Archive for the ‘Topper’ Category

Camisas Retrô de 1981 – Umbro, Topper e Puma

December 31, 2021

 

https://64.media.tumblr.com/3475420b9b6b68f29d332d3df8504357/e959205c9ae323ba-22/s1280x1920/db8fc641439f377b17cf7b172bbed073a3182b62.jpg

A “nova camisa retrô” do Grêmio já tinha sido “vazada” no início de junho, mas só foi ser oficialmente lançada na segunda quinzena de julho, como parte da “Coleção Vintage” que a Umbro fez para os seus clubes no Brasil.

Em fevereiro eu disse esperava que o Grêmio fizesse uma camisa retrô do modelo usado na Copa do Brasil de 2001. As camisas titulares de jogo de 2019 e 2020 tinham menos listras/listras mais largas. Na minha cabeça isso seria motivo para fazer a camisa de jogo de 2021 com listras mais finas (em homenagem/referência à camisa de 1981) e deixar as listras mais largas para um modelo retrô. Mas as coisas nem sempre são como a gente quer que elas sejam a Umbro e o Grêmio não pensaram dessa forma (inclusive consta uma referência a temporada de 1981 nas etiquetas internas da camisa e no material de divulgação a Umbro afirma que a camisa de jogo de 2021 TAMBÉM homenageia o o primeiro título nacional do clube).

 

Feita essa introdução, preciso dizer que vi a camisa nas fotos de divulgação e rapidamente em uma vitrine e achei ela bem legal. O tom de azul é muito bonito e combinou bem com esse efeito/estampa/padrão que simula um tecido antigo/lavado. Porém, pro meu gosto, essa camisa tem o mesmo problema da camisa que a Umbro fez para os 20 anos da Libertadores de 1995: Ela não é tão semelhante ao uniforme homenageado ao ponto de poder ser considerada uma réplica mas também não é tão diferente ao ponto de se enquadrar como um “releitura”.

 

De qualquer forma com esse lançamento temos o terceiro fornecedor seguido  (ou segundo se considerarmos Puma/Topper somente como Filon), nos últimos 15 anos, que lança uma camisa retrô em homenagem à equipe comandada por Ênio Andrade. E comparando todas essas versões com a camisa original (conforme a primeira imagem do posto) eu acabei percebendo alguns detalhes e curiosidade que não tinha notado antes. Abaixo destaco alguns.

 

 

 

 

1981 – Olympikus

https://64.media.tumblr.com/fbe570bbbe7a7c2d16a0cc71b6d9e04e/e959205c9ae323ba-77/s1280x1920/8e0d8f2817c73401fa046e7a7b21bde0e70d7071.jpg

 

Na imagem abaixo temos fotos de Vilson Tadei e Hugo de León em campo antes do início do jogo do título. É interessante o comparativo de dois atletas de alturas bem diferentes (1m72 x 1m89) porque é possível ver claras diferenças nas suas camisas. A gola da camisa do Vilson Tadei é um tanto menor, acaba logo no início da segunda listra azul e preto (contadas do centro para fora). Já a gola na camisa do De León vai quase até a terceira listra branca. O distintivo e o logo da Olympikus estão mais para dentro/centro na camisa na camisa de Tadei na comparação com a do De León.

Em outra foto, destacando Baltazar, Paulo Isidoro e Odair, é possível perceber que não há muito padrão na ordem das listras nas mangas. (Em um post sobre o Gauchão de 1986 eu falei que achava interessante esse aspecto quase artesanal das camisas antigas, mas essa questão da ordem das listras também acontecia em 1995 , quando as camisas já eram feitas com  sublimação)

 

2006 – Puma

Em maio de 2006, em comemoração aos 25 anos do primeiro título nacional do Grêmio, a Puma lançou “uma réplica da camisa usada por Baltazar. No site do clube foi anunciado o preço inicial de R$ 189,00 (que corrigido pelo IGPM corresponderia à R$ 610 em setembro de 2021/ou R$ 400 o valor for corrigido pelo INPC até agosto de 2021).

O que eu nunca havia reparado é que inicialmente eram vendidas duas versões dessa camisa. Nas duas a listra branca era centralizada, mas em um modelo a listra preta está logo a direita dessa listra central branca (e o distintivo está posicionado “majoritariamente” sobre uma listra azul) e na outra se verifica o inverso.

Na imagem acima eu tentei fazer uma ilustração de uma camisa tamanho EG-XXL com a o distintivo sobre a listra preta e abaixo de uma camisa tamanho M com o distintivo sobre a listra azul.

Eu achei curiosa essa variação. Especialmente porque na camisa de 81 não havia variação na ordem da listras na parte da frente e nas costas. E nas imagens usadas no material de divulgação sempre se usou o modelo que tinha a ordem inversa da camisa da Olympikus. O tamanho das listras desse modelo é bastante fiel ao do modelo usado pelos atletas de 1981, muito embora a réplica da puma seja bem menos justa (o que faz com que se vejam um número maior de listras na réplica).

Pra completar  a confusão, em algum momento foi lançada uma terceira edição, com uma etiqueta diferente na parte interna da gola, onde o distintivo estava posicionado de maneira diversa, usando uma listra branca como “centro“. Através do Internet Archive eu encontrei links da GrêmioMania com esse modelo sendo vendido por R$ 99,90 em outubro e novembro de 2010 (Numa edição da Revista Placar de novembro de 2008 ainda consta uma das primeiras versões com o preço de R$ 139).

 

 

2011 – Topper

A troca da Puma pela Topper como fornecedora não representou uma ruptura completa no material esportivo do Grêmio, uma vez que a Filon permaneceu como parte do contrato e efetiva fábrica dos produtos. Isso explica o fato da camisa lançada pela Topper em junho de 2011 ser praticamente idêntica a última versão da Puma.

Em julho de  2011 a camisa era vendida por R$ 139,90 no site da Grêmio Mania. Três anos depois o preço estava em R$ 149,90.

Uma versão de jogo, com outro material, foi usada na partida contra o Vasco pelo Brasileirão de 2011. A fonte dos números era a mesma da camisa de titular de jogo daquela temporada. A marca do Banrisul foi estampada com uma serigrafia bem rudimentar (diferente do material aveludado das camisas tricolores vendidas naquele ano).

 

Um detalhe curioso dessas versões retrô fica por conta do tamanho. O tamanho M da Umbro é maior do que os tamanhos G da Puma e da Topper. E o tamanho EG da Puma equivale ao G da Umbro.

Quanto aos distintivos tentei colocar todos lado a lado na imagem abaixo. O da Puma e o da Topper são idênticos, e também foram usados nas camisas retrô de 83. O mesmo acontece na versão da Umbro, que se vale do mesmo distintivo usado na camisa retrô de 1983. Vale lembrar que há diferença entre os símbolos das camisas de jogo da Olympikus de 1981 e da Adidas de 83.

 

* Bônus

As camisas de goleiro usadas por Leão e Remi nas finais

https://64.media.tumblr.com/4a39f276a2339aa43ba7fc1e00b2cefb/fafed00457b99402-38/s1280x1920/7924353ead19738ff0d4e136ee0600a841d4b831.jpg

https://64.media.tumblr.com/9aefab04841a72e4329e908f57777071/fafed00457b99402-a9/s1280x1920/d0776dd5ed195231b644320e76140f515c1368ee.jpg

Camisas 2014 – Tricolor e Branca

May 4, 2014

Creio que seja mais fácil começar pelas coisas que gostei/entendi desse lançamento da coleção 2014 das camisas do Grêmio. Achei bem legal a ideia de fazer o desfile de apresentação na Arena em um dia de jogo. Isso não só prestigia quem costuma ir a campo como também valoriza a esplanada do estádio, que é um espaço pra lá de subaproveitada.
De resto é difícil entender algumas questões que envolvem esse tema do material de esportivo:
– Por que a coleção da temporada é lançada somente no final de abril?
– Por que se espera a segunda rodada do brasileirão para estrear a camisa titular?
– Por que se divulga o lançamento de produtos que ainda não estão disponíveis pra venda, como a camisa branca o os fardamentos de treino?
– A tal da “venda no escuro” precisa ser repetida em todos os anos?
– Por que não é ofertada a camisa feminina na pré-venda de modo a atingir também as sócias?

Além disso, sou cada vez mais contrário a essa ideia de ter uma camisa titular para a Libertadores e outra para as demais competições. Creio que a camisa tricolor mereça alguma pompa, e me parece que o mais correto seria que ela fosse a mesma do primeiro ao último jogo da temporada. Do modo como é feito hoje o Grêmio chegar a usar três camisas tricolores num mesmo ano. Sem falar no fato de que lança uma camisa em fevereiro e outra em abril.
 

Não gostei muito da camisa tricolor. Acho que as listras brancas ficaram excessivamente finas. Se somar isso ao fato de que o Banrisul na frente esteja em preto, assim como os punhos e boa parte da gola, deixa o conjunto do fardamento com um excesso de tons negros.
Não gostei muito do detalhe em azul na parte da frente da gola, parece que o azul da listra “vazou” para lá. Acho que a ideia de usar preto no restante gola e nos punhos até poderia ser uma diferença interessante aos modelos anteriores, mas acabou remetendo um pouco ao uniforme de 2008. E acho que poderiam ter usado uma fonte nova para os números, visto que já terceira camisa titular com essa mesma fonte.
No site do Grêmio se afirma que o “modelo é inspirado no ano de 1928“. Por óbvio que o conceito de “inspirado” pode ser muito relativizado, mas acho que se a ideia era lembrar o primeiro fardamento tricolor a Topper poderia ter pensado num modelo com gola branca ou mesmo com cordão junto a gola (tal como fez a Uhlsport no Munchen 1860 ou a Puma para a seleção uruguaia)
Eu gostei bem mais da camisa branca. Gostei desse grafismo, me remete aos uniformes dos anos 90. Só acho que ele poderia seguir na parte de trás da camiseta, que mais uma vez acaba ficando um pouco sem graça. E esse desenho me lembrou mais da camisa branca de 1996 do que dos  “grafismos étnicos dos tradicionais Pampas gaúchosanunciados pela Topper.

Achei legais o restante da coleção, especialmente da camisa de goleiro, com essas listras em diversos tons de azul e outra em diversos tons de amarelo. Uma pena que ainda não estejam a venda.

 
 
 
 

Camisa da Libertadores 2014

February 16, 2014
O Grêmio iniciou nessa semana a pré-venda da sua nova camisa para  a Libertadores 2014. É inegavelmente uma camisa bonita, num tom de azul bem interessante, com a distribuição e proporção das listras que remete ao fardamento de 2001. Mas há pouquíssima inovação e elementos de surpresa nesse lançamento. O principal é esse detalhe em V na parte inferior na gola. De resto parece ser uma variação da camisa da Libertadores de 2013.

Nas imagens abaixo é possível notar claramente que houve uma inversão na ordem das cores em relação ao modelo do ano passado.  A listra preta passou a ser a central no torso (o que não ocorria desde 2010) e no ombro. As outras diferenças ficam no tom de azul, no detalhe da gola em dourado e aumento da espessura da listra branca (o que acho positivo, visto que era muito estreita em 2013).  Pro meu gosto, o distintivo do clube (bem como o logo da Topper) segue posicionado muito perto das mangas.

O Banrisul permanece na configuração mais comum (Fonte branca com contorno preto) já usada na camisa do Brasileirão/Copa do Brasil do ano passado. E a fonte do número segue a mesma do último fardamento, e aqui penso que seria interessante usar uma fonte para cada ano, ou adotar de vez uma fonte exclusiva e “permanente” para o Grêmio.

Eu confesso que, apesar de ser entusiasta da manutenção de “tradições” nos uniformes, estou sentindo falta de algumas inovações e/ou maior capricho nos detalhes nos últimos fardamentos do Grêmio. Claro que isso é um problema menor depois de alguns dos absurdos da Puma.

O que eu não consigo entender é por que a camisa não foi usada pela primeira vez no primeiro jogo da Libertadores, ou mesmo no primeiro jogo da temporada. E espero que esse seja o único uniforme tricolor da temporada.

Também não encontro explicação para o fato do preço da camisa ter aumentado exatos vinte reais nos últimos anos (R$ 189,90 em 2012R$ 209,90 em 2013 e R$ 229,90 em 2014) Esse aumento está atrelado ao que?

Camisa Preta 2013

November 10, 2013

Já disse que não o maior fã da camisa preta do Grêmio, mas sei bem que ela faz grande sucesso com grande parte da torcida gremista.

Não entendi porque o Grêmio, mais uma vez, fez a chamada venda no escuro. Mais incompreensível era o fato de que a foto que estampava a notícia no site do clube deixava bem claro como seria a camisa.

Eu achei a camisa bonita. Contudo sempre acho que o terceiro fardamento é propício a inovações e alterações, e esse modelo é apenas uma variação de cores da camisa reserva (que é uma homenagem ao uniforme de 83, e naquela ano não havia camiseta preta). 
Um  detalhe que eu esperava que fosse modificado é a disposição dos patrocinadores e do número. Todas as camisas pretas de jogo que o Grêmio teve usaram o Banrisul em branco, seguido do número em azul e Tramontina em branco logo abaixo (ver imagem abaixo). Creio que uma certa variação seria bem vinda.

 
 

Camisas 2013 – Tricolor e Branca

June 9, 2013
 

Eu gostei bastante da nova camisa tricolor. Aliás, seria muito difícil não gostar de um modelo que busca repetir um uniforme clássico do Grêmio. Pelas imagens parece ter sido muito bem feito. A proporção e tamanho das listras, o tom de azul, a colocação dos patrocínios, o tamanho do distintivo, tudo acertado. O corte mais tradicional parece ter sido uma escolha correta para esse desenho (e o corte era um grande problema da camisa de 2011).

 As poucas novidades funcionaram muito bem com esse modelo. A listra preta  nos ombros/manga (muito usada nas camisas da Kappa/e na da Libertadores de 2009) ficou bem adequada. Eu acho interessante essa fonte mais “Reta/quadrada”. Na camisa 10 ficou legal, mas o número 8 ficou um tanto estranho.
A camisa realmente ficou muito bonita. Talvez tenha se perdido um pouco do apelo de um uniforme retrô uma vez que desde 2008 tem se lançado camisas comemorativas que remetem aos fardamentos da década de 1980 e a própria camisa titular de 2011 buscava esse mesmo conceito de um uniforme tradicional. Mas isso não diminuiu a beleza do uniforme.
Achei legal essa medida de fazer um lançamento por diversos pontos da cidade. A ideia de poder espiar a camisa antes é boa também. Uma pena que tenha sido mal executada. Nos buracos disponíveis era exibido um vídeo da camisa de dois anos atrás.
 

Justamente por ser a camisa titular tão clássica é que eu esperava um pouco mais de inovação na camisa branca. As listras em dois tons de branco é um elemento que me agrada, mas os detalhes na gola e punho parecem ser mera repetição das camisas comemorativas de 81 e 83. A ausência de listras nos ombros/mangas fazem com que a camisa remeta muito mais ao uniforme branco de 1981. Também esperava alguma variação nas cores dos patrocínios e da numeração. A parte de trás da camisa é praticamente igual as camisas reservas de 2011 e 2012.
Vi pouco das meias e calções, mas pareceram ser monocromáticos, sem nenhum detalhe significante. Espero que o clube não abandone a meia listrada. E, se o conceito era de lembrar 1983, o certo era ter uma meia azul também.
Eu sigo sem entender porque o Grêmio não lança seus uniformes no começo da temporada ou dos respectivos campeonatos em que os fardamento serão utilizados. Esse é um tema onde o clube poderia adotar uma política mais clara. Em pouco mais de um ano o Grêmio lançou três camisas brancas. Isso é correto como o consumidor? É justo?  Acho importante lembrar do exemplo dos clubes ingleses, que tem essa questão de data de lançamento, duração e quantidade de uniformes bem regulamentada. Por exemplo: O Arsenal garante a mesma camisa titular por duas temporadas.  Já o  Chelsea e Liverpool por uma temporada.

Camisa de Goleiro do Grêmio 2011/2012 X Camisa de Goleiro do Barcelona 2012/2013

February 27, 2013

Já vimos aqui no blog que no final de década de 1980/início de decada de 1990 era relativamente comum que as marcas esportivas nacionais copiassem modelos dos grandes fornecedores mundiais. O Grêmio não escapou disso, ainda que tal prática tenha ficado restrita aos uniformes de treino.
O curioso é que agora parece que temos um exemplo de um caso inverso. Observando alguns jogos do Barcelona nessa temporada me chamou a atenção o uniforme de goleiro feito pela Nike para o clube catalão, que lembra muito o fardamento usado pelo goleiro Victor no Grêmio em 2011 e 2012.
Diante das imagens fica difícil dizer a semelhança entre esses fardamentos seja mera coincidência.


Camisa da Libertadores 2013

February 17, 2013
Já disse aqui no blog que gostei dessa camisa lançada para a Libertadores 2013. É uma versão melhorada da camisa usada na inauguração da Arena, com um tom de azul mais claro e com gola e punhos brancos (o que eu acho que melhora muito o resultado final).
Pro meu gosto é um modelo superior ao usado em 2012, especialmente pela volta da manga listrada. Não sou muito partidário do expediente de usar elementos dourados para fazer um fardamento “especial”, mas acho que nesse caso esses detalhes não são excessivos e não comprometem o conjunto.
De resto não há uma grande variação em relação ao ano passado. A ordem (azul centralizado) e o tamanho das listras é bem semelhante ao modelo de 2012, bem como o lugar onde foram colocados o distintivo, patrocinador e símbolo do fornecedor. Acho que este são os elementos que mais podem (e devem) variar de ano para ano na camisa tricolor, mas não vejo nenhum pecado em manter o mesmo padrão em mais de uma temporada.

Eu costumo preferir uma camisa com maior número de listras e com a listra branca um pouco maior (Como por exemplo na camisa de 2011), mas creio que o atual uniforme não se distancia tanto do que já foi usado em camisas tricolores clássicas, apesar do fato de a listra preta não ter a mesma largura da listra azul.

O calção é a meia usados no último jogo são bem simples, o que por um lado é positivo. Por outro, faz um bom tempo que não se tem nenhuma tentativa de inovação nessa área. Que eu me lembre as maiores novidades foram os calções usados em 2005 (devido ao corte) e a meia listrada do ano passado.

Camisas castelhanas

September 22, 2012

 Já disse em outras ocasiões que sou um defensor ardoroso da camisa celeste do Grêmio e acho que a camisa reserva que a Puma fez para a Libertadores de 2009 é o melhor fardamento branco já feito para o clube.

Assim sendo eu fiquei bem empolgado quando fiquei sabendo dessa coleção inspirada nos uniformes das seleções da Argentina e do Uruguai. De um modo geral eu achei as camisas bem legais.

 
Não há nenhuma grande novidade nelas. O corte/design e a fonte dos números é a mesma da camisa titular. O posicionamento dos patrocinadors, do distintivo e do logo da Topper também é bem  parecido. 
A camisa celeste tem uma marca d’água em V que lembra muita a camisa do Werder Bremen da temporada passada. E, por uma questão de gosto, eu gostaria de ver um algum detalhe em branco nesse uniforme azul (talvez na gola e punho), afinal de contas o time é tricolor e a seleção uruguaia tradicionalmente ostenta algum elemento branco no seu uniforme titular. Do jeito que está, a camisa se assemelha muito a reserva do Santos desse ano.

Acho legal que exista bastante oferta e que o torcedor tenha opção. Mas com esses o Grêmio chega a cinco uniformes lançados na temporada (sendo que dois são brancos). Qual o limite? Quantas vezes cada um deles vai ser usada pela equipe principal? Os times ingleses, como Arsenal, Chelsea e Liverpool deixam bem claro para os seus sócios/torcedores/consumidores a vida útil dos  fardamentos.
Outras críticas também podem ser feitas. Concordo que a referência aos vizinhos do Rio da Prata não precisava ser tão óbvia e direta. E não consigo entender porque se lança em setembro um produto que só vai estar disponível em 20 de outubro.
Mas é preciso repetir que achei as camisas bem bonitas. E talvez seja este o ponto mais importante.

Camisa preta 2012

August 21, 2012


Eu confesso que não sou um dos maiores entusiastas da idéia do Grêmio utilizar um uniforme reserva preto. Não me entusiasmei com a ideia da camisa shadow de 2005 (e suas versões posteriores). Não se trata de purismo, apenas uma predileção pela camisa celeste com uniforme reserva.
Contudo, entendo que existe uma demanda por uma camisa de jogo dessa cor. Achei que a idéia de uma linha toda preta poderia ser legal, muito embora não fosse um projeto muito original (Umbro fez para o Cosmos, Nike para a Seleção Brasileira). Mas não gostei do resultado final.

Achei que a camisa de jogo tem muito azul e branco para um uniforme que deveria ser todo preto. Eu teria optado/tentado por estampar os patrocinadores, fornecedores, números, nomes e distintivos em tons de cinza ou preto, tal como é a camisa de passeio (Com os devidos ajustes em função da visibilidade, é claro. A solução de colocar o número em azul e o restante das marcas em branco já foi usada na camisa azul marinho do ano passado e na minha opinião “quebra” com a idéia de uma camisa toda negra.

Também não entendi porque foram lançados mais um calção e mais uma meia preta. E não entendi o porque dos detalhes em azul e branco nos dois, uma vez que não guardam nenhuma relação com a camisa. A meia lembra muito a que a Puma fez para o Grêmio em 2005. E a fonte do número em remeteu fonte feita pela Puma para a Euro 2012 e da Reebok usada em 2006.

Enfim, não achei a camisa feia. Classificaria como “sem graça”. Não era o que eu esperava quando ouvi o conceito de “black project”.





Sugestão – Uniforme de 1962

April 6, 2012

Em outubro do ano passado, eu sugeri ao marketing do Grêmio que os uniformes de 2012 poderiam homenagear a equipe de 1962, aproveitando os 50 anos da conquista da Taça Legalidade, da excursão européia e do título do chamado “Supercampeonato” Gaúcho.

A idéia foi bem recebida e a partir daí a Martina Schreiner e eu elaboramos uma análise dos uniformes daquela temporada e enviamos o material para o clube. O trabalho em questão pode ser visualizado abaixo:

Como vimos nessa semana, o uniforme de 1962 foi lembrado na atual camisa reserva. Como já disse, em termos gerais eu gostei dessa camisa branca de 2012, muito embora eu preferisse que as listras tivessem continuidade nas costas da camisa, tal como era usada há 50 anos atrás (como se vê na foto abaixo, aonde Gessi e Marino enfrentam o São José no Olímpico)

Penso da mesma forma em relação ao uniforme retrô lançado. Se é uma réplica, as listras também deveriam aparecer nas costas da camisa.

E me parece que faltou um pouco de atenção da Topper em relação aos detalhes desse modelo retrô. A ordem das listras da gola foi invertida, ficando diferente do que era usado na época (conforme se pode observar nas fotos abaixo).

Milton, Valério e Vieira

Elton e Airton