Archive for the ‘São Paulo’ Category

Brasileirão – São Paulo 0x1 Grêmio

September 30, 2013

 

O Grêmio repetiu ontem no Morumbi mesmo esquema (4-3-3) e a mesma estratégia que adotou no Pacaembu na quarta-feira, quando se resguardou no campo de defesa a tratou de especular em contra-ataques. No começo de jogo o São Paulo até consegui empolgar a sua torcida, pois trocava passes curtos com velocidade, mostrando boa movimentação e aproximação dos seus atletas. Na comparação com a partida anterior o Grêmio estava um pouco mais vulneravel na defesa, mas em compensação tinha mais saída para o ataque. Aos 11 minutos Vargas arrancou pela esquerda, passou em velocidade por Paulo Mirando, mas não conseguiu concluir quando já se encontrava na frente do gol. E aos 42, Kleber chutou forte do bico da área,  mas a bola passou por cima do travessão. Apesar de ter sido ameaçado nessas duas ocasiões, o time da casa foi superior em todo o primeiro tempo, controlando a posse de bola e ficando perto de abrir o marcador. Aos 3 e aos 38 minutos Dida fez duas boas defesas em arremates de Luis Fabiano, e aos 43 Bressan deu um carrinho providencial, impedindo que a bela arrancada de Wellington terminasse com a bola dentro do gol.
No segundo tempo o ritmo diminuiu um pouco. Dida voltou a fazer boas intervenções (a melhor delas numa saída corajosa nos pés de Douglas), mas o São Paulo parecia ter mais posse de bola do que propriamente presença dentro da área. Aos 24 o Grêmio aproveitou uma das suas raras chances, numa jogada que passou por Kléber e Barcos, onde Alex Telles foi literalmente a linha de fundo e de lá deu um belo cruzamento para Vargas cabecear para baixo, sem chances ao arqueiro adversário.

 

 

Gostei muito da forma que o Grêmio atuou nessa partida, apesar de considerar que Dida foi o melhor jogador em campo. Gosto muito de ver um time baseando seu jogo num forte trabalho defensivo para depois explorar os possíveis contra-ataques. Creio que é característica histórica das grandes equipes gremistas.

 

Eu não marcaria o pênalti de Kléber (aos 23 minutos do 2ºt) protestado pelo São Paulo. Acho razoável interpretar que o avante gremista realmente estava se protegendo. Aquele posicionamento do braço não é tão inusual para jogadores que se posicionam na barreira. Mais o lance é bem discutível, só não gostei da argumentação tacanha de Rogério Ceni, ao afirmar que:A bola não mata ninguém, pode tirar de cabeça“. Pode até não matar, mas machuca bastante. Basta lembrar do exemplo do Dr. Tostão.

E ainda que tenha sido pênalti, eu acho bastante curioso como que alguns lances “repercutem” bem mais do que outros. Não vi tamanho espaço para as reclamações do pênalti sobre Zé Roberto no confronto do primeiro turno.

É impressionante como Bressan cresce de rendimento quando o time joga numa linha de 4 na defesa.

Tem algum lateral esquerdo jogando mais do que o Alex Telles nesse Brasileirão?

Fotos: Tom Dib (Lance), Rubens Cavallari (Folha de São Paulo) Márcio Fernandes (Estadão) e Rodrigo Capote (UOL)

São Paulo São Paulo 0x1 Grêmio Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Paulo Miranda, Rafael Toloi (Douglas 30’/1ºT), Antônio Carlos e Reinaldo; Rodrigo Caio, Wellington, Jadson (Aloisio 29’/2ºT) e Ganso; Osvaldo e Luis Fabiano.  
Técnico: Muricy Ramalho
GRÊMIO: Dida, Pará, Saimon, Bressan e Alex Telles; Souza, Ramiro e Riveros; Vargas (Paulinho 46’/2ºT), Barcos (Wendell 39’/2ºT) e Kleber.  
Técnico: Renato Portaluppi
24ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2013
Data: 29/09/2013, domingo, 16h00min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo-SP
Público: 41.201 pagantes
Renda: R$ 502.961,00
Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Alessandro A. Rocha de Matos (Fifa-BA) e João Patrício de Araújo (GO)
Cartões amarelos: Antônio Carlos, Luis Fabiano e Rogério Ceni (SP); Kleber, Saimon e Bressan (G)

Gol: Vargas aos 24 minutos do 2º tempo

Advertisements

Brasileirão – São Paulo 1×2 Grêmio

August 13, 2012


Esse era um jogo de grande importância no campeonato. Perdendo, o Grêmio veria os líderes desgarrando e o São Paulo chegando no seu encalço. Mas o time se portou bem, conquistou a vitória e voltou de dois jogos fora de casa com quatro pontos na bagagem. Parece haver um consenso de que o Grêmio esteve melhor na partida. Mas isso não signfica que o jogo foi fácil. O São Paulo criou dificuldades. O Grêmio conseguia, por méritos, chegar bem no ataque. Seja com Elano pela direita, seja pela esquerda com Kléber ou M. Moreno ou mesmo em bolas paradas. Mas Rogério Ceni só trabalhou no primeiro tempo em uma conclusão de Elano. E embora não fosse tão brilhante, o São Paulo concluiu mais, e abriu o placar aos 39 com Cícero. A partir daí o Grêmio viveu seu pior momento na partida e só não levou o segundo gol em função de uma grande defesa de Marcelo Grohe.

O Grêmio não se abalou e tratou de mostrar que o resultado do primeiro tempo era injusto. O time seguiu colocando a bola no chão e conseguiu bloquear melhor os avanços São-paulinos. Luxemburgo viu que havia espaço para seu time jogar e colocou Marquinhos no lugar de Fernando. E foi o meia que cobrou um escanteio aos 21, que Werley desviou de cabeça, empatando o jogo. A partida seguiu franca, o São Paulo se abriu, o Grêmio teve ao contra-ataque e aos 46, Werley arrancou do campo de defesa carregando a bola ao ataque. Zé Roberto foi acionado e cruzou para Kléber, que por sua vez serviu André Lima, que de carrinho estabeleceu o 2×1 final.

Eu não achei tão ruim assistir o jogo no Morumbi. Pelo que lia e ouvia, imaginava que fosse maior a distância da arquibancada até o campo. Outras coisas incomodam mais, como a ausência de qualquer tipo de cobertura e o sol castigando a tarde inteira.

Marquinhos entrou bem mais uma vez. Em poucos dias deixou de ser imprestável e passou a ser útil no conceito de alguns. Um pouco mais de calma nas análises e nas sentenças definitivas faria bem a todos.

 

Me pareceu que o Grêmio marcou pouco na frente. Achei que os volantes do São Paulo tiveram muito liberdade para jogar.

Ainda vou entender para o que serve o quinto árbitro. No Morumbi, Rogério Ceni foi cobrar uma falta e o gandula por duas vezes tentou esconder a bola que fica ao lado do gol, sem ser advertido pela arbitragem.

Fotos: Dorival Rosa (Vipcomm)

São Paulo 1×2 Grêmio

SÃO PAULO: Rogério Ceni; João Filipe, Casemiro (Willian José – 36’/2ºT) e Rhodolfo; Douglas, Denilson, Maicon, Jadson e Cortez; Ademilson e Cícero.
Técnico: Ney Franco.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Edilson, Werley, Gilberto Silva e Pará; Fernando (Marquinhos – 18’/2ºT), Souza, Elano (Léo Gago – 43’/2ºT) e Zé Robeto; Kleber e Marcelo Moreno (André Lima – 33’/2ºT).

Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

16ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2012
Data: 12/8/2012, domingo,16h00min
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Público: 15.386 (14.490 pagantes)
Renda: R$ 326.142,00
Árbitro: Elmo Resende Cunha (GO)

Assistentes: Alessandro Rocha de Matos (FIFA/BA) e Kleber Gil (SC)
Cartões Amarelos: Denilson, Douglas, Cortez, João Filipe (SPO) Kleber, Werley, Marcelo Moreno (GRE)
Gols: Cícero, aos 39 minutos do primeiro tempo (SPO); Werley, aos 21 minutos do segundo tempo (GRE) e André Lima, aos 46 minutos do segundo tempo (GRE)

 

Brasileirão – São Paulo 3 x 1 Grêmio

June 12, 2011

Os primeiros dez minutos do Grêmio no Morumbi foram desastrosos, com os jogadores desacostumados com o novo esquema (4-4-1-1) e perdidos com a rapidez dos avantes adversários. Quando parecia que o time passaria incólume a pressão inicial veio o azar do desvio e o gol de Casemiro (aos 13 minutos). A perspectiva do time se achar em campo foi para o espaço. A idéia de preencher o meio de campo e valorizar a posse de bola não foi colocada em prática, o Grêmio tinha imensa dificuldade em sair jogando e ultrapassar o meio de campo . O São Paulo só não ampliou o placar porque era um muito mais um time de movimentação/transpiração do que uma equipe de criação/inspiração.

Gabriel e Lúcio pouco contribuíram no meio campo, seja na criação, seja na marcação. O time melhorou um pouco com a entrada de Lins (até mesmo porque seria difícil piorar). A segundo tempo iniciou com o Grêmio jogando um pouco mais perto da meta defendida por Ceni, e o empate saiu no gol contra de Casemiro, numa falta cruzada para dentro da área. A possibilidade de almejar algo melhor parecia real, mas o bom momento gremista durou pouco. Aos 16, numa saída para contra-ataque, Douglas erra o passe e Marlos é lançado. Nem ele e nem Victor pegaram bem na bola, mas o resultado foi segundo gol sãopaulino. Não houve reação gremista e o domínio paulista foi tão claro que a arbitragem se sentiu no direito de presentear o anfitrião com um gol, de Jean, em clamoroso impedimento (facilmente identificado por quem estava na arquibancada, inclusive pelos colorados)

 

O que mais me incomoda é que o São Paulo precisou jogar muito pouco para vencer o Grêmio.

Não gostei da atuação, dos passe errados e das declarações do Douglas. Mas acho que há um exagero na crítica feita. Não é certo reduzir o jogo ao lance do segundo gol do São Paulo.

Lúcio ainda não teve uma atuação consistente no Brasileirão. Uma pena. O time perde muito com a sua queda de produção.

Todo chefe/comandante/treinador tem seus homens de confiança. Tendo em vista a imensa qualidade de Gabriel, a preferência de Renato é plenamente justificável. Contudo, é preciso dizer que o filho do Wladimir contribuiu muito pouco no meio campo até agora.

Independente do esquema, o Grêmio apresenta um defeito recorrente: a falta de “combate” no meio do campo. Raros são os ataques do adversários interrompidos, poucas são as roubadas de bola.

O Grêmio poderia e deveria ter forçado o jogo em cima da zaga adversária. Nas poucas vezes em que fez isso (nas bolas paradas) levou grande perigo.

Com a bola que o Grêmio jogou seria difícil postular algo melhor, mas isso não deveria legitimar erros de arbitragem. O estranho é que o trio vinha bem na partida (a ausência de um cartão para Jean era a maior falha), mas no final do jogo, quando o resultado já estava encaminhado, aconteceram marcações inexplicáveis. O impedimento de Jean no terceiro gol é de concurso. Qualquer árbitro de várzea marcaria. Rafael Marques não tocou em Dagoberto e foi expulso. E o mesmo bandeirinha que validou o terceiro gol, inverteu uma marcação de escanteio numa bola chutada na sua frente. O clima de 2006/2008 parece voltar. O juiz rouba para o SPFC mesmo quando não é necessário.

Eu sei que não é essa a interpretação corrente, mas na minha opinião o Dagoberto (impedido) participou do lance do segundo gol do SPFC.

E segue a falta de padrão no patrocínio da Unimed. A maioria dos jogadores estampava a marca em branco, mas a fonte era preta nas camisas de Fernando e Lúcio.

Fotos: Almeida Rocha (Folha de São Paulo), Ivan Pacheco (Terra) e Wander Roberto (Vipcomm)

São Paulo 3 x 1 Grêmio
Casemiro 13′
Casemiro (contra) 52′
Marlos 61′
Jean 84′

 

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean, Xandão, Luiz Eduardo e Juan (Bruno Uvini 35’/2ºT); Rodrigo Souto, Wellington, Casemiro (Carlinhos Paraíba 40’/2ºT) e Marlos (Ilsinho 35’/2ºT); Lucas e Dagoberto.
Técnico: Paulo César Carpegiani

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes, Saimon, Rafael Marques e Neuton (Lins, intervalo); Fábio Rochemback, Fernando, Lúcio e Gabriel (Marquinhos 27’/2ºT); Douglas e Júnior Viçosa (Roberson 27’/2ºT).
Técnico: Renato Portaluppi

4ª rodada – Campeonato Brasileiro 2011
Data: 11 de junho de 2011, sábado, 18h30min
Local: Estádio Morumbi, São Paulo – SP
Público: 14.671 pagantes
Renda: R$ 372.089,00
Árbitro: Paulo Henrique Godoy Bezerra
Auxiliares : Carlos Brekenbrock e Marco Antônio Martins
Cartões amarelos: Rodrigo Souto, Jean, Dagoberto (SPO); Lúcio, Fábio Rochemback, Rafael Marques (GRE)
Cartão vermelho : Rafael Marques, 46’/2ºT (GRE)
Gols: Casemiro, aos 13 minutos do primeiro tempo; Casemiro (contra), aos 7, Marlos, aos 16, e Jean, aos 39 minutos do segundo tempo.

1971 – São Paulo 0 x 3 Grêmio – Scotta – 1º gol do Brasileirão

June 10, 2011

1971 São Paulo Gremio ZH

 

Enquanto aguardamos pela solução do impasse causado pelas cinzas do vulcão chileno penso que é válido lembrar um pouco de a história dos confrontos entre Grêmio e São Paulo disputados no Morumbi.

– Em 2001 tivemos um vitória gremista 4×3 pela Copa do Brasil de 2001
– Em 1991 o São Paulo aplicou 2×0 em jogo disputado pelo Brasileirão.
– Em 1981 o inesqucível golaço de Baltazar na finalssíma da taça de ouro.
– Em 1971 um 3×0 gaúcho no Brasileirão.

O jogo de 40 anos atrás foi o primeiro confronto entre os tricolores num campeonato Brasileiro. Justamente na primeira rodada da primeira edição do torneio e o fato marcante do jogo aconteceu logo aos 10 minutos de partida, quando o argentino Scotta marcou o primeiro gol da história da competição.

Abaixo seguem os relatos da Folha de São Paulo, do Jornal do Brasil, da Placar e da Rádio Jovem Pan.

“O Grêmio, ao contrário, mostrava um futebol perigoso, baseado num sistema tático que não vivia apenas da rígida retranca defensiva. Quando o Grêmio recuperava a bola, seus homens de meio de campo faziam rápidos lançamentos para Flecha e Scotta, nas costas dos zagueiros sãopaulinos, em jogadas que sempre deixavam em pânico a defesa adversária. Foi com essas jogadas que chegou aos três gols.

O primeiro foi logo aos 10 minutos de jogo. Torino fez um lançamento em profundidade, num contra-ataque inesperado; Edson tentou segurar Scotta, mas não conseguiu. O centro-avante argentino (mais rápido, avançou até a entrada da área e chutoi forte, no canto, sem chance de defesa para Sérgio, que no fim, apesar dos três gols) acabou sendo o melhor jogador do São Paulo.”


Narração da Rádio Jovem Pan


“O Grêmio estreou no Campeonato Nacional vencendo o São Paulo por 3 a 0, ontem à tarde no Morumbi com dois gols de Scotta e um de Flexa, numa partida em que teve sempre amplo domínio, aproveitando-se do avanço excessivo do adversário e da velocidade de seus pontas

Desde o início da partida, o time do Grêmio recuava propositalmente, dando ao São Paulo uma falsa impressão de domínio, para contra-atacar rapidamente pelas pontas. Desta forma, Scotta marcou dois gols em jogadas de Flexa – aos 15 minutos do primeiro tempo e aos 36 do segundo – e o próprio Flexa, sempre recebendo bolas longas, aumentou o placar aos 40 minutos do segundo tempo.”

1971 - sao paulo 0x3 grêmio placar1971 - sao paulo 0x3 grêmio

Brasileirão – São Paulo 3 x 1 Grêmio

June 6, 2010

Com vários desfalques, Silas parece ter optado pela tática do “já que tá no inferno, abraça o capeta“. Há alguns jogos o Grêmio vinha carecendo de maior poder de marcação. O técnico ignorou isso, e, levando em conta o meio campo igualmente faceiro do São Paulo, escalou somente um volante, colocando o time num 4-1-3-2. É preciso dizer que a postura kamikaze teve relativo sucesso. O Grêmio iniciou o jogo muito bem, tocando a bola no campo de ataque, criando oportunidades e abrindo o placar logo aos 7 minutos: Cruzamento de Collaço, insistência de Roberson e oportunismo de Hugo, que, de virada, marcou o 1×0. Quatro minutos mais tarde, era possível ver um dos problemas dessa formação ousada. Marlos foi lançado, completamente livre, e tentou por cobertura, por cima de Victor. Aos 17, Rodrigo teria neutralizado ataque do São Paulo ao se antecipar a Marlos, mas o zagueiro gremista resolveu brincar na frente do adversário e acabou perdendo a bola. O meia são paulino aproveitou o presente, cruzou para área, a bola passou por Fernandão e Ozeia e terminou nos pés de Dagoberto, que empatou o jogo. Aos 25, nova bobeira de Rodrigo, que se esqueceu que não é zagueiro do Santos e ficou agarrado na camisa de Alex Silva. Gutemberg de Paula Fonseca marcou e Rogérico Ceni desperdiçou o pênalti, batendo no travessão. O guarda-metas são-paulino começou a se redimir segundos depois, quando fez boa defesa no chute de William. Ceni ainda faria mais duas grande defesas, ainda no primeiro tempo, no chute de Hugo, aos 35, e na cabeçada de Douglas (foto abaixo), aos 41. O Grêmio ainda teve outra boa chance de ampliar aos 31, quando foi marcado um pé alto dentro da área do São Paulo. Mas, como sói acontecer, o árbitro recuou o lugar da cobrança, permitiu o adiantamento da barreira e o atletas gremistas desperdiçaram o chute.
O segundo tempo também começou com superioridade gremista. Aos 2 minutos, Douglas recebeu na área, cortou a zaga e chutou por cima. A bola rondava a área são paulina. Aos 12, Maylson recebeu de Roberson e chutou forte, para mais uma boa defesa de Ceni. Era de se lamentar as chances perdidas e o “quem não faz leva” mais uma vez se fez presente. Hernanes tentou o passe pelo alto, a bola bateu em Collaço e sobrou para Dagoberto chutar com a parte de fora do pé, virando o jogo aos 21 da segunda etapa. Três minutos mais tarde a fatura foi liquidada quando Marlos arrancou do meio do campo, passou por Rodrigo, chutou na trave e Dagoberto apanhou o rebote, anotando o 3×1 final. A partir daí tudo ficou fácil para o São Paulo e difícil para o Grêmio, que ainda tentou diminuir. O mais perto que chegou foi em novo chute de Maylson, que mandou a bola no ângulo, para Rogério Ceni fazer sua melhor defesa no jogo.

Mencionei no post do último jogo que um dos fatores determinantes para a vitória tinha sido o fato de ter errado menos do que o Atlético. Hoje, indubitavelmente, o Grêmio errou mais que o São Paulo, e passa muito por aí a explicação para a derrota.
Uma das maiores virtudes que Rodrigo mostrou com a camisa do Grêmio foi a de jogar com muita seriedade. O fatídico lance de hoje não condiz com seu futebol.
8 pontos em 7 jogos. A campanha segue sendo de zona de rebaixamento.
Algumas coisas seguem sem explicação. O descritério no apito é uma delas. Ozeia botou a mão na bola e levou amarelo. Rodrigo Souto fez a mesma coisa e saiu impune.
Por falar em descritério, acho que hoje era um bom dia para reclamar (com veemência) dos desmandos do STJD.

Fotos: Bruno Miani (VIPCOMM), Robson Ventura (Folhapress), Nelson Almeida (UOL) e Ricardo Matsukawa (Terra)

São Paulo 3 x 1 Grêmio

Hugo 7′
Dagoberto 17′
Dagoberto 66′
Dagoberto 69′

 

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Xandão, Alex Silva e Richarlyson; Cicinho (Wellington), Rodrigo Souto, Hernanes, Marlos (Marcelinho Paraíba) e Junior Cesar; Dagoberto e Fernandão (Fernandinho)
Técnico: Ricardo Gomes

GRÊMIO: Victor; Edílson, Ozeia (Rafael Marques), Rodrigo e Bruno Collaço; Fábio Rochemback, Maylson, Douglas e Hugo; Roberson (Fernando) e William
Técnico: Silas

7ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2010
Data: 6/6/2010, domingo, 16h00min
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo – SP
Público: 14.408 pagantes
Renda: R$ 309.541,87
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (RJ)
Assistentes: Hilton Moutinho Rodrigues (FifaRJ) e Lilian da Silva Fernandes (RJ)
Cartões amarelos: Alex Silva, Richarlyson (SP); Ozeia, Rodrigo, Edílson (G)
Gols: Hugo (G), aos 7 min, Dagoberto, aos 17 min do primeiro tempo; Dagoberto, aos 21 min e aos 24 min do segundo tempo

 

Brasileirão – São Paulo 2 x 1 Grêmio

July 31, 2009

Perder para o São Paulo no Morumbi é algo normal (o normal é usado aqui no sentido de aceitável)

Heber Roberto Lopes favorecendo o São Paulo também já virou algo normal (aqui o sentido é de comum, rotineiro; jamais aceitável)

Garoa em São Paulo (clichê máximo), que virou chuva forte. Campo pesado, jogadores gremistas escorregando e o São Paulo tentando pressionar a saída de bola do Grêmio. Deu algum resultado, o tricolor gaúcho errava muitos passes, apresentando uma dificuldade na saída dos laterais, que acabavam deixando os volantes sem opção de passe.

Ainda assim o Grêmio estava bem postado para o contra-ataque, e assim ameaçava o São Paulo. Aos 10 minutos, Tcheco foi a linha de fundo e cruzou rasteiro, Maxi pego de primeira, mas a bola saiu pelo lado (o argentino sinalizou com o braço o que deveria ter feito). O Grêmio ainda criou outras chances, oriundas dos lados do campo.

Aos 21, Hernanes fez jogada de grande lucidez, dando uma grande assistência para Dagoberto abrir o placar. O Grande mérito da jogada foi do camisa 10 do São Paulo, mas o a zaga gremista errou no seu posicionamento.

O time sentiu o gol sofrido e o São Paulo cresceu no jogo. Aos 25, Jorge Wagner quase fez gol olímpico. Aos 26, Dagoberto tentou de cabeça. Victor salvou a meta gremista nas duas oportunidades. Passado o susto, o Grêmio passou a ocupar o campo de ataque, trocando passes, mas sem criar grandes chances.

No intervalo, Autuori colocou Jonas no lugar Herrera. Foi impossível notar qualquer resultado na mudança, pois com um apenas um minuto transcorrido, Dagoberto fez jogada pela ponta esquerda e ampliou o marcador.

A equipe sentiu ainda mais no 2×0, ficando atônita em campo, só reagindo com a mudança tática feita por Autuori. Saiu Adílson e entrou Douglas Costa. O time passou a acertar passes e a tramar jogadas no ataque. Douglas não foi nenhuma maravilha, errou algumas jogadas por pura afobação, mas teve a movimentação necessária para mudar o jogo.

Aos 32, Jonas invadiu a área, pisou na bola e foi empurrado nas costas por Miranda. Pênalti. Tcheco bateu com a categoria costumeira e descontou. Os últimos 10 minutos foram de pressão gremista, com Douglas Costa perdendo grande chance 39. Tcheco e Souza também ameaçaram a meta de Denis, mas a tentativa de abafa gremista foi infrutífera.


No Carta na Manga foi feito um resumo interessante do jogo. Transcrevo parte aqui:
“O resultado é péssimo pelo conjunto dos jogos fora. A atuação foi fraca, não chegou a ser desastrosa, mas pesa pelo currículo. Difícil apontar quem se salva no jogo de hoje, que chega a fazer o time parecer pior do que ele realmente é. O São Paulo não fez a maravilhosa partida que o pessoal do Sportv quis deixar a entender. Mas foi melhor e mais regular que o Grêmio, teve mais eficiência, Dagoberto em grande jornada e o jogo quase sempre sob controle. Tinha uma partida relativamente fácil nas mãos no segundo tempo e quase entregou. Em determinado momento poderia até ter goleado, o que seria tão exagerado quanto um empate dos visitantes.

É preciso ressaltar isto. O Grêmio jogou pior do que seu adversário e “mereceu” perder.

Jogando como visitante, o Grêmio mais uma vez foi prejudicado pela arbitragem:
– Aos 5, marcou um impedimento absurdo quando Maxi Lopez sairia na cara do gol.
– Aos 11, Jean deu um passe para trás, em direção ao goleiro Denis e o recuo de bola não foi marcado
– Aos 30, Borges deu um violento carrinho por trás em Réver e acabou agradecendo por receber somente o cartão amarelo.
– Impedimento mal marcado de Herrera aos 34 minutos da primeira etapa.
– Borges estava impedido e participou da jogada do segundo gol são paulino.
– Penalti não marcado em Jonas aos 19 do segundo tempo
– Héber “esqueceu” de dar cartão para André Dias pela falta cometida em Maxi Lopez.
– 2 minutos de acréscimos (gastos todos em uma cobrança de falta).

Com isso não estou anuindo com a postura do time e nem atribuindo a derrota à arbitragem. Mas Héber (como de costume) e seus assistentes foram muito mal e prejudicaram o “espetáculo”. Este registro precisa ser feito.

Não sou da corrente que acha que o time que faz mais faltas sai vencedor. Achei curioso este dado sobre as poucas faltas cometidas pelo Grêmio. Mas me pareceu meio exagerado o destaque dedicado a tal número, que é “frio” e não explica por si só a inferioridade gremista.

São Paulo 2 x 1 Grêmio
Dagoberto 21´
Dagoberto 46´
Tcheco (pênalti) 78´

SÃO PAULO: Denis; Renato Silva, André Dias, Miranda; Jean, Hernanes (Eduardo Costa 36’/2ºT), Richarlyson, Jorge Wagner e Junior Cesar; Dagoberto (Marlos 37’/2ºT) e Borges.
Técnico: Ricardo Gomes.

GRÊMIO: Victor; Mário Fernandes (Rafael Marques 34’/2ºT), Leo, Réver e Fábio Santos ; Adilson (Douglas Costa 16’/2ºT), Túlio, Tcheco e Souza; Herrera (Jonas/intervalo) e Maxi López.
Técnico: Paulo Autuori.

15ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2009
Data: 30/7/2009, quinta-feira, 21h00min
Local: Estádio Morumbi, São Paulo (SP)
Renda: R$ 295.745,00
Público: 13.323 pagantes
Cartões amarelos: Miranda, Jorge Wagner e Borges (SPO).
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa/ PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Moisés Aparecido de Souza (PR)
Gols: Dagoberto aos 21’/1ºT e a 1’/2ºT ; Tcheco (pênalti) 34’/2ºT

 

Copa do Brasil 1990

June 28, 2008

PRIMEIRA FASE

Jogo de ida – 27/06/1990 – Quarta-feira – 21h00min
Joinville-SC 1×1 Grêmio – Estádio: Ernesto Sobrinho

Gols: Nardela (Joi) e Nílson (Grê)

 

Jogo de volta – 05/07/1990 – Quinta-feira – 17h00min
Grêmio 3×1 Joinville-SC – Estádio: Olímpico
Gols: Paulo Egídio {2} e Cuca (Grê); Joel (Joi)

 

OITAVAS DE FINAL

Jogo de ida – 02/08/1990 – Quinta-feira – 17h00min
Grêmio 1 x 1 São Paulo – Estádio: Beira-Rio

GRÊMIO: Mazaropi; Fábio, João Marcelo, Vilson, Hélcio; Jandir, Darci (Caio), João Antônio, Assis; Nílson, Paulo Egídio.

Técnico: Evaristo de Macedo

SÃO PAULO: Gilmar Rinaldi; Zé Teodoro, Antônio Carlos, Ronaldão, Ivan; Bernardo, Flávio (Edmílson), Betinho (Vizolli), Cafu; Carrasco, Diego Aguirre.
Técnico: Pablo Forlan

Juiz: Dalmo Bozzano
Público: 5,945

Renda: Cr$ 1.696.200,00
Cartões Amarelos: Antônio Carlos, Bernardo, Flávio
Gols: Vilson 27/1T, Diego Aguirre 3/2T

1990 são paulo casa folha



 








Jogo de volta – 05/08/1990 – Domingo – 16h00min

São Paulo 0 x0 Grêmio – Estádio: Morumbi

SÃO PAULO: Gilmar Rinaldi; Zé Teodoro, Antônio Carlos, Ronaldão, Ivan; Bernardo, Flávio, Betinho, Cafu; Carrasco (Raí), Diego Aguirre (Vizolli).Técnico: Pablo ForlanGRÊMIO: Mazaropi; China, João Marcelo, Vilson, Hélcio (Fábio, depois Vander); Jandir, João Antônio, Caio, Assis; Nílson, Paulo Egídio.Técnico: Evaristo de Macedo

Juiz: Luiz Carlos Félix-RJ Público: 6,501
Renda: Cr$ 2.600.400,00
Cartão Amarelo: Raí e João Marcelo
Cartão Vermelho: Betinho aos 19 e Nílson aos 44 do 2º

HISTÓRIA DO SÃO PAULO FC


Fontes: Folha de Hoje, Placar, Gazeta Esportiva e Pioneiro

Brasileirão – São Paulo 0 x 1 Grêmio

May 11, 2008

Muito boa a estréia Gremista no campeonato brasileiro. O esquema com três zagueiros deu a segurança que o time precisava. Segura e tranquila foi a atuação da equipe no jogo inteiro. Se no primeiro tempo pouco ameaçou (2 chutes de Perea), pouco foi ameaçado também ( 2 escanteios bem batidos por Dagoberto e bem defendidos por Victor). Roger ficou um pouco isolado, sem parceria para jogar.

No segundo tempo o gol saiu cedo. Roger foi esperto e recebeu a falta de Alex Silva. E foi falta, clara, fica até rídiculo dizer que não. Paulo Sérgio cobrou bem e Pereirão apareceu livre para fazer o único gol do jogo. A partir daí o Grêmio soube jogar com a vantagem. O São Paulo ameaçou em dois chutes de Hernanes, mas Victor estava seguro. Aos 20, Zé Luís perde dentro da área a bola e empurra Soares. Pênalti. Juiz não deu. O São Paulo passou a tentar forçar o jogo aéreo (o que anda fazendo na Libertadores) mas a defesa do Grêmio estava muito bem. Quase no final do jogo, Paulo Sérgio se abaixa para dominar e a bola bate em seu peito. Juiz marca falta. Rogéro Ceni bate e a bola desvia na barreira. Ainda deu tempo para uma boa jogada de Rodrigo Mendes, que Jonas concluiu e Rogério fez ótima defesa.


3 zagueiros funcionaram bem. Tinha gente falando besteira, Pereira pode sim jogar de Líbero (zagueiro da sobra), Léo e Rever tem boa saída de bola. Paulo Sérgio e Helder avançaram pouco e não fecharam pelo meio, como devem fazer os alas. Rafael Carioca mal, nervoso, típico de quem ainda tem pouca “cancha”. Rodrigo Mendes mostrou bom futebol mas ainda está muito fora de ritmo.

Bom é que agora vai parar (ou diminuir) aquela monte de besteira vinda de torcedores (ex: “vou torcer por uma derrota pro Celso Roth cair” ou “não pago mensalidade enquanto o time não melhorar”). E diminui também o massacre de Celso Roth promovido pela imprensa. Em nenhum momento a direção gremista condicionou a permanência de Roth a um bom resultado no Morumbi, mesmo assim isso foi “noticiado” a exaustao durante a semana”

 

Não foi a toa que Dagoberto foi escolhido por juízes como o maior cai-cai do Brasil (Placar, março 2008)

Só Adriano foi poupado, Jorge Wagner já não tinha jogado contra Nacional, Hugo estava suspenso e Hernanes jogou meio tempo.

Ruim a transmissão do Sportv. O Narrador Jota Junior fez um bom trabalho e foi imparcial, narrando um jogo de duas equipes. O comentarista Mauricio Noriega não. O lance do Pênalti foi triste. Demorou, demorou e começou o comentário com um “veja bem”. Não mostrou a mesma hesitação na mão de P.Sérgio marcada pelo árbitro. O repórter Alexandre Oliveira fez uma matéria completamente parcial para Esporte Espetacular, que terminou com o Rogério Ceni reclamando da arbitragem (sem mostrar o lance do pênalti)

2008 gaspar nobrega vipcomm

Fotos: Terra, Lance e Gaspar Nobrega/Vipcomm Sao Paulo FC

São Paulo 0 x 1 Grêmio
50´ Pereira

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Miranda, Alex Silva e Zé Luis; Jancarlos, Fábio Santos, Éder Luis (Hernanes/intervalo), Júnior (Sérgio Mota 15’/2ºT) e Richarlyson; Dagoberto e Borges.
Técnico: Muricy Ramalho.

GRÊMIO: Victor; Léo, Pereira e Réver; Paulo Sérgio, Eduardo Costa, Rafael Carioca, Roger (Makelele 30’/2ºT) e Hélder; Perea (Jonas 43’/2ºT) e Soares (Rodrigo Mendes 30’/2ºT).
Técnico: Celso Roth.

1ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2008
Data: 10/5/2008 – Sábado – 18h10min
Estádio: Morumbi, São Paulo (SP)
Público: 7.929 pagantes/
Renda: R$ 140.295,00
Árbitro: Luis Antônio Silva Santos (RJ)
Auxiliares: Ediney Guerreiro Mascarenha (RJ) e Jackson Lourenço M. dos Santos (RJ)
Cartões amarelos: Richarlyson, Rogério Ceni (SAO); Eduardo Costa, Hélder, Perea, Pereira e Paulo Sérgio (GRE)
GOLS: Pereira aos 5’/2ºT

 

Libertadores 1982

January 10, 2007

renato 1981 penarol placar nico esteves

A primeira participação do Grêmio em Libertadores aconteceu em 1982, tendo se classificado para a competição como Campeão Brasileiro de 1981

O tricolor ingressou no grupo 2 juntamente com São Paulo, Penãrol e Defensor. Apenas o 1° colocado de cada grupo avançava a fase seguinte. O Grêmio não fez uma boa campanha e acabou em 3° lugar, obtendo apenas uma vitória, justamente contra o Penãrol que viria a ser campeão da América e do mundo naquele ano (o detalhe e que foi a única derrota do Penarol na competição)

Segue abaixo a relação dos jogos do Grêmio no torneio:

13/08/82 – São Paulo – São Paulo 2 x 2 Grêmio – Gols do grêmio: Edmar e Bonamigo
24/08/82 – Montevideo – Defensor 0 x 0 Grêmio
27/08/82 – Montevideo – Peñarol 1 x 0 Grêmio
03/09/82 – Porto Alegre – Grêmio 0 x 0 São Paulo
17/09/82 – Porto Alegre – Grêmio 3 x 1 Peñarol – Gols: China, Paulo Roberto e Batista
24/09/82 – Porto AlegreGrêmio 1 x 2 Defensor – Gol do Grêmio: De León


Obs: quem quiser obter maiores informações sobre a libertadores de 82 clique aqui, aqui e aqui
Fotos: Revista Placar, Folha de São Paulo, Zero Hora