Archive for the ‘Umbro’ Category

Camisa Titular Umbro 2017

March 13, 2017

umbro 12017 costas

Como já afirmei no post anterior, não gostei da nova camisa titular do Grêmio. Por uma série de motivos.

Na comparação imediata com os trabalhos anteriores da Umbro fica uma impressão de  retrocesso. A começar pela época do lançamento. Em 2015 e 2016 o Grêmio conseguiu iniciar o ano com uma nova camisa tricolor. Em 2017 a camisa titular só foi ser lançada em março, no nono jogo da temporada.

Também não gostei da ausência de listras nas mangas e achei que  não se encontrou a  melhor distribuição dos elementos (distintivo, logo da Umbro e patrocínio do Banrisul). A Umbro usou no Grêmio o mesmo template que usou no Avaí. A repetição de template por si só não é problemática (a camisa de 2005 era um template mundial da Puma, mas ficou bem resolvida), mas acho que as características típicas da camisa do Grêmio não foram totalmente contempladas nesse template. Disso tudo, fica uma sensação de desleixo, de falta de atenção aos detalhes (que é era a última coisa que eu esperava da marca que lançou a campanha “tailored by Umbro“)

 

O “tradicional” da camisa titular do Grêmio é a continuidade das listras nas mangas.  Só em 2006, 2007 e 2012 (e na camisa genérica/tampão de 2005) isso não aconteceu. De longe esse é o aspecto que mais me incomoda no modelo atual. Por isso e pela listra branca bastante estreita a camisa titular fica excessivamente azul. Acho que o resultado ficaria melhor com as listras nas mangas. Abaixo uma simulação disso para demonstrar a diferença.

 

Não consegui entender a diagramação da camisa. Como se vê na imagem abaixo, o logo da Umbro não está alinhado com o distintivo do Grêmio.

alinhamento escudoalinhamento escudo centralizado

Acredito que o distintivo e o logo da Umbro ficariam mais harmoniosamente distribuídos na camisa caso fossem centralizados na horizontal, como na imagem acima.

Abaixo, uma simulação de como ficaria a camiseta ficaria com essas duas mudanças sugeridas acima.

listras mangas escudo centro.jpg

Advertisements

Camisa Branca 2016 – Sugestões de alterações

January 28, 2016
Na melhor das hipóteses, poderia se dizer que essa nova camisa branca “dividiu opiniões”. Na conversa com outros gremistas e nas postagens da Umbro nas suas contas em redes sociais é fácil achar pessoas revoltadas com o uniforme reserva. 
Eu também não gostei. Acho que a ideia de usar as listras na horizontal é interessante, mas acabou sendo mal executada. Uma pena, pois imagino que com alguns ajustes a camisa poderia ficar bem melhor.
Um das mudanças mais sugeridas pelas pessoas que não gostaram da peça seria a retirada das faixas abaixo do patrocínio do Banrisul. Em razão disso publico abaixo o desenho de como poderia ficar a camisa (lembra um pouco a camisa reserva que a própria Umbro fez para o Lille em 2011)

Eu me incomodei bastante com as costas da camisa. Achei simplória, muito parecida com as camisas brancas de 2011, 2012 e 2013. E sinto falta de uma continuidade das listras na parte das costas. Sei bem que, por exemplo, a Adidas vem fazendo camisas muito legais que só tem listras horizontais na parte da frente (tal como a da Alemanha, FenerbahçeDinamarca e Escócia), mas no caso do Grêmio eu acho que essa descontinuidade acaba prejudicando o conjunto do fardamento. Assim, publico dois desenhos de como ficaria o uniforme com as listras seguindo na parte de trás (um mantendo as quatro listras, outros deixando somente as duas de cima)

Outra possibilidade seria a de acrescentar uma terceira “faixa” na camisa. Publico duas simulações, uma mantendo a ordem original das listras e outra usando o mesmo padrão das meias usadas em 1962:

Seguindo nessa ideia, alguns desenhos acrescentando uma quarta e uma quinta “faixa” de listras:

Por último, uma outra alternativa que seria a de baixar as listras, deixando o distintivo do Grêmio e o logo da Umbro em cima do branco:

Camisas Tricolor e Branca da Umbro 2016

January 28, 2016

Antes de tudo, acho muito legal que o Grêmio e a Umbro tenham conseguido manter a prática de lançar a camisa nova no primeiro jogo da temporada. Poucos clubes no Brasil vem conseguindo fazer isso.

A questão dos vazamentos tem sido problemática para o Grêmio. Quase ninguém no mundo tem conseguido manter sigilo total sobre os lançamento de material esportivo. Desse modo o clube deveria parar de fazer tanto “auê” com “venda no escuro” e começar a pensar em ter uma estratégia para o caso de ocorrer o vazamento de uma imagem do uniforme antes da hora prevista para o lançamento. Essa história do Zini Pires dizer que as camisas eram falsas, mas “parecidas com as verdadeirasfoi um dos episódios mais ridículos da história do jornalismo gaúcho.
Lamento ainda que tenha se mantido a ideia de vender uma camisa “de jogo” e uma de “torcedor” com tamanha diferença nos preços.

Eu confesso que não fiquei empolgado com  a camisa tricolor quando vi as primeiras imagens que vazaram. Mas achei que ela ficou muito bem na transmissão do jogo. Me pareceu mais bonita do que a do ano passado. Alguns problemas vistos em 2015 foram corrigidos. O Banrisul foi colocado um pouco mais no alto na parte da frente. O diamante da Umbro deixou ser dourado e ganhou as letras logo abaixo. A fonte do número pode não ser um primor, mas funciona bem, ficando bem mais visível no jogo (o que talvez passe também pela diminuição da largura das listras brancas). A gola é a mesma que a Umbro usou nos uniformes do Gamba Osaka. Gostei da continuação da listra azul sobre a gola na parte de trás, mas acho que o detalhe na parte da frente não ficou tão bem resolvido. No geral acho que essa camisa “veste melhor” do que a do ano passado, mas ainda fica um pouco aquém dos melhores trabalhos feitos pela Umbro (especialmente comparando com a linha “Tailored by Umbro“) . 
A listra centralizada voltou a ser a azul. Desde 2000 o Grêmio lançou 21 camisas tricolores. 11 tiveram a listra azul centralizada, 8 a listra preta e 2 a branca, o que contrasta um pouco com a média das camisas dos grandes títulos, que costumam ter, na sua maioria, a listra branca centralizada.

Já para a camisa branca não se pode dizer que as fotos que vazaram a prejudicaram. Ela realmente não ficou legal. Não sei como o diretor de marketing Beto Carvalho chegou a conclusão de que “a camisa branca é uma das mais lindas que o Grêmio já teve“. Até entendo que ela possui alguns elementos interessante (parece ter sido inspirada na camisa reserva da Libertadores 2009, essa sim uma das bonitas da história do clube) mas a combinação deles não faz muito sentido. Assim como aconteceu em 2011, 2012 e 2013 a parte de trás é toda branca com o número em azul e o Banrisul em preto, e as costas não guardam relação com a a frente, que por sua vez não combina com os detalhes da gola e manga. Desse modo o conjunto ficou com aspecto estranho, quase tosco, se assemelhando a una camisa pirata. 

A camisa retrô é mesmo de 1956?

December 13, 2015
Buscando em meus arquivos, encontrei registros dessa camisa branca com uma faixa azul com bordas pretas na altura do peito sendo usada nos anos de 1948 e 1950.

E quando pesquisei o ano de 1956, sempre encontrei o Grêmio usando um uniforme reserva diferente deste modelo retrô (como por exemplo o jogo contra o Racing, em janeiro daquele ano, ou a partida contra o Floriano em agosto ou mesmo o confronto contra um selecionado argentino em setembro

Vale lembrar que o antigo memorial Hermínio Bittencourt tinha uma de suas colunas decorada com um série de caricaturas de jogadores, ilustrando os diversos uniformes do Grêmio ao longo dos anos. Lá a camisa em questão era creditada a 1950.

Assim sendo, é assustador que o departamento de marketing aprove que seja bordada na camisa uma data errada. Acho que a diretoria do clube e sua parceira deveriam ter mais cuidado um produto da marca do Grêmio e mais respeito a história do time.

Ênio Rodrigues marcando o atacante Maschio do Racing, em confronto de janeiro de 1956 
(Fonte: Grêmio História)

Imagens do antigo museu do Grêmio no estádio Olímpico.

Camisa Preta 2015

December 6, 2015

 Eu já disse antes que não entendi muito bem o porque do lançamento dessa quarta camisa no penúltimo jogo da temporada. Acho que essa questão poderia ser mais claramente regulada pelo Grêmio, seguindo o modelo dos clubes ingleses (O Arsenal, por exemplo, garante que lançará no máximo 3 camisas por ano, e que elas serão usadas por uma temporada)
A camisa em si não me pareceu ter nada especial. Muito parecida com os modelos já usados pela Chapecoense em 2015 (listras fininhas no tronco e mangas “lisas”).
Quanto a parte das costas da camisa, repito a crítica que fiz em 2013: Todas as camisas pretas de jogo que o Grêmio já teve usaram o Banrisul em branco, seguido do número em azul e Tramontina em branco logo abaixo (ver imagem abaixo). Creio que uma certa variação seria bem vinda. 

Camisa azul Umbro 2015

May 22, 2015

O Grêmio lançou oficialmente ontem a sua terceira camisa para temporada 2015.  Quando vazaram as primeiras imagens ainda na semana passada, disse que não tinha gostado tanto desse gradiente/degradê na camisa. E mantenho isso.
Pelo que vinha sendo informado, eu imaginava uma camisa celeste mais clássica. Prefiro uma camisa com o número e a marca dos patrocinadores em preto e a gola e punhos em branco (tal como era a camisa celeste de 1994/1996 e tal como é a camisa da seleção uruguaia). É apenas uma questão de preferência, mas não sei se o excesso de preto nas laterais e no gradiente não ajudaria a confundir quando o Grêmio enfrentar uma adversário com camisa preta e branca (que é a principal oportunidade para usar a camisa azul).
O curioso é que nas imagens vazadas parecia existir a possibilidade de se usar a gola virada, o que seria algo diferente, mas não vi nada disso na divulgação do lançamento. E achei essa gola azul bem parecida com da camisa lançada no final de 2012, que foi a última azul lançada pelo clube.

Não deve ser tão simples acertar o tom para a campanha de lançamento de um uniforme sem soar muito piegas ou ufanista. Contudo, as frases “The shirt with soul” e “Raça e paixão. Uma camisa. Valores eternos” beiram o nonsense.
E não entendi por que o Presidente Romildo Bolzan repetiu essa história de camisa “revolucionária”. Não há nada de revolucionário no uso de gradiente/degradê, que o diga o Cruzeiro em 2009, a Puma em 2010, A camisa de goleiro usada por Victor em 2011o Barcelona em 2012, o Bahia em 2013 e etc…

 Me parece que a parte das costas foi prejudicada pelo excesso de informações (São seis elementos: Umbro, Banrisul, nome do jogador, número do jogador, Tramontina e Unimed). Talvez fosse o caso de colocar apenas o número em branco e o resto em preto (ou vice-versa)

E não gostei muito da combinação com o atual calção preto. Aquela listra azul no lateral do calção, que já não faz muito sentido quando usado com a camisa tricolor, ficou ainda mais perdida com esse degradê.

Fotos: Grêmio.net e Minhas Camisas

Uniformes da Umbro 2015

January 13, 2015

Não fui no evento do lançamento e confesso que o absurdo aumento de preço da camisa de jogo e (a falta de questionamento e explicação sobre isso) me fez perder o entusiasmo para analisar os novos fardamentos da Umbro. Antes de deixar minhas impressões acho importante registrar que finalmente o clube vai começar a temporada com o fardamento novo. Espero que daqui pra frente a estreia da camisa titular seja sempre no primeiro jogo da temporada. 
Afirmei na quinta passada no Twitter que a camisa está bem tradicional  mas que, pela modelagem, é o tipo de peça que tem que ver ao vivo e no campo para avaliar bem melhor. Pois experimentei os dois modelos da camisa tricolor (de jogo e de torcedor) e o de torcedor da branca. E ainda não encontrei a explicação para a diferença nos preços. É certo que a camisa de jogo é mais justa, com outra modelagem e que isso provavelmente se deve ao elastano, mas não vi nenhuma diferença tão significativa no corte, nas costuras, nos acabamentos e demais detalhes que justifiquem esse salto de 60 reais entre um modelo e outro. Até me pareceu que a camisa de torcedor “veste melhor” do que a camisa de jogo. E na minha lembrança, esses modelos mais justos não costumam ficar bem em todos os atletas e não caem tanto no agrado dos compradores.
Acho que a torcida ainda guarda certo trauma das bizarrices da Puma, de maneira que parece importante que a camisa seja tradicional. Eu gosto das listras mais largas tanto quanto das listras mais finas (e da variação entre as temporadas) e me parece que a proporção entre as faixas azuis, pretas e brancas estão dentro do padrão dos uniformes mais importantes da história. Nesse aspecto não há o que se queixar do nova camisa titular. Contudo, eu não gostei muito de alguns detalhes na peça e tentarei explicar isso logo abaixo.

Sou um pouco implicante com o uso excessivo de dourado nos últimos uniformes do Grêmio. Não entendi porque o logo da Umbro foi bordado nessa cor no fardamento. Me parece que o conjunto ficaria melhor com o diamante e a palavra Umbro em branco e preto, tal como vem sendo usado nos demais clubes que tem contrato com a marca inglesa e como já foi “simulado” na internet.

Acho que o Banrisul está muito extenso e foi colocado muito embaixo. E acho mais a legal a fonte que a Umbro vem usando nos outros times do Brasil (resta saber como ficará no campo na questão de visibilidade). Não entendi porque o Banrisul faz parte do transfer nas costas e é “adesivado” na parte da frente. E igualmente não entendi porque o número é “adesivado” na camisa de torcedor.

E em geral eu esperava mais capricho e atenção aos detalhes. Sei que nunca se falou e prometeu nada da linha “Tailored by Umbro” mas ainda assim eu esperava algo mais sofisticado nesse lançamento. Não vejo na camisa do Grêmio o mesmo grau de refinamento que aparenta ter os últimos fardamentos que a Umbro fez para o Nacional de Montevideo.

Na Zero Hora, a colunista Fernanda Pandolfi escreveu que: “Uma turma de especialistas se reuniu para misturar o estilo de diferentes camisas “responsáveis” por trazer títulos ao time. O resultado foi a valorização do tradicional manto tricolor, na estética clássica, que trouxe como novidade a gola em “v”. Até um tanto retrô.”.  Eu tenho muita curiosidade em saber que são esses especialistas e como foi esse processo de mistura.

Acredito que para maioria dos torcedores essa camisa remete muito ao fardamento da Kappa que o Grêmio usou na conquista da Copa do Brasil 2001 (e na época a marca italiana também era gerenciada no Brasil pelo Grupo Dass)

Na comparação com o modelo de 2001 com o Banrisul podemos ver como ficou baixa a marca do patrocinador (muito embora muita coisa tenha mudado na questão de diagramação de patrocínio)

Por não ter gola polo, esse modelo de 2015 me lembrou o usado no fatídico ano do centenário tricolor.

Mas desde a primeira vez que vi essa nova camisa tricolor a achei muito parecida com a da Libertadores de 2014(muito embora o azul seja um pouco mais escuro). O desenho, a disposição das listras é tão semelhante que eu, que comprei o modelo da Topper em desconto alguns meses atrás, não vejo motivo para comprar o modelo tricolor da Umbro.

Gostei bem mais da camisa branca. Mas também não vi sentido no logo da Umbro em dourado. O Banrisul, embora também adesivado, parece estar mais bem posicionado e camisa parece vestir melhor. Achei bem legal a gola com botões escondidos (igual a do Everton). Gostaria de ver essa gola na tricolor. Mas com exceção desses botões, também não vejo muitos detalhes que poderiam acrescentar algo a camiseta. 
E com essa gola e punhos/barra da manga em azul, banrisul em preto e logo do fornecedor em dourado essa camisa me lembrou a que a Puma fez para o Grêmio na Libertadores de 2007 (foto abaixo)
Gostei dos detalhes da bandeira nos calções, mas não entendi muito a colocação daquela faixa azul no lado no calção preto. As duas listras a meia altura nas meia ficaram legais, embora seja bem parecidas com as de 2005 e com a camisa preta de 2012.

Não gostei muito dessa camisa do Marcelo Grohe. Essa combinação de listras pretas com cinzas me faz lembrar do Peter Shilton.
E por último eu achei bem legal essa estampa com triângulos das camisas de treino. A toda azul poderia tranquilamente ser uma camisa de jogo.

 

 

Preço das Camisas de 2005 a 2015

January 7, 2015
* Preço da camisa alternativa. A camisa de jogo custará R$ 299,90

O Grêmio anunciou que seus novos fardamentos da Umbro, que serão lançados amanhã, terãoduas modelagens diferentes para o manto tricolor: uma tradicional, padrão da Umbro no Brasil, e uma intitulada game, mais ajustada, para ser utilizada pelos atletas.
[…] 
A tradicional será vendida ao valor de R$239,90, já a game irá custar R$299,90. Sócios do Clube terão 10% de desconto além dos benefícios do programa de fidelidade do Grêmio, Goleada Tricolor
Sei que é tendência, mas como leigo/consumidor/colecionador de camisetas/peladeiro sou bem contrário a essa medida de dois tipos de fardamento, que julgo não ser tão bem sucedida em cases anteriores. Acredito que o torcedor queira comprar justamente o mesmo modelo que os atletas usam em campo. E a Umbro não ofereceu uma alternativa mais barata ao torcedor, e sim encareceu o equipamento usado pelos atletas.
Como se pode ver na tabela acima, o valor de R$ 239,90 de certo modo está acompanhando a evolução histórica dos preços das camisas nos seus anos de lançamento desde 2005 (e o valor corrigido dos 150 reais de 2005 pela calculadora do cidadão fica entre os R$ 235 e R$ 251). Contudo, o preço de R$ 299,00 que será cobrado pela camisa de jogo extrapola o razoável. Num cálculo grosseiro, esses trezentos reais de hoje corresponderiam a 180 reais em 2005 e 220 reais em 2010.