos antes.

Eu preferia ver Everton e Michel, mas ao que tudo indica Renato vai começar o jogo da próxima quarta com Jaílson e Fernandinho entre os titulares.

38444926781_f42402abfc_k

Aplicação do Banrisul nas costas da camisa do  Marcelo Grohe de ontem foi diferente (passou de preto com contorno branco para branco com contorno preto). Nenhum dos contornos faz muito sentido, visto que os demais elementos (número, nome, patrocínio da Unimed e da Laghetto) estão aplicados somente em preto e são facilmente visualizados.

Média de público do Grêmio como mandante na temporada:
23.301 (21.265 pagantes)

Média de público do Grêmio em casa no Brasileirão 2017:
22.529 (20.479 pagantes)

24573619158_6a582f36fa_kFotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 1×0 São Paulo

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edilson, Geromel, Kannemann e Cortez; Arthur e Jailson; Ramiro (Michel, 37’/2º), Luan e Fernandinho (Everton, 30’/2º); Lucas Barrios (Jael, 25’/2º)
Técnico: Renato Portaluppi

SÃO PAULO: Sidão; Araruna (Gilberto, 33’/2º), Rodrigo Caio, Arboleda e Edimar; Jucilei; Petros (Júnior Tavares, 26’/2º), Hernanes, Marcos Guilherme e Maicosuel (Lucas Fernandes, int); Lucas Pratto
Técnico: Dorival Júnior

35ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2017
Data: 15 de novembro de 2017, quarta-feira, 19h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Público: 22.644 (20.542 pagantes)
Renda: R$ 720.733,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia e Victor Hugo Imazu dos Santos (ambos do PR)
Cartões amarelos: Jucilei, Arboleda, Hernanes (SP), Fernandinho (G)
Gol: Kannemann, aos 33 minutos do primeiro tempo

Brasileirão 2017 – São Paulo 1×1 Grêmio

July 26, 2017

sergio barzaghi gazeta press1581_crop_galeria

Um empate contra o São Paulo no Morumbi dificilmente poderá não ser considerado um bom resultado, mas dessa vez o torcedor gremista tem vários razões para lamentar esse empate: 1) O Grêmio saiu na frente (em uma bela arrancada de Pedro Rocha) ; 2) O Grêmio jogou bem,  controlando o meio de campo e criando mais chances de gol; 3) A situação dos times no campeonato.

Porém não dá pra se falar em injustiça nesse empate (ou não dá pra se falar em justiça em matéria de futebol). O São Paulo aproveitou uma (na boa combinação de Cueva e Edmar pela ponta esquerda) de suas poucas oportunidades de gol e o Grêmio igualmente só aproveitou uma de suas várias chances.
2047_crop_galeria2050_crop_galeria

Renato repetiu o 4-3-3 (4-1-4-1) usado contra o Vitória, mas dessa vez Ramiro atuou aberto pela direita e Luan atuou como homem mais adiantado do ataque.  Como era de se esperar, esse time dominou as ações do meio de campo (em vários momentos o Grêmio tocou a bola como quis) mas não teve tanta presença na área adversária (teve pouco “punch” no terço final do campo).

Achei que patrocínio do iPlace na manga ficou de bom tom (até contribuiu para diminuir o “marasmo ” da manga toda azul).
sergio barzaghi gazeta press2
Fotos: Sergio Barzaghi (Gazeta Esportiva) e Rubens Chiri (saopaulofc.net)

São Paulo 1×1 Grêmio

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Bruno (Gilberto, aos 21’/2ºT), Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros, Jucilei (Cícero, no intervalo) e Jonatan Gómez (Lucas Fernandes, no intervalo); Marcinho, Cueva e Pratto.
Técnico: Dorival Junior

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edílson, Pedro Geromel, Kannemann e Cortez; Michel, Maicon, Arthur (Fernandinho, aos 20’/2ºT) e Ramiro; Pedro Rocha (Éverton, aos 33’/2ºT) e Luan.
Técnico: Renato Portaluppi

16ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2017
Data: 24/7/2017, segunda-feira, 20h00min
Local: Morumbi, em São Paulo – SP
Público: 51.511
Renda: R$ 1.367.039,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG) e Pablo Almeida da Costa (MG)
Cartões amarelos: Rodrigo Caio, Maicon, Michel e Arthur (GRE)
Gols: Pedro Rocha aos 19 minutos do 1º tempo e Lucas Fernandes aos 18 minutos do 2º tempo