Archive for the ‘Stjd’ Category

Caso Aranha – STJD exclui o Grêmio da Copa do Brasil

September 4, 2014
Eu já manifestei por diversas vezes a minha opinião sobre o STJD aqui no blog. É algo que se assemelha muito a um circo, e pelo tudo que se viu na cobertura do “julgamento” de ontem essa impressão só se reforça (sendo a parte mais surreal o fato de um dos auditores, Sr. Ricardo Graiche, ser useiro e vezeiro em propagar mensagens racistas nas redes sociais)
No aspecto esportivo (que deveria ser o foco de um tribunal de justiça desportiva) a penalidade de excluir o Grêmio da Copa do Brasil é “para inglês ver”, uma vez que o tricolor já estava praticamente eliminado na competição.
O problema reside na pecha que se atribuiu ao clube como um todo e o perigoso precedente que se cria. Durante o julgamento, o Presidente Fábio Koff sabiamente disse saber que “decisão desta tarde terá consequências no futebol, e este parece ser um aspecto que não foi devidamente mensurado.
A forma como foi realizado o dito julgamento me preocupa muito mais do que o resultado dele. Se passou menos de uma semana entre o acontecimento do fato e o anúncio da pena. Custo a acreditar que nesse curto período foi possível observar o devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório. É assustador que, num país democrático como o nosso, isso não gere maior choque ou comoção. Como bem salientou Hélio Schwartsman em sua coluna da Folha de São Paulo:Curiosamente, quando se trata de futebol, as pessoas parecem não se importar muito em sacrificar o pudor jurídico que, numa sociedade que se quer civilizada, deveria nortear qualquer ação punitiva”
Por último, o combate ao preconceito e ao racismo é muito importante, mas não deve e sequer precisa ser feito a margem (ou por cima) das normas constitucionais e dos princípios basilares do direito (muito bem explicados por Walter Fanganiello Maierovitch) sob risco do seu próprio enfraquecimento e descrédito.
Advertisements

Anderson Pico suspenso pelo STJD

July 13, 2012
A má notícia do dia é que Anderson Pico “foi suspenso por dois jogos pela Quarta Comissão Disciplinar” do STJD em razão da sua expulsao contra o Atlético Mineiro. Injustiça e prejuízo em dobro para o Grêmio, uma vez que o jogador sequer deveria ter recebido o cartão vermelho.
É muito difícil entender os desmandos do STJD. Alguém poderia tentar explicar a suspensão do Pico por um perfil mais rigoroso/linha dura da comissão que julgou. Mas na mesma sessão, os mesmos auditores deram apenas uma advertência para Neymar em um lance de igual ou maior gravidade do que o protagonizado pela lateral gremista.

Mas quem são os auditores que compõe o STJD? Como eles são escolhidos? As histórias são no mínimo curiosas.

Um exemplo: No ano de 2000, Flávio Zveiter foi nomeado pelo seu próprio pai para ser auditor do STJD. O detalhe é que ele tinha apenas 19 anos e ainda era apenas um estudante da faculdade de direito. Foram tomadas providências contra tal fato, mas até hoje o filho do infame Luis Zveiter segue na entidade. Para piorar, rumores dão conta que ele será o próximo presidente do tribunal.

Isso ajuda a explicar muita coisa, não?

15:20

RESULTADO DO JULGAMENTO: POR MAIORIA DE VOTOS, SUSPENSO POR DUAS PARTIDAS O JOGADOR ANDERSON PICO, DO GRÊMIO, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 250 DO CBJD, ANTES TIPIFICADA NO ARTIGO 254-A DO CBJD; MULTADO EM R$ 20 MIL O GRÊMIO, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 191, INCISO I DO CBJD, ANTES TIPIFICADA NOS ARTIGOS 247-G E 191, III DO CBJD, ARTIGO 13-A IV DO ESTATUTO DO TORCEDOR E ARTIGO 7ª ALÍNEA 1 DO RGC/CBF.
15:16

A PRESIDENTE RENATA QUADROS ACOMPANHA INTEGRALMENTE O VOTO DO RELATOR, RESSALTANDO QUE A MULTA AO GRÊMIO SIRVA DE CARÁTER PEDAGÓGICO PARA QUE O FATO NÃO OCORRA NOVAMENTE.
15:12

O AUDITOR WASHINGTON OLIVEIRA DIVERGE DO VOTO DO RELATOR EM RELAÇÃO AO ATLETA ANDERSON PICO E O ABSOLVE. JÁ AO GRÊMIO, O AUDITOR ACOMPANHA A PENA DE MULTA DE R$ 20 MIL.
15:09

EM RELAÇÃO AO GRÊMIO, O RELATOR ROBERTO TEIXEIRA APLICA MULTA DE R$ 20 MIL AO GRÊMIO, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 191, INCISOS I E III DO CJBD, ABSOLVENDO O CLUBE NAS DENÚNCIAS AOS ARTIGOS 247-G DO CBJD, 13-A IV, DO ESTATUTO DO TORCEDOR, E 7 DO RGC/CBF.
15:06

COM A PALAVRA O RELATOR ROBERTO TEIXEIRA, QUE VOTA NO SENTIDO DE SUSPENDER POR DUAS PARTIDAS O JOGADOR ANDERSON PICO, DO GRÊMIO, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 250 DO CBJD, ANTES TIPIFICADA NO ARTIGO 254-A DO CBJD.
16:03

ANTES DE PROFERIR O SEU VOTO, O RELATOR ROBERTO TEIXEIRA FAZ SEUS AGRADECIMENTOS NO ENCERRAMENTO DOS TRABALHOS DESSA COMPOSIÇÃO DA QUARTA COMISSÃO DISCIPLINAR. “SOZINHO NINGUÉM FAZ NADA. E, JUNTO COM TODOS VOCÊS, TIVEMOS MUITO SUCESSO E PARTICIPAÇÕES MUITO ATIVAS, PRINCIPALMENTE EM CASOS DE LANÇAMENTO DE OBJETOS E INVASÃO DE CAMPO. FIZEMOS NOSSO DEVER DE CASA E AGRADEÇO A TODOS”.
15:00
“O GRÊMIO FOI O PRIMEIRO A SE MANIFESTAR PARA A RETIRADA DA FAIXA E FEZ TODOS OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS. A AÇÃO DE RETIRADA FOI MUITO RÁPIDA. DESSA FORMA, RESSALTO QUE NÃO HOUVE INFRAÇÃO AO ARTIGO 191 JÁ QUE O CLUBE TOMOU AS PROVIDÊNCIAS E PEÇO A ABSOLVIÇÃO”.
14:58
AGORA O DEFENSOR FALA SOBRE O EPISÓDIO DA FAIXA COM OFENSAS À MÃE DO JOGADOR RONALDINHO GAÚCHO, QUE HOJE DEFENDE O ATLÉTICO/MG.
14:56
JORGE PETERSEN COMEÇA SUA DEFESA FALANDO SOBRE A EXPULSÃO DO ATLETA ANDERSON PICO: “NÃO SE VÊ NADA NAS IMAGENS. ELE ESTAVA NA JOGADA E SE DESEQUILIBRA. E, BUSCANDO RETOMAR ESSE EQUILÍBRIO, ACABA TOCANDO O ROSTO DO ADVERSÁRIO, MAS SEM INTENÇÃO ALGUMA DISSO. ASSIM, A DEFESA PEDE A SUA ABSOLVIÇÃO”.
14:53

O PROCURADOR PAULO SALOMÃO RESSALTA QUE O GRÊMIO NÃO TOMOU AS MEDIDAS NECESSÁRIAS PARA RETIRAR A FAIXA DA ARQUIBANCADA. “PRECISOU O ÁRBITRO SOLICITAR O POLICIAMENTO PARA QUE A FAIXA FOSSE RETIRADA”. ASSIM, ELE PEDE UMA DURA PUNIÇÃO AO GRÊMIO.
14:51

A DEFESA DO GRÊMIO TAMBÉM APRESENTA PROVA DE VÍDEO, QUE É MOSTRADA NESTE MOMENTO, COM O LANCE DA EXPULSÃO DO LATERAL ANDERSON PICO.
14:47
O ADVOGADO JORGE PETERSEN, EM DEFESA AO GRÊMIO, APRESENTOU UM BOLETIM DE OCORRÊNCIA AO RELATOR, ONDE DIZ QUE OS TORCEDORES QUE LEVARAM A FAIXA AO OLÍMPICO FORAM IDENTIFICADOS E O OBJETO FOI RETIRADO DA ARQUIBANCADA.
14:44
Entenda o caso:

Na súmula da partida entre Grêmio e Atlético/MG, que aconteceu no dia 1º de julho e acabou com a vitória do Galo por 1 a 0, no Olímpico, o árbitro relatou os dizeres da faixa que os torcedores do Grêmio colocaram no estádio. Citando o nome de Dona Miguelita, os torcedores queriam atingir a mãe de Ronaldinho Gaúcho, que fazia seu primeiro jogo no estádio do seu ex-clube vestindo a camisa do Atlético/MG, após sua saída do Flamengo.

A Procuradoria do STJD entendeu que houve o desrespeito ao artigo 13-A, IV do Estatuto do Torcedor, que diz: “São condições de acesso e permanência do torcedor no estádio, não postar ou ostentar cartazes, bandeiras, símbolos ou outros sinais com mensagens ofensivas, inclusive de caráter racista ou xenófobo”. E ainda teria infringido o artigo 7 do Regulamento Geral das Competições, onde consta que “compete ao clube mandante providenciar todas as medidas locais de ordem técnica e administrativa necessárias e indispensáveis à logística e à segurança das partidas”.

Assim, o Grêmio acabou denunciado no artigo 191, incisos I e III, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), por “deixar de cumprir a obrigação legal e o Regulamento Geral das Competições”, e pode ser punido com multa de R$ 100 a R$ 100 mil.

Na mesma partida, o lateral Anderson Pico acabou expulso por “desferir um tapa em seu adversário, com a clara intenção de causar lesão, configurando-se hipótese clássica de agressão”.

O jogador foi acusado de “praticar agressão física”, com base no artigo 254-A do CBJD, que prevê suspensão de quatro a 12 partidas. Levando em conta a automática já cumprida, Anderson Pico pode desfalcar o Grêmio por no mínimo mais três partidas, contra Cruzeiro (15/7), Sport (18/7) e Botafogo (22/7).
14:42

COM A PALAVRA O RELATOR ROBERTO TEIXEIRA PARA LEITURA DO RELATÓRIO

A presidente chama a julgamento o processo: 45/2012 – Grêmio FBPA (RS) X CA Mineiro (MG) – Campeonato Brasileiro – Série A – Denunciados: Anderson da Silva Ribeiro, atleta do Grêmio FBPA, incurso no Art. 254-A do CBJD; Grêmio FBPA, incurso nos Arts. 247-G e 191 inciso I e III do CBJD e Art. 13-A IV do estatuto do torcedor e Art. 7ª alínea 1 do RGC/CBF. AUDITOR RELATOR DR. ROBERTO TEIXEIRA. (FONTE: Site Justiça Desportiva)

STJD – Douglas

July 14, 2011

E o STJD voltou. Com a mesma prática de sempre. Uma denúncia exagerada e uma condenação em 1º grau despropositada (com o claro objetivo de tornar aceitável uma redução em 2º grau). Douglas levou quatro jogos de suspensão pela expulsão contra o Avaí.

E o STJD interfere indevidamente com base no mau trabalho de um árbitro. Notem a discrepância entre o vídeo e o relato da súmula (“abrindo e fechando os braços“???).

E o STJD segue achando que falta disciplina aos atletas, quando é notório que a raiz do problema reside na má-qualidade da arbitragem nacional. Cláudio Mercante teve sérios problemas para apitar no Campeonato Pernambucano e ainda assim foi escalado para apitar um jogo de série A. E pra aumentar a sensação de injustiça, o juiz (que foi o grande responsável pela balbúrdia no jogo em questão) voltará aos gramados antes do que o atleta.

Segue abaixo o relato do julgamento feito pelo site JustiçaDesportiva.com.br:

O presidente chama a julgamento o processo: 29/2011 – Jogo: Grêmio FBPA (RS) X Avaí FC (SC) – categoria profissional, realizado em 29 de junho de 2011 – Campeonato Brasileiro Série A – Denunciados: José Batista Leite da Silva, atleta do Avaí FC, incurso no Art. 254-A do CBJD; Douglas dos Santos, atleta do Grêmio FBPA, incurso nos Arts. 258 § 2º inciso II e 243-F, ambos do CBJD – AUDITOR – RELATOR: Dr.ª GISELI AMANTINO.

18:41 – A RELATOR GILESI AMANTINO FAZ NESTE MOMENTO A LEITURA DO RELATÓRIO DESTE PROCESSO.

18:42 – Entenda o caso do jogador Douglas:
Aos 31 minutos da segunda etapa no empate de 2 a 2 do Tricolor com o time catarinense, Douglas levou o cartão vermelho direto pela “reclamação de forma acintosa ao abrir e fechar os braços em sinal de protesto, gesticulando e batendo palmas”, e ainda por proferir as seguintes palavras ao árbitro Cláudio Mercante: “Seu f… da p…, apita direito, seu c…”.
Pelas duas condutas, de gesticular e bater palmas e ainda ofender o árbitro, a Procuradoria da Justiça Desportiva denunciou Douglas em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).
O primeiro deles é o artigo 258, § 2º, inciso II, ou seja, “assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código; constituem exemplos de atitudes contrárias à disciplina ou à ética desportiva, para os fins deste artigo, sem prejuízo de outros: desrespeitar os membros da equipe de arbitragem, ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões”. O artigo 243-F diz que é infração disciplinar “ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto”.
No primeiro, a pena varia de uma a seis partidas de gancho. Já o segundo, a punição é dupla, com suspensão que varia de uma a seis partidas e uma multa que pode chegar até R$ 100 mil.

18:44 – Entenda o caso do jogador Batista:
Batista foi expulso com o cartão vermelho direto logo aos dois minutos do segundo tempo por, segundo a súmula do árbitro da partida Cláudio Mercante, dar uma “braçada” no rosto do volante gremista Fábio Rochemback, na disputa de bola.
Denunciado no artigo 254-A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), acusado de “praticar agressão física durante a partida”, Batista pode pegar um gancho que varia de quatro a 12 partidas.

18:46 – A PEDIDO DOS ADVOGADOS DE AVAÍ E GRÊMIO, NESTE MOMENTO OS AUDITORES ASSISTEM ÀS JOGADAS QUE ORIGINARAM AS EXPULSÕES DOS DOIS JOGADORES DENUNCIADOS.

18:47 – ENCERRADA AS EXIBIÇÕES DAS IMAGENS, O JOGADOR BATISTA, DO AVAÍ, PRESTARÁ DEPOIMENTO AOS AUDITORES.

18:48 – EM SEU DEPOIMENTO, BATISTA TENTA EXPLICAR O QUE OCORREU NO LANCE QUE ACABOU GERANDO SUA EXPULSÃO DIANTE DO GRÊMIO.

18:50 – ENCERRADO O DEPOIMENTO DE BATISTA, AGORA É A VEZ DO JOGADOR DOUGLAS, DO GRÊMIO, PRESTAR DEPOIMENTO.

18:53 – O JOGADOR TRICOLOR NEGA QUE TENHA OFENDIDO O ÁRBITRO, E DIZ QUE FOI EXPULSO POR, DE FATO, TER BATIDO PALMA AO SER ADVERTIDO PRIMEIRAMENTE.

18:56 – APÓS ENCERRAR O DEPOIMENTO DO JOGADOR, O PRESIDENTE DA COMISSÃO PASSA A PALAVRA À PROCURADORIA, PARA QUE POSSA FAZER SUAS CONSIDERAÇÕES À RESPEITO DAS DENÚNCIAS.

18:59 – APÓS OS PEDIDOS DE CONDENAÇÕES POR PARTE DO PROCURADOR, O ADVOGADO DO AVAÍ PASSA A TER A PALAVRA PARA FAZER SUA SUSTENTAÇÃO NA DEFESA DO JOGADOR BATISTA.

19:01 – O DEFENSOR DESTACA QUE BATISTA NÃO É UM JOGADOR VIOLENTO, QUE JÁ FOI JULGADO QUATRO VEZES NO TRIBUNAL E ABSOLVIDO EM TRÊS DELAS. “O ÁRBITRO NÃO TEVE TANTA CONVICÇÃO AO EXPULSÁ-LO”, DIZ OSVALDO SESTÁRIO, SOLICITANDO AO MÁXIMO UMA PENA DE ADVERTÊNCIA.

19:03 – O ADVOGADO DO GRÊMIO FAZ AGORA A DEFESA DO JOGADOR DOUGLAS, DENUNCIADO EM DOIS ARTIGOS.

19:04 – O ADVOGADO AFIRMA QUE EM NENHUM MOMENTO DOUGLAS OFENDE A HONRA DO ÁRBITRO COM QUALQUER PALAVRA, E DIZ QUE O JOGADOR APENAS RECLAMA DE UM LANCE NO MEIO DO GRAMADO.

19:06 – DESTACANDO A PRIMARIEDADE DO JOGADOR, O DEFENSOR PEDE A ABSOLVIÇÃO DE DOUGLAS OU, NO MÁXIMO, QUE SEJA APLICADA UMA ADVERTÊNCIA.

19:08 – ENCERRADA AS SUSTENTAÇÕES, A RELATORA VOLTA A TER A PALAVRA, AGORA PARA ANUNCIAR O SEU VOTO.

19:13 – A RELATOR GISELI AMANTINO VOTA POR SUSPENDER POR UMA PARTIDA O JOGADOR BATISTA, DO AVAÍ, APÓS DESCLASSIFICAR A INFRAÇÃO DO ARTIGO 254-A PARA O ARTIGO 250, AMBOS DO CBJD. QUANTO AO JOGADOR DOUGLAS, DO GRÊMIO, ELA VOTA POR SUSPENDÊ-LO POR QUATRO PARTIDAS E MULTÁ-LO EM R$ 100 REAIS POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 243-F.

19:15 – O RELATOR JOSÉ FERNANDES TEIXEIRA É NESTE MOMENTO O SEGUNDO A VOTAR.
19:16 – JOSÉ TEIXEIRA FERNANDES ACOMPANHA A RELATORA QUANTO À PUNIÇÃO AO JOGADOR DOUGLAS, DO GRÊMIO, E DIVERGE PARA SUSPENDER BATISTA, DO AVAÍ, POR TRÊS PARTIDAS, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 254-A DO CBJD.

19:18 – O AUDITOR NICOLAO CONSTANTINO ACOMPANHA A RELATORA PARA SUSPENDER BATISTA EM UMA PARTIDA, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 254 DO CBJD. QUANTO A DOUGLAS, ELE SUSPENDE POR UMA PARTIDA POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 258 DO CBJD, ABSOLVENDO-O NO ARTIGO 243-F DO CBJD.

19:20 – O AUDITOR RAPHAEL DOMENECH ACOMPANHA A RELATORA PARA SUSPENDER BATISTA POR UMA PARTIDA NO ARTIGO 254 DO CBJD, E SUSPENDE POR UMA PARTIDA O JOGADOR DOUGLAS, DO GRÊMIO, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 258 DO CBJD; ALÉM DE MULTÁ-LO EM R$ 100 REAIS, MAIS QUATRO JOGOS DE SUSPENSÃO, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 243-F CBJD.

19:22 – O PRESIDENTE MÁRIO ANTÔNIO COUTO PASSA AGORA A PROFERIR O ÚLTIMO VOTO DESTE JULGAMENTO.

19:25 – O PRESIDENTE VOTA POR SUSPENDER O JOGADOR BATISTA POR TRÊS PARTIDAS, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 254-A DO CBJD; E POR SUSPENDER O ATLETA DOUGLAS, DO GRÊMIO, POR QUATRO PARTIDAS PARTIDAS DE SUSPENSÃO, ALÉM DE MULTA DE R$ 100, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 243-F.

19:28 – RESULTADO DO JULGAMENTO: POR MAIORIA DE VOTOS, O JOGADOR BATISTA, DO AVAÍ, FOI SUSPENSO POR UM JOGO, APÓS DESCLASSIFICAÇÃO PARA O ARTIGO 254 II DO CBJD; POR MAIORIA DE VOTOS, O JOGADOR DOUGLAS, DO GRÊMIO, FOI SUSPENSO POR QUATRO JOGOS, ALÉM DE SER MULTADO EM R$ 100, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 243-F E 258 DO CBJD, APÓS CUMULADAS AS PENAS.”

Curiosidades e Coincidências

July 18, 2009

D´alessandro conseguiu efeito suspensivo e poderá ser escalado no Grenal.

São muitas as curiosidades e as coincidências no caso.

Pelo que fez na final da copa do brasi
l, o argentino foi julgado pelo STJD:

a punição foi de 60 dias por ter tentado agredir o zagueiro William, do Corinthians, e de um jogo de suspensão por ato de hostilidade (255), já que recebeu cartão vermelho por ter tentado apressar a saída de Cristian.”

D´alessandro saiu do julgamento se comparando ao Diego Souza. A imprensa deu espaço para esta indevida comparação, de julgamentos de tribunais diferentes, induzindo o leitor ao erro. (Chegou-se incluvise a escrever que o Palmeirense fora absolvido). O caso de Neto Baiano, ocorrido na mesma competição, julgado pelo mesmo tribunal, foi omitido na maior desfaçatez.

Com este clamor criado, e uma animação em 3d, o Inter pediu o efeito suspensivo na quarta-feira, dia 15. Teve jornal antecipando o resultado. Segundo Art. 9º, XII, do CBJD, a concessão de efeito suspensivo é atribuição do Presidente do STJD.

Assim como no caso do jogador do Vitória, o presidente em exercício do STJD Virgílio Val, negou o pedido.

Alegando a existência de um fato novo, o Inter entrou com um pedido de reconsideração, algo que ainda não tinha tido sucesso no STJD neste ano.

Vírgilio Val se deu por impedido. Pelo organograma, a decisão caberia a José Mauro Couto de Assis, que “não se encontrava presente no momento da apresentação do novo pedido“.

Então o pedido foi entregue pelo Advogado Daniel Cravo no escritório do auditor Francisco Antunes Maciel Müssnich.

Curiosamente, em maio desse ano, Müssnich foi o único convidado do STJD para palestrar em evento organizado por Daniel Cravo em Porto Alegre.

O fato novo apresentado pelo Inter seria um vídeo de uma entrevista dado por William à Renata Fan, apresentadora do banquete centenário do clube do povo.

Mas o fato novo parece ter sido muito mais uma cortina de fumaça, uma vez o auditor nem entrou no mérito da questão, nem mesmo examinou os vídeos. Ele apenas partiu da ideia de que o objetivo seria não provocar um prejuízo irrecuperável ao jogador e ao clube.”

Ou seja, Müssnich somente levou um conta o periculum in mora, ignorando completamente o fumus bonis iuris, o juízo de verossimilhança, etc…

Tardiamente, Meira reclamou do STJD ( e de Gaciba também).

Em meio a todo este circo criado, a absolvição de Bolívar ganhou poquíssimo destaque.

Creio eu que, apesar de todas estas curiosidades e coincidências, as reclamações vão passar completamente despercebidas.

Caso Madonna-Tardelli III

December 19, 2008

Depoimentos do caso Tardelli: versões conflitantes

Depois do presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, ter sido o último a prestar depoimento no STJD sobre os ingressos dados à FPF para o show da Madonna, o presidente do STJD, Rubens Approbato Machado, se pronunciou nesta quinta-feira.

– Vamos concluir o inquérito no prazo máximo de 30 dias a contar do início do processo. A sociedade precisa de uma satisfação e temos esta responsabilidade – afirmou.

Já tomamos todos os depoimentos. Existem versões conflitantes, o que pode levar ao indiciamento de algumas pessoas. Só não posso dizer quem. Tenho meu pensamento e o auditor que preside o inquérito (Virgílio da Costa Val) também – completou Approbato.

Além do presidente do Tricolor, o árbitro Wagner Tardelli, Marco Pólo Del Nero (presidente da FPF e quem fez a denúncia), Reinaldo Carneiro Bastos (vice da FPF), Sérgio Correia (presidente da Comissão Nacional de Arbitragem), Lílian Cardoso (secretária da FPF) e Maria Estela (secretária do São Paulo) também foram ouvidos.

– Ao que tudo indica, o Wágner Tardelli foi envolvido sem ter nenhum conhecimento. Existe a versão de que seria dinheiro ou outro mimo. Mas a CBF só tinha duas alternativas: ou suspendia a realização da última rodada, postergando a definição do campeão, ou trocava o árbitro. Acredito que fizeram o correto – concluiu Approbato. (Lance 18/12/2008)

TARDELLI NÃO SOFRERÁ DENÚNCIA EM INQUÉRITO DO STJD
Ao final da série de depoimentos no STJD, encerrada anteontem, o árbitro Wagner Tardelli foi “”absolvido”. “”Já ouvimos todos os envolvidos e tudo encaminha no sentido de que o árbitro não foi sequer procurado”, disse o presidente do STJD, Rubens Approbato. Tardelli foi afastado da partida entre São Paulo e Goiás após o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, sem prova concreta, ter apresentado denúncia envolvendo o árbitro. O inquérito será concluído pelo STJD até o final deste mês. Sem dar nomes aos indiciados, Approbato informou que provavelmente a investigação “”se desdobrará em processo disciplinar“. (Folha de São Paulo, sexta-feira, 19 de dezembro de 2008)

Em seu depoimento, Wagner Tardelli esclareceu que mantém relações meramente profissionais com a Federação e nenhuma relação com o São Paulo Futebol Clube, salvo no compromisso de sua função quando é escalado para apitar jogos. Além disso, revelou não conhecer nem a secretária da Federação e nem a secretária do clube.” (Justiça Desportiva – 15/12/2008)

Do peito
Personagens da denúncia que agitou o Brasileiro, Reinaldo Carneiro Bastos e Wagner Tardelli são amigos de longa data.” (Folha de São Paulo, terça-feira, 09 de dezembro de 2008, Coluna Painel FC) “

Já no depoimento do Presidente da Federação, Marco Pólo, ele afirma que esteve ausente na Entidade entre os dias 3 e 5 e que na tarde do dia 5, entre 21 e 22h, recebeu a ligação de sua secretária Lilian, dizendo que estava preocupada com uma ligação da secretária do Presidente do São Paulo, para o fim de entregar um envelope ao Vice-Presidente da Federação, Reinaldo Bastos, cujo o destinatário final era o árbitro Wagner Tardelli.” (Justiça Desportiva – 15/12/2008)

Telefone sem fio
Quem conhece as versões dos envolvidos no caso Wagner Tardelli diz precisar de boa vontade para crer que o imbróglio seja só um grande mal-entendido. A secretária do São Paulo teria ligado para a FPF dizendo que tinha de enviar carta para o vice Reinaldo Carneiro Bastos com restrições a Tardelli para o jogo contra o Goiás. E aproveitou para dizer que tinha mandado envelope com ingressos do show de Madonna para Bastos. Sua interlocutora teria se confundido e avisado Del Nero de que o clube tinha envelope para o juiz.

Tiete.
A secretária do São Paulo sustenta que avisou à FPF que os ingressos do show de Madonna para o presidente da entidade não tinham sido enviados porque a tribuna pedida por ele não estava liberada. O cartola e seu vice negam ter pedido os convites. (Folha de São Paulo, domingo, 14 de dezembro de 2008, coluna Painel FC)

Caso Madonna-Tardelli II

December 10, 2008

Surpreendentemente o STJD toma atitudes acertadas na investigação da denúncia:

“STJD “quebra” sigilo telefônico

Tribunal requer contas de telefones de São Paulo e FPF por denúncia sobre arbitragem do Nacional

Constituição prevê o sigilo de dados telefônicos a todos os cidadãos, o que só pode ser quebrado pela Justiça comum em casos criminais

RODRIGO MATTOS
DA REPORTAGEM LOCAL

Em ato inédito, o STJD reivindicou dados telefônicos dos envolvidos na denúncia da FPF (Federação de Paulista de Futebol) de suposta tentativa de manipulação nos resultados no jogo final do Brasileiro. Foram pedidos dados de correspondência e as contas de telefones fixos e celulares da entidade e do São Paulo, no inquérito que investiga o caso.
Só que o tribunal esportivo não tem essa prerrogativa. A Constituição Federal determina que o sigilo de correspondências e ligações é inviolável. Só podem ser quebrados por ordem da Justiça comum.
Os pedidos de dados telefônicos foram feitos em despacho do presidente do tribunal, Rubens Approbatto, que é ex-presidente da OAB Nacional.
Queremos ver se houve realmente essas conversas entre secretárias. Quem não deve não teme. Se não cumprirem, vamos ver o que fazer“, disse.
Os envolvidos estão ameaçados de punição por não cumprir decisão do tribunal. As penas são multa ou suspensão.
O caso iniciou-se quando o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, denunciou à CBF que o São Paulo enviara à entidade envelopes com ingressos de shows da Madonna. O cartola disse que, em conversa com secretária da federação, uma funcionária são-paulina informou que alguns eram para o árbitro Wagner Tardelli, que apitaria o jogo entre São Paulo e Goiás.
O juiz foi afastado do jogo pela CBF. O São Paulo negou mandar bilhetes ao árbitro, mas confirma o envio à FPF.
Em seu despacho, Approbatto, que alegou não saber os números, não especifica quais contas de telefones celulares e fixas devem ser entregues. Pede as de São Paulo e as da FPF dos sete dias antes do jogo.
Em processos criminais, as quebras de sigilo são autorizadas por um juiz em números certos. “Acho que isso não cabe. Só um juiz pode pedir o sigilo. É como o sigilo bancário”, afirmou o vice jurídico do São Paulo, Kalil Rocha Abdala, que decidirá com sua diretoria se atende o pedido do tribunal.
A assessoria de imprensa da federação informou que não iria se pronunciar sobre o caso.
Ainda são reivindicados ao São Paulo à FPF protocolos de correspondências, documentos, convites ou envelopes.
Foram convocados para depor Del Nero, o vice da FPF, Reinado Carneiro Bastos, Tardelli e as secretárias Lilian Cardoso (FPF) e Maria Estela (do São Paulo) e o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio.
Será analisado se houve infrações de pessoas ao CBJD por dar ou prometer vantagens a árbitro ou a dirigente. E também se houve falsa comunicação de crime à CBF. As penas vão de suspensões a exclusão.”

(Folha de São Paulo, 10/12/08)

Presidente promete rigor:

“Caso Tardelli: STJD promete rigor na investigação
Rubens Approbato, presidente do STJD, garantiu que a investigação será levada a sério e o futebol, desta vez, dará exemplo. ‘Vamos fazer uma apuração minuciosa’, prometeu. ‘Não será uma investigação superficial. No Brasil, costumam falar que as denúncias não dão em nada, mas desta vez será diferente.” (Correio do Povo, 10/12/2008)

Mas…

PRESIDENTE DE TRIBUNAL TEM AMIZADE COM UM DOS INVESTIGADOS
“Tenho uma relação de amizade com ele.” É assim que o presidente do STJD, Rubens Approbatto, define seu laço com o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, um dos investigados no processo de suposta tentativa de manipulação de arbitragem no Brasileiro. “Mas vou apurar a verdade. E não tenho um impedimento. Não tenho esse problema”, afirmou. Ele vai julgar o caso no pleno do tribunal. Disse que, se alguém alegar que ele não deve julgar o caso, o próprio STJD vai analisar seu impedimento. (Folha de São Paulo, 10/12/08)

Não sei qual a posição atual do Grêmio sobre o assunto. Única informação que achei foi a seguinte:

IRMANDADE. Na festa de encerramento do Brasileiro, anteontem, no Rio, o caso Tardelli foi o assunto principal dos cartolas. Sem provas, palmeirenses, corintianos e gremistas diziam que o São Paulo é culpado. ” (Coluna Painel FC – Folha de São Paulo, 10/12/08)

STJD – Pleno

November 20, 2008

Léo punido com dois jogos. Réver e Morales absolvidos.

Talvez o mais polêmico dos casos julgados neste ano no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) ganhou novo e derradeiro capítulo nesta quarta-feira, dia 19 de novembro. Após muita polêmica em função das punições impostas a jogadores de Grêmio e Botafogo em primeira instância, o Pleno julgou o Recurso dos clubes em sessão extraordinária, e ambos saíram satisfeitos. As penas dos cinco jogadores foram reduzidas.

O zagueiro Réver e o atacante Morales foram absolvidos das infrações em que foram denunciados. O também zagueiro Léo e o atacante Jorge Henrique, antes denunciados no artigo 253 (agressão física), tiveram a infração desclassificada para o artigo 254 (ato hostil), sendo punidos com duas partidas. Já o meia Carlos Alberto foi absolvido da infração ao artigo 255, e teve a pena reduzida de cinco para três partidas no artigo 258. Todos os artigos são do CBJD” (Justiça Desportiva – 19/11/2008)

E se não tivesse sido concedido o efeito suspensivo?

Réver e Morales teriam cumprido uma suspensão “de graça”? Léo cumpriria uma pena maior do que a que foi condenado?

Caso semelhante aconteceu com o zagueiro Chicão do Corinthians, conforme relata André Kfouri em seu blog:

Um dos frentistas, que gosta de futebol mas não entende certas coisas que acontecem (o que faz dele um cara exatamente igual a todos nós), me contou que o STJD tinha diminuído a pena do zagueiro Chicão, do Corinthians: – Ele vai jogar (no sábado) contra o Ceará, pegou só 2 jogos. – Só dois? Tá bom para quem pegou 120 dias… – Mas André, ele já ficou fora de 3 jogos, como é que faz agora? O tribunal fica devendo um jogo pra ele?

Ainda tem essa questão da desclassificação do artigo, o que vem ocorrendo normalmente no STJD. Vejam a súmula abaixo. Vejam como são descritos os lance. “Tapa” e “chute”. Como classifcar isso como ato hostil e não agressão?

A justificativa dos auditores é que eles consideram excessiva a pena de 120 dias, e aplicam outro artigo para não deixar o jogador impune. Mas há quanto tempo isto ocorre? já não deu tempo de tentar mudar este artigo?

Mas enfim, o julgamento pelo pleno do STJD só confirmou o absurdo que foi da 3ª comissão do STJD.

Diego Souza Suspenso

November 7, 2008
Diego Souza foi suspenso por um jogo, ao ser punido pelo artigo 255 (Praticar ato de hostilidade contra adversário ou companheiro de equipe) do CBJD, em virtude da agressão ao meio-campo Fabrício do Cruzeiro.

Vejam o que Fabrício disse sobre o lance: “Eu tomei aquela cotovelada, aquele tapa no nariz, correu sangue e tudo. Tomei dura do árbitro (Heber Roberto Lopes). É isso que eu fico indignado

Vejam o lance no vídeo abaixo:

Sobre a punição, André Krieger comentou:
Este resultado representa a seriedade do tribunal. Foi restabelecida a situação de igualdade entre os competidores

É a percepção dele, tem de ser respeitada, mas eu discordo. Até entendo que não seja bom o diretor de futebol ficar remoendeo esses casos. Mas não dá pra dizer que foi estabelecida a igualdade.

Diego Souza agrediu um adversário. O Juiz provavelmente não viu. Foi absolvido na primeira instância e punido com um jogo na segunda. Uma pena justa, fosse expulso no jogo ( o que seria correto) teria que cumprir uma partida pela suspensão automática. Quem dera todas os julgamentos ocorressem assim.

Mas o fato de o STJD ter sido justo com Diego Souza de forma alguma anula todas outras injustiças cometidas pelo mesmo órgão. Lembremos de algumas delas:

Punição de Réver, Morales e Léo, que ainda aguarda um julgamento definitivo.

A rídicula suspensão de Tcheco por dois jogos após ter sido pisoteado no grenal.

As inúmeras absolvições de Kléber, bem como a falta de denúncia em agressões cometidas pelo mesmo jogador.

Mas o problema talvez esteja em esperar justiça neste Tribunal. Faz tempo que as decisões são moldadas por lobbys, clamor “popular”, política e pressões de toda a forma (como foi no caso dos banheiros). A Zero Hora de hoje confirma uma informação que já circulava, que é no mínimo curiosa:

Com uma agenda lotada, o Pleno sequer marcou os julgamentos de Léo, Réver e Morales. Em 15 de outubro, eles foram punidos com 120 dias, três jogos e oito partidas, respectivamente, na terceira comissão disciplinar do tribunal. Além do pedido de efeito suspensivo do advogado Gustavo Pinheiro, o Grêmio agiu politicamente para obter a liberação de seus atletas até novo julgamento.

Recorreu a Eurico Miranda. O ex-presidente do Vasco fez lobby junto ao presidente da Federação Carioca de Futebol, Rubens Lopes da Costa Filho, para que intercedesse a favor do Grêmio no caso. Lopes procurou o também carioca Virgílio Val, presidente interino do STJD, e pediu que ele concedesse o efeito suspensivo ao trio. Deu certo. Léo, Réver e Morales seguem jogando e o recurso no Pleno ainda não tem data marcada” (Zero Hora – 07/11/2008)

Kléber absolvido

October 21, 2008

Já se imaginava:

“21:23
RESULTADO DO JULGAMENTO: POR MAIORIA DE VOTOS, ABSOLVER O JOGADOR KLEBER, DO PALMEIRAS, QUANTO A IMPUTAÇÃO AO ARTIGO 254 DO CBJD.

21:22
O PRESIDENTE VOTA NO SENTIDO DE SUSPENDER O JOGADOR KLEBER, DO PALMEIRAS, POR TRÊS PARTIDAS, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 254 DO CBJD.

21:20
COM A PALAVRA O PRESIDENTE PARA VOTO.

21:19
DR. OTACÍLIO ARAÚJO ACOMPANHA O VOTO DO RELATOR.

21:17
O AUDITOR FAZ ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ANTES DE PROFERIR O SEU VOTO E COMENTA SOBRE AS DENÚNCIAS QUE SÃO FORMULADAS ATRAVÉS DE PROVA DE VÍDEO.

21:15
COM A PALAVRA O AUDITOR DR. OTACÍLIO PARA VOTO.

21:13
DR. DIEGO ACOMPANHA O VOTO DO RELATOR.

21:11
COM A PALAVRA O AUDITOR DR. DIEGO PARA VOTO.

21:10
DR. RICARDO GRAICHE DIVERGE DO VOTO DO RELATOR, SUSPENDENDO O JOGADOR KLEBER, DO PALMEIRAS, POR INFRAÇÃO AO ARTIGO 254 D CBJD.

21:09
Saiba mais:

Na última passagem pelo STJD, o palmeirense foi suspenso por uma partida pelo Pleno, no dia 25 de setembro. O jogador foi novamente julgado após Recurso interposto pela Procuradoria, que não ficou satisfeita com sua absolvição aplicada pela Primeira Comissão Disciplinar.

21:08
COM A PALAVRA O AUDITOR, DR. RICARDO GRAICHE, PARA VOTO. 21:07
O RELATOR VOTA NO SENTIDO DE ABSOLVER O JOGADOR KLEBER, DO PALMEIRAS, QUANTO A IMPUTAÇÃO AO ARTIGO 254 DO CBJD.

21:00
A DEFESA ENCERRA A SUA FUNDAMENTAÇÃO PEDINDO A ABSLVIÇÃO DO JOGADOR.

20:58
O ADVOGADO AINDA AFIRMA QUE O ZAGUEIRO DO FIGUEIRENSE ISENTOU KLÉBER DE CULPA.

20:57
O ADVOGADO DIZ QUE NINGUÉM SOBE PARA CABECEAR COM OS BRAÇOS COLADOS AO CORPO E AFIRMA QUE FOI APENAS UM “ACIDENTE DE TRABALHO”.

20:56
DR. RAFAEL PESTANA DIZ QUE HOUVE CONTATO FÍSICO NO LANCE DE KLÉBER MAS QUE ISSO É NORMAL DO FUTEBOL.

20:55
O ADVOGADO REAFIRMA QUE ATOS PRESENCIADOS PELO ÁRBITRO NÃO DEVEM SER DENUNCIADOS.

20:54
O ADVOGADO RELEMBRA OUTROS CASOS QUE CHEGARAM AO TRIBUNAL POR PROVA DE VÍDEO E CITA A ABSOLVIÇÃO DO DAGOBERTO, JOGADOR DO SÃO PAULO.

20:53
O ADVOGADO RESSALTA QUE O ÁRBITRO VIU O LANCE OCORRIDO NO JOGO CONTRA O FIGUEIRENSE E AINDA APLICOU UM CARTÃO AMARELO AO JOGADOR DO PALMEIRAS.

20:52
A DEFESA AFIRMA QUE A PROVA DE VÍDEO DEVE SER UTILIZADA QUANDO O LANCE ACONTECE DE UM LADO E O ÁRBITRO ESTÁ DE OUTRO.

20:51
O ADVOGADO COMEÇA SUA FUNDAMENTAÇÃO COMENTANDO SOBRE A PROVA DE VÍDEO E DIZ QUE O TAPE NÃO PODE SUBSTITUIR A ARBITRAGEM.

20:50
COM A PALAVRA DR. RAFAEL PESTANA PARA A DEFESA DO PALMEIRAS.

20:49
A PROCURADORIA RELEMBRA A REINCIDÊNCIA E PEDE A CONDENAÇÃO DO ATLETA.

20:48
A PROCURADORIA DIZ QUE SEU OBJETIVO É O RESPEITO AO TORCEDOR E A DISCIPLINA NO FUTEBOL.

20:47
A PROCURADORIA PEDE A PALAVRA E COMENTA SOBRE A DENÚNCIA POR PROVA DE VÍDEO E DIZ QUE ESSE ATO É TOTALMENTE VÁLIDO.

20:46
O PRESIDENTE ENCERRA O DEPOIMENTO DE KLÉBER.

20:45
O AUDITOR DR. OTACÍLIO ARAÚJO QUESTIONA QUANTAS FALTAS ELE COMETEU E O ATLETA NÃO SABE DIZER.

20:44
KLÉBER PRECISA QUE RECEBEU 109 FALTAS AO LONGO DE TODO O BRASILEIRO. 20:43
KLÉBER DIZ QUE TENTA FUGIR DA FAMA DE MAU E AFIRMA QUE É O JOGADOR QUE RECEBE MAIS FALTA NO CAMPEONATO.

20:42
KLÉBER AFIRMA QUE NÃO HOUVE VIOLÊNCIA NO LANCE CONTRA O FIGUEIRENSE E RELEMBRA QUE HOUVE SIMULAÇÃO DE SEU ADVERSÁRIO QUANDO FOI JULGADO POR PRÁTICA DE AGRESSÃO, CONTRA O GOIÁS.

20:40
O JOGADOR DIZ QUE BUSCA O RESPEITO EM CAMPO E QUE, DE FORMA NENHUMA, QUIS MACHUCAR SEU ADVERSÁRIO.

20:39
KLÉBER DIZ QUE SEU BRAÇO PEGOU NO ASPRILLA, MAS QUE FOI UM MOVIMENTO NORMAL PARA SUBIR EM DIREÇÃO À BOLA. 20:38
JDNEWS: FABIANO ELLER, DO SANTOS, PEGA TRÊS PARTIDAS DE SUSPENSÃO.

20:36
O ATACANTE SE DEFINE COMO UM ATLETA QUE MARCA BASTANTE E QUE MOSTRA RAÇA E DETERMINAÇÃO. 20:35
KLÉBER DIZ QUE CONVERSOU COM ASPRILLA E QUE ELE ENTENDEU QUE FOI APENAS UM LANCE DE JOGO, RESSALTANDO QUE NÃO TEM NADA CONTRA O JOGADOR DO FIGUEIRENSE.

20:34
O JOGADOR AFIRMA QUE HOUVE APENAS UM CHOQUE E NÃO TEVE A INTENÇÃO DE ATINGIR SEU ADVERSÁRIO.

20:33
O PRESIDENTE DA COMISSÃO CHAMA O JOGADOR KLEBER PARA PRESTAR DEPOIMENTO. 20:31
NESSE MOMENTO É APRESENTADA A PROVA DE VÍDEO DA DEFESA DO PALMEIRAS. 20:30
Entenda o caso:

A denúncia da Procuradoria se originou após um tape requisitado do duelo entre Palmeiras e Figueirense, realizado no dia 8 de outubro, no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis/SC. Na ocasião, de acordo com a denúncia, Kléber teria dado uma cotovelada no jogador adversário Asprilla, durante a disputa de bola. O jogador não foi expulso na partida.

Pela suposta infração em campo, o atacante palmeirense acabou denunciado no artigo 254 (Praticar jogada violenta) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Kléber Giácome de Souza Freitas pode pegar de duas a seis partidas de suspensão. Em caso de pena máxima, o atacante ficará fora das partidas contra Fluminense, Goiás, Santos, Grêmio, Flamengo e Ipatinga, voltando a campo somente no dia 30 de novembro, contra o Vitória, pela penúltima rodada do Brasileirão.

20:29
COM A PALAVRA O RELATOR PARA RELATÓRIO. 20:28
O Presidente chama a julgamento o Processo: 138/2008
Jogo: Figueirense F.C. (SC) x S.E. Palmeiras (SP) – categoria profissional, realizado em 08 de outubro de 2008 – Campeonato Brasileiro – Série A. Denunciado: Kleber Giacomace de Souza Freitas, atleta da S.E. Palmeiras, incurso no Art. 254 do CBJD. AUDITOR-RELATOR: DR. WAGNER MADRUGA DO NASCIMENTO.”

Os “céticos” se precipitam e dizem que são turmas diferentes, com posicionamentos contrários, o que explicaria a diferença dos julgados.

Mas a procuradoria é uma só. Por que denunciar Léo pelo artigo 253 (agressão – pena miníma de 120 dias) e Kléber pelo 254 (jogada violenta – pena máxima de 6 jogos)? o que explica essa diferença?

Além disso, é importante prestar atenção numa “denúncia” feita por Gilmar Ferreira, do Extra, em seu Blog:

Acontece que nos julgamentos ocorridos por outras turmas (primeira, segunda e quarta), os entendimentos são outros e as penas, mais brandas.

Ou seja, os auditores que compõem a terceira comissão estão sendo acusados de querer ganhar notoriedade usando a mão forte, instituindo penas pesadas.

Até aí, tudo bem, segundo especialistas a prática é comum também na Justiça comum.

Ocorre que, como não há distribuição eletrônica das denúncias, não é descartada a possibilidade de manipulação das pautas.

Por quê? Simples: o procurador escalado para apreciar as súmulas (são cinco por rodada) tem dois dias para analisar se há infrações a serem julgadas.

Depois, entrega o documento oficial das partidas na secretaria do STJD, que procede então a distribuição das pautas — pautas, inclusive, que devem ser julgadas em até três dias úteis.

Assim, se ela é entregue numa sexta-feira, só para exemplificar, é provável que o caso seja julgado na quarta-feira seguinte, na reunião da tal terceira comissão.

O sistema, considerado falho por especialistas em Justiça Desportiva, facilita o tráfico de influência e remete terceiros à percepção de que o sucesso de um clube no Brasileiro não está diretamente ligado à formação de um bom time.

Há, entre muitos, a estranha sensação de que mais vale o cortejo ao procurador amigo do que a mirabolante tarefa de tentar produzir o melhor futebol.” (Blog Futebol, Coisa & Tal – 17/10/2008)

Ou seja, o procurador pode muito bem escolher qual a comissão que irá julgar a sua denúncia.

Efeito Suspensivo

October 17, 2008
Claramente um decisão muito mais política do que propriamente jurídica. Contudo, louva-se o uso do efeito suspensivo, não faz o menor sentido um jogador cumprir integralmente a pena enquanto seu recurso aguarda julgamento. O que pode se questionar é a incoerência do tribunal, visto que raramente concedia tal “benefício”. Espera-se que, neste moldes, o deferimento de efeito suspensivo se torne prática mais comum:

O Grêmio poderá contar com os zagueiros Léo e Réver e o atacante Morales no jogo contra a Portuguesa, marcado para as 18h10min deste domingo no Canindé, pela 30ª rodada do Brasileirão. Na tarde desta quinta, foi deferido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) o pedido de efeito suspensivo liberando os três jogadores, suspensos um dia antes em uma das decisões mais polêmicas do ano. Eles estão liberados para atuar até um novo julgamento, ainda sem data marcada” (ClicRBS – 16/10/2008)

Na tarde desta quinta-feira, o advogado do Grêmio José Mauro Couto Filho entregou ao presidente do Supremo Tribunal, Virgílio Val, um recurso de efeito suspensivo das punições dos jogadores do Grêmio.

Após mais de uma hora de aguardo, a decisão final do STJD foi de liberação dos 3 jogadores suspensos.” (Grêmio.net – 16/10/2008)

Ainda sem data oficial, o julgamento do recurso dos atletas deve acontecer no dia 30 de outubro. A decisão vai ficar a cargo do Pleno do STJD e sobre ela não cabe recurso de nenhuma das partes.” (Correio do Povo – 17/10/2008)

O episódio todo ainda gerou (mais) uma boa frase de Anderson:

De passagem por Porto Alegre, o meia Anderson, ex-Grêmio, fez duras críticas ao STJD pelas punições aplicadas a Léo, Réver e Morales (e depois revertidas por efeito suspensivo). Em visita ao estádio Olímpico, o meia do Manchester United disse que tamanha rigidez não é vista na Europa. “Lá, para o cara pegar tantos jogos assim, só se der um tiro na cabeça de outro jogador”, observa.”(Correio do Povo – 17/10/2008)

Mais sobre o assunto, com a devida referência a teoria do bode na sala, pode ser lido nos posts feitos pelo Vicente Fonseca e pelo Gustavo Zanuz