Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Copa do Brasil 2021 – Brasiliense 0x0 Grêmio

June 12, 2021

Foto: Alan Rones (Futura Press)

Mais um jogo marcado para o meio da tarde de um dia útil sem que nenhuma “autoridade” tenha dado uma justificativa para isso.

Eu acho legal quando o Grêmio joga com o calção branco, só não entendi porque essa combinação foi a escolhida para essa partida, visto que o Brasiliense também tem calção e meia em tom claro.

 

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

BRASILIENSE: Edson Sucuri; Diogo, Badhuga, Keynan, Peu; Lídio (Tobinha, 11’/2ºT), Sandy (Ballottelli, 38’/2ºT), Zotti; Peninha (Carlos Eduardo, 26’/2ºT), Luquinhas (Didira, 38’/2ºT), Zé Love (Vitor Rangel, 26’/2ºT).
Técnico: Vilson Tadei

GRÊMIO: Paulo Victor; Vanderson, Geromel, Kanneman e Cortez; Thiago Santos, Lucas Silva (Maicon, 30’/2), Jhonata Robert (Victor Bobsin, 41’/2ºT), Jean Pyerre (Luiz Fernando, 20’/2ºT) e Léo Chú (Ferreira, intervalo); Ricardinho (Diego Souza, intervalo)
Técnico: Tiago Nunes

Copa do Brasil 2021 –
Data: 10 de junho de 2021, quinta-feira, 15h30min
Local: Estádio Boca do Jacaré, em Brasília, DF)
Árbitro: Wanderson Alves de Sousa
Assistentes: Felipe Alan Costa de Oliveira e Ricardo Junio de Souza
Cartões Amarelos: Peu, Lídio, Diogo, Vílson Taddei, Luquinhas, Zotti e Zé Eduardo; Geromel
Cartão Vermelho: Zotti (Brasiliense)

Copa do Brasil 2021 – Grêmio 2×0 Brasiliense

June 4, 2021

Não encontrei nenhuma explicação para esse jogo ter sido marcado às 16h30min de uma quarta-feira. Suponho que tem a ver com o fato do Sportv não ter canais suficientes para transmitir todos jogos da Copa do Brasil e os play-offs da NBA à noite. De qualquer forma eu fico pasmo com a naturalidade que esses horários esdrúxulos são aceitos.

Fotos: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Grêmio 2×0 Brasiliense

GRÊMIO: Paulo Victor; Vanderson, Geromel, Kannemann, Cortez; Thiago Santos; Jhonata Robert (Guilherme Azevedo, 38’/2ºT), Lucas Silva (Victor Bobsin, 38’/2ºT), Jean Pyerre e Léo Chú (Léo Pereira, 25’/2ºT); Ricardinho (Churín, 25’/2ºT)
Técnico: Pedro Sotero (analista de desempenho)

BRASILIENSE: Edmar Sucuri; Diogo, Badhuga, Gustavo Henrique, Weverton Goduxo (Bolotelli, INT); Lídio, Sandy, Peninha (Jorge Henrique, 43’/2ºT); Didira (Zotti, 33’/2ºT), Zé Love (Romarinho, 33’/2ºT) e Luquinhas (Milton Júnior, 33’/2ºT)
Técnico: Vilson Taddei

Data: 02 de junho de 2021, quarta-feira, 16h30min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS
Árbitro: Alexandre Tavares de Jesus (RJ)
Assistentes: Michael Correia (RJ) e Carlos Henrique de Lima Filho (RJ)
Cartões amarelos: Vanderson, Lucas Silva e Jean Pyerre; Badhuga, Goduxo, Zé Love e Lídio
Gols: Ricardinho, aos 43 do 1º tempo e Jean Pyerre aos 3 do 2º tempo

Brasileirão 2021 – Ceará 3×2 Grêmio

May 31, 2021

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Essa foi a 18ª partida de estreia do Grêmio na história do Brasileirão por pontos corridos. Somente em sete ocasiões o Grêmio saiu com vitória na primeira rodada. Mais de 50% aproveitamento nas duas primeiras rodadas do Brasileirão por pontos corridos o Grêmio também só atingiu em 7 das suas 18 participações (sendo que 6 pontos nos dois primeiros jogos só conseguiu em 2017). Cabe lembrar, novamente, a lição de Guardiola sobre pontos corridos:  “As ligas são ganhas nas últimas oito rodadas, e são perdidas nas oito primeiras.”

Não consigo porque a Umbro não faz (ou ainda não fez) uma meia azul celeste para o Grêmio. E desconfio que alguém no Grêmio gosta muito dessa combinação de camisa e calções azuis com a meia branca. Eu não gosto. Acho é a pior alternativa para quando o adversário joga com calções e meias pretos (gosto mais do calção branco com meia azul e calção e meias brancos).

O VAR não ajudou muito no jogo de hoje. Em nenhum momento as imagens esclareceram por completo os lances. Não ficou claro que a bola não saiu no segundo gol do Grêmio. O VAR não exibiu nada que comprovasse que o árbitro cometeu um  “erro claro e óbvio” no pênalti marcado sobre Cortez e a legalidade da posição dos atletas do Ceará no terceiro gol também não ficou tão evidente.

Foto: Caio Rocha (FramePhoto/Gazeta Press)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio.net)

Ceará 3×2 Grêmio

CEARÁ: João Ricardo Vinicius Machado, INT);  Buiú, Messias, Gabriel Lacerda e Kelvyn;  Oliveira e Pedro Naressi (Charles, 30’/2ºT); Jorginho, Rick (Wendson, 47’/2ºT) e Saulo (Yony González, 26’/2ºT); Cléber (João Victor, 30’/2ºT)
Técnico: Guto Ferreira

GRÊMIO: Brenno; Vanderson, Geromel, Ruan, Diogo Barbosa (Cortez, INT), Thiago Santos e Lucas Silva (Jean Pyerre, INT);  Léo Pereira   Jhonata Robert, INT), Matheus Henrique e Léo Chú (Guilherme Azevedo, 47’/2ºT) ; Ricardinho

Técnico:  Evandro Fornari (auxiliar)

1ª Rodada – Brasileirão 2021
Data: 30 de maio de 2021, domingo, 16h00min
Local: Estádio Castelão, em Fortaleza, CE
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Daniel Henrique Andrade (DF) e José Reinaldo Jr. (DF)
VAR: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Messias, Buiú e Charles (Ceará); Thiago Santos, Geromel e Robert (Grêmio)
Gols Cléber, aos 35min, Rick, aos 41min, e Vanderson, aos 47min do 1º tempo; Ricardinho, aos 3min e Jorginho aos 48min do 2º tempo.

Gauchão 2021 – Inter 1×2 Grêmio

May 17, 2021

Foto: Diego Souza (Twitter)

Foto: Richard Dücker (@Ducker_Gremio)

 

Como a imensa maioria dos Gre-Nais, esse foi um jogo decidido nos detalhes. Matheus Henrique esteve envolvido em dois lances que poderiam ter mudado/mudaram a história da partida. No final do primeiro tempo ele perdeu um gol de um modo que não se pode perder em clássico. Mas não se abalou e ganhou a dividida e roubou a bola na origem do gol da virada do Grêmio.

Apesar da participação decisiva de Matheus Henrique e Lucas Silva o setor de meio de campo do Grêmio não funcionou tão bem (deu uma melhorada após a entrada de Darlan). Tiago Nunes vai ter que se acostumar com o fato de que, à exceção de Jean Pyerre, o Grêmio só tem jogadores de lado de campo ou volantes com bom passe. Faltam meias que joguem por dentro e se aproximem da área adversária.

Entendo que a Federação queira fazer ações para valorizar a final do campeonato, mas colocar um escudo do Inter na camisa do Grêmio (e vice-versa) passa de todos os limites. Os times não deveriam ter aceitado isso.

Foto: Ricardo Duarte (Inter)

 

Foto: Ricardo Duarte (Inter)

 

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Foto: Richard Dücker (@Ducker_Gremio)

Inter 1×2 Grêmio

INTER: Marcelo Lomba; Rodinei, Zé Gabriel (Lucas Ribeiro, 40’/2ºT), Víctor Cuesta e Moisés; Rodrigo Dourado, Edenilson, Nonato (Marcos Guilherme, 40’/2ºT); Mauricio (Caio Vidal, 22’/2ºT), Palacios (Yuri Alberto, 14’/2ºT) e Thiago Galhardo (Praxedes, 22’/2ºT)
Técnico: Miguel Ángel Ramírez

GRÊMIO: Brenno; Rafinha, Geromel, Ruan e Diogo Barbosa; Lucas Silva (Fernando Henrique, 35’/2ºT), Luiz Fernando (Léo Pereira, 17’/1ºT), Maicon (Darlan, 19’/2ºT), Matheus Henrique e Ferreira; Diego Souza (Ricardinho, 35’/2ºT)
Técnico: Tiago Nunes

Gauchão 2021 – Final – Jogo de Ida
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS
Data: 16 de maio de 2021, domingo, 16h00min
Árbitro: Anderson Daronco
Assistentes: Lúcio Flor e André Bittencourt
VAR: Adriano Milczvski (PR)
Cartões amarelos: Rodrigo Dourado; Léo Pereira, Rafinha, Ruan e Maicon
Gols: Thiago Galhardo, aos 26 minutos do 1º tempo, Diego Souza, aos 12min e Ricardinho, aos 42min do 2ºT

Gauchão 2021 – Semifinal – Jogo de Ida – Caxias 1×2 Grêmio

May 2, 2021

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Nesse jogo o Grêmio voltou a usar o calção da temporada passada.

Acho (só acho) que esse patch de Campeão Gaúcho ficaria melhor colocado na manga (o que é permitido pelo regulamento)

Foto: Diego Souza (Instagram)

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Caxias 1×2 Grêmio

CAXIAS: Marcelo Pitol; John Lennon, Guilherme Mattis, Thiago Sales e Bruno Ré; Juliano, Marlon (Matheuzinho, 22/2T); Gustavo Ramos, Felipe Tontini (Carlos Alberto, 12/2t) e Jhon Cley (Milla, 42/2T); Giovane Gomez.
Técnico: Rafael Lacerda

GRÊMIO: Brenno; Rafinha (Vanderson, 40/2ºT), Pedro Geromel, Ruan e Cortez; Thiago Santos (Lucas Silva, 25/2º) e Matheus Henrique (Maicon, 19/2º); Léo Pereira (Luiz Fernando, 19/2º), Jean Pyerre e Ferreira; Diego Souza (Churín, 40/2º)
Técnico: Tiago Nunes

Gauchão 2021 – Semifinal – Jogo de Ida
Data: 02 de maio de 2021, domingo, 19h00min
Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul, RS
Árbitro: Vinícius Gomes do Amaral
Assistente: Michael Stanislau e Luiza Naujorks Reis
VAR: Adriano Milczvski
Cartão Amarelo: Marcelo Pitol e Giovane Gomez; Geromel, Thiago Santos, Churín e Rafinha
Gols: Diego Souza, aos 22 minutos do 1º tempo e Marlon, aos 46 minutos do 1º tempo. Diego Souza (de pênalti) aos 38 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1981 – Semifinal – Jogo de Volta – Grêmio 0x1 Ponte Preta

April 26, 2021

Foto: Luiz Avila (Zero Hora)

Há exatos 40 anos se registrava, no  estádio Olímpico, o maior público presente da história do futebol gaúcho. Mais de 98 mil pessoas presenciaram a classificação do Grêmio as finais do Brasileirão 1981, perdendo por 1×0 para a Ponte Preta mas se valendo do bom resultado feito em Campinas no jogo de ida das semifinais.

Eu sempre achei bastante peculiar que esse público seja tão maior do que os demais registrados no Olímpico na década de 80. Há uma diferença de mais de 15% em relação ao segundo maior público pagante registrado na Azenha (74.238 pagantes no segundo jogo da final do Brasileirão de 1982). Lembro de, certa feita, ter visto o Antônio Augusto sustentar que essa diferença se deve ao fato de que para esse jogo foram exigidos dois ingressos para cada pessoa que decidisse ir na social como acompanhante de sócio. Não encontrei nenhuma evidência dessa exigência nos jornais da época, como pode ser visto no material transcrito abaixo (contudo, vi essa exigência no anúncio do preço dos ingressos da final da Libertadores de 1995).

Acho interessante também notar que o site oficial do Grêmio, bem como diversas outras páginas citam o número de 98.421 (85.751 pagantes) enquanto nos jornais da época é informado o público de 98.499 (85.721 pagantes).

 

Foto: Luiz Armando Vaz (Zero Hora)

Foto: Jurandir Silveira (Correio do Povo)

Foto: Manchete (Fonte: Acervo Histórico do Grêmio)

Foto: Nico Esteves (Placar)

 

O time de Tarciso – De León, Baltazar, China, Casemiro, Paulo Isidoro e companhia – poderia até perder por 1 a 0. Foi justamente o placar do embate com os paulistas. Apesar da derrota, a torcida comemorou fervorosamente a classificação para a decisão do campeonato. “Eu nunca tinha visto o Olímpico com torcedores tão empolgados. Foi uma loucura. Era um momento de busca por algo inédito, mas havia uma grande organização da torcida”, comenta Tarciso.

Para o ex-atacante, o tropeço em casa diante de quase 100 mil torcedores mudou a postura do time para a final contra o São Paulo: “A gente sabia que seria um jogo difícil. Só que o problema foi que a Ponte apareceu aqui com outro esquema de jogo. Nos enganaram e a gente demorou para entender como eles estavam jogando. Acabou que a Ponte nos empurrou para trás e conseguiu o gol. Acho que nos fechamos muito por causa da vantagem. Mas o erro ensina”.

E ensinou. Na decisão de 81, o Tricolor gaúcho não deu chances para os são-paulinos. O primeiro jogo no Olímpico terminou 2 a 1. No duelo de volta, outra vitória dos gremistas, agora por 1 a 0. “A derrota na semifinal foi muito importante, porque nos deu uma visão bem ampla do que precisaríamos para ser campeões. Não basta só querer, tem que jogar e ter vontade”, conclui Flecha Negra.” (Correio do  Povo – 27 de novembro de 2012)

Foto: Luiz Armando Vaz (Zero Hora)

 

 

 

“GRÊMIO PREVÊ RENDA DE Cr$ 11 milhões
Expectativa de 85 mil torcedores

 
Se os 75 mil ingressos forem vendidos, a renda de hoje no Olímpico deverá chegar aos Cr$ 11 milhões – um recorde no Rio Grande do Sul. Os dirigentes gremistas acreditam que o Olímpico receberá mais de 85 mil torcedores, pois os sócios pagam separado o seu ingresso e o dinheiro é repassado depois para o borderô da partida.

 
Os preços para o jogo de hoje forma aumentados em relação a outras partidas: mil cadeiras numeradas a Cr$ 300; 25 mil arquibancadas superiores a Cr$ 3000; 25 mil arquibancadas inferiores a Cr$ 70,00; 10 mil sociais a Cr$ 70,00; 5 mil menores a Cr$ 20,00. É certo que a maior parte dos ingressos já deve estar nas mãos de cambistas, e por isto mesmo bem mais caras. As bilheterias do Estádio Olímpico deverão abrir às 9 horas da manhã. A direção do Grêmio recebeu diversos pedidos de reservas de ingressos do interior do estado, o que deverá trazer alguma dificuldade para a compra hoje.” (Zero Hora, domingo, 26 de abril de 1981)

 

OS RECORDES DESTA TORCIDA
Maior público e renda no Rio Grande do Sul. E o público no Olímpico sofreu muito também

 
Foram 98.499 corações batendo apressadamente durante 90 minutos, vibrando com o Grêmio que perdeu por 1 a 0 para a Ponte Preta, mas garantindo a sua vaga na decisão da Taça de Ouro e na Libertadores. Foi uma torcida que sofreu deste o momento do gol de Osvaldo aos 20 minutos do primeiro tempo. Mas esta torcida bateu todos os recordes de público e renda no Rio Grande do Sul. Os ingressos um pouco mais caros resultaram num total de Cr$ 11.142.990,00 – e 85.721 foram quem pagaram ingressos; 12.778 não pagaram: eram menores de 12 que não pagam nada no Olímpico, pessoal de imprensa e convidados especiais do próprio Grêmio. […]” (Zero Hora, segunda-feira, 27 de abril de 1981)

 

 

Ruy Carlos Ostermann  – “DERROTA INSUFICIENTE

Um público maravilhoso, o maior que já pagou ingresso em Porto Alegre e o maior que já assistiu a um jogo — foram 12.721 que entraram com carteirinha, a serviço ou no bolo — teve de resignar-se com uma derrota do Grêmio para a Ponte. E teve de admitir a curiosa mas verdadeira ambigüidade: que a derrota não era suficiente e havia a classificação para a Libertadores depois dela e o direito de decidir com o São Paulo sexta no Olímpico e domingo no Morumbi. Por isto, na saída do estádio havia, no melhor exemplo que era o Patrono Fernando Kroeff, um rosto amargurado pela derrota quase anulando o sorriso e os olhos brilhantes motivados pela classificação.

Dizer-se que foi capricho de um campeonato mal planejado e erro: o Grêmio se classificou derrotado por 1 a 0 pela Ponte por força indiscutível do retrospecto melhor que conquistara no campo, nos jogos anteriores. Foi a vitória em Campinas, num jogo de surpresa e muita determinação, que permitiu a sobra de ontem, tão grande que nela coube esta derrota insuficiente.

  • • • •

Mas o Grêmio, pelo que jogou ontem, não ganharia o jogo para sua imensa e entusiasmada torcida: jogou mal, descontrolado, errado na maior parte do tempo, com erros técnicos e coletivos e muito descompassado. A Ponte jogou bem melhor do que fizera em Campinas. Tocou a bola, como sempre, aproximou seus principais ¡jogadores (Edson, Odirlei, Lola, Osvaldo, Humberto, Nenê, não pela ordem nem pelo lugar mas pela importância de cada um). No primeiro tempo avançou Osvaldo, juntou-o a Lola em cima de Newmar e De León e formou assim o Grêmio a atrasar China para a cobertura dos zagueiros de área; abriu-se um espaço dolorosamente grande entre China e seus dois companheiros, Paulo Isidoro e Vilson Tadei — era a área de manobra da Ponte.

O resultado de primeiro tempo, 1 a 0, foi correto, mas a incapacidade da Ponte em chegar a um gol mais também pareceu correta.

  • • • •

 Baltazar chutou uma vez só, Tarciso lambem só uma vez, o Grêmio no total chutou apenas 9 vezes em 90 minutos de jogo. Mas a Ponte, que precisava fazer ao menos dois gols, fez um, de cabeça, numa cobrança de falta da linha de fundo, e chutou menos ainda do que o Grêmio, sete vezes no total. Pouco, tão pouco que fazer gois, ontem, era tarefa duríssima para quem perdeu e para quem ganhou. A Ponte, que teve maior insistência, iniciativa e bola sob controle, insistiu — por força da característica dominante de seus jogadores que estavam na frente — no toque de bola mesmo na hora em que se exigia o chute.

Foi, inegavelmente, uma das vantagens materiais que o Grêmio teve a seu favor.

  • • • •

E ganha, agora, do São Paulo? Pois pode ganhar, se o Botafogo ganhou uma vez e ontem estava ganhando de 2 a 0 quando começou a perder num gol de pênalti do São Paulo. O futebol é uma atividade lógica: o São Paulo tem mais time do que qualquer outro time em atividade no pais este ano mas leva gols (três na decisão com o Botafogo) e pode continuar levando. No Olímpico ao menos.

O Grêmio terá de melhorar muito. Mas nem precisa porque ¡á está na Libertadores e agora tudo é vantagem.” (Ruy Carlos Ostermann, Zero Hora, segunda-feira, 27 de abril de 1981)

 

Foto: Correio do Povo

Foto: Correio do Povo

 

 

Foto: Antônio Pacheco (Zero Hora)

 

 

Grêmio 0x1 Ponte Preta

GRÊMIO: Leão; Uchôa, Newmar, De Léon e Casemiro; China, Paulo Isidoro, Vilson Tadei e Renato Sá (Jurandir); Tarciso e Baltazar.
Técnico: Ênio Andrade

PONTE PRETA: Carlos; Edson Boaro, Nenê Santana, Juinho Fonseca e Odirlei; Celso, Humberto, Osvaldo e Zé Mário; Serginho e Lola
Técnico: Jair Picerni

Brasileirão 1981 – Semifinal – Jogo de Volta
Data: 26 de abril de 1981, domingo, 17h00min
Local: Olímpico, Porto Alegre-RS;
Público: 98.499 (85.721 pagantes)
Renda: Cr$ 11.142.990,00
Árbitro: Maurílio José Santiago (MG)
Auxiliares: Alvimar Gaspar dos Reis e Edson Alcântara de Amorim
Cartão Amarelo: Odirlei (PP)
Gol: Osvaldo, aos 20 minutos do 1º tempo

Libertadores 2021 – Independiente Del Valle 2×1 Grêmio

April 11, 2021

 

Foto: Conmebol

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

Foto: Conmebol

Foto: Conmebol

O Grêmio não fez uma boa partida e levou a virada do Independiente Del Valle, mas a história do jogo poderia ser diferente caso não houvesse sido marcado um impedimento inexistente no que seria 2×0 no gol marcado por Ferreirinha.

Não compreendi muito bem o posicionamento de Ferreirinha. Ele atuou praticamente como um “assistente de lateral-esquerdo”, com isso o time ficou sem muita saída/desafogo pelo lado esquerdo.

Queria entender a razão do Grêmio ter abandonado a camisa celeste.

Foto: Lucas Uebel (Grêmio FBPA)

 

INDEPENDIENTE DEL VALLE: Moisés Ramirez; Segovia, Pacho, Schunke e Beder Caicedo; Pellerano (Brayan García aos 17’/2ºT), Faravelli,Christian Ortiz (Murillo aos 23’/2ºT) e Hurtado (Jhon Sánchez aos 23’/2ºT); Vite (Mera aos 30’/2ºT) e Montenegro (Escobar aos 30’/2ºT)
Técnico: Renato Paiva

GRÊMIO: Brenno; Diogo Barbosa, Ruan, Rodrigues e Felipe (Bruno Cortez aos 30’/2ºT); Lucas Silva (Fernando Henrique aos 17’/2ºT), Matheus Henrique e Pinares (Darlan aos 00’/2ºT); Ferreira, Alisson (Léo Chú aos 25’/2ºT) e Diego Souza (David Braz aos 16’/2ºT)
Técnico: Alexandre Mendes

Libertadores 2021 – Segunda Fase – Jogo de volta
Local: Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, Paraguai
Data: 09 de abril de 2021, sexta-feira, 19h15min
Árbitro: Néstor Pitana (ARG)
Assistentes: Mariana de Almeida (ARG) e Cristian Navarro (ARG).
Cartões amarelos: Vite, Mera e Segovia ; Rodrigues, Brenno e Ruan
Cartão vermelho: Ruan
Gol: Diego Souza, aos 8 minutos do 1º tempo; Faravelli, aos 7 minutos e aos 15 minutos (de pênalti) do 2º tempo

Brasileirão 1981 – 2ª Fase – 6ª Rodada – Grêmio 1×0 Inter de Limeira

April 5, 2021

Foto: Correio do Povo

 

Há exatos 40 anos o Grêmio enfrentava a Inter de Limeira pela última rodada da segunda fase do Brasileirão de 1981. O tricolor, precisando de um empate para se classificar às oitavas de final, venceu por 1×0, gol de Newmar, marcado logo aos 9 minutos de jogo.

 

Uma pequena nota publicada pela Zero Hora dá conta de que nessa partida ocorreu a estreia da torcida Explosão Azul,  “a nova torcida “gay” do Grêmio”. Pela única outra fonte que encontrei que mencionava tal torcida, parece ser um grupo formado por ex-integrantes da Coligay

Foto: Correio do Povo

Foto: Zero Hora

 

GRÊMIO CLASSIFICADO. AGORA É O VITÓRIA
1 a 0 foi bom, pois agora com dois empates o time segue no campeonato

Um empate era suficiente para o Grêmio, mas como a vitória favorecia aos interesses imediatos do Grêmio, o time lutou por ela e chegou lá com 1 a 0 gol de Newmar – logo aos nove minutos do primeiro tempo e vingou-se da derrota que sofreu a Inter em Limeira no turno anterior.

Com este resultado combinado com o  1 a 0 do São Paulo em Fortaleza, o Grêmio ficou em segundo lugar no seu grupo e agora disputará a próxima fase do Campeonato Brasileiro com o Vitória, numa melhor de quatro pontos. O primeiro jogo será quarta-feira, em Salvador, e a decisão neste fim de semana aqui no Olímpico.

O jogo de ontem foi engraçado. No seu início, o Grêmio precisando apenas empatar para se classificar tratava de vencer, enquanto a Inter, precisando da vitória, comportava-se em campo como se desejasse empatar. Razão: precisando de um ponto para se classificar, o Grêmio tratava de obter dois, com medo de ser surpreendido. Já a Inter, necessitando dos dois pontos, tentava chegar a ele com calma, procurando primeiro garantir um…

Mas a Inter, ao menos desta vez, esteve sem sorte nem teve força para resistir à pressão gremista do início do jogo. Não teve sorte porque sofreu um gol “chorado” de Newmar, ainda no começo de jogo, e não teve força porque o gol, mesmo inesperado, fazia justiça ao melhor time em campo, ao time que lutava pela vitória e que já havia criado ao menos duas boas oportunidades para consegui-la, até aquele momento: uma cabeçada de Heber, que o goleiro defendeu com dificuldade e um lançamento perfeito de Tadei, que Tarciso por muito pouco não alcançou em excelentes condições de concluir.

 

QUEDA E REAÇÃO

Depois do gol a partida não teve o mesmo desenvolvimento. Aos poucos o time paulista foi se arrumando, equilibrando o volume de jogo com seu adversário e até teve chance de chegar ao empate: aos 18 minutos, numa cobrança de falta de Marcão, o goleiro Leão teve de se esforçar muito para tocar a bola para escanteio e evitar a igualdade.

O Grêmio ainda no segundo tempo só teve de destacável uma conclusão de Casemiro, numa de suas rara subidas após tabelar com Heber.

No segundo tempo o andamento da partida não foi muito diferente da do primeiro tempo. O jogo prosseguiu monótono, desinteressante e com raros lances de área: um chute de Tadei por cima, uma jogada de Odair na área que a torcida reclamou pênalti e um lançamento perfeito de Heber a Tarciso, que o ponteiro não soube aproveitar.

Mas a culpa pela queda de nível do jogo não era apenas do Grêmio que estava garantido a classificação e que não desejava ser o primeiro colocado do seu grupo, para pegar um adversário mais frágil na fase seguinte da Taça de Ouro. A culpa era também da Inter, que em campo não correspondia ao cartaz que o antecedeu: precisando vencer, não conseguiu criar nenhuma oportunidade de gol.

Na parte final do segundo tempo o Grêmio, porém, pode dar um pouco mais de alegria à numerosa torcida que compareceu ao Olímpico. Isto porque sabendo que o São Paulo estava vencendo em Fortaleza, pode voltar a jogar para valer, com um show particular de Paulo Isidoro, e criar várias oportunidade de gols, numa demonstração de que tem mais futebol para apresentar nesta Taça de Ouro.

 

O PLACAR

NEWMAR para o Grêmio 1 a 0, aos nove minutos do primeiro tempo. A jogada iniciou com uma cobrança de escanteio pelo lado direito. A bola foi jogada para a área, o zagueiro Beto Lima teve pouco impulso para cabeceá-la e com isso permitiu que o zagueiro do Grêmio mesmo meio desequilibrado tocasse de cabeça para dentro do gol.” (Zero Hora,  segunda-feira, 6 de abril de 1981)

 

Foto: Zero Hora

 

[…] INTER de Limeira entrou por trás da goleira que fica a direita das sociais, se benzendo. E ali levou o gol de Newmar.

ÊNIO Andrade entrou em campo com a camisa oficial do Grêmio de número 14.

GRÊMIO entrou atrasado em campo e Leão ainda foi trocar de camisa, numa manobra clara para cuidar do jogo de Fortaleza e São Pauo, cujo resultado interessava no Olímpico.

EXPLOSÃO Azul é a nova torcida “gay” do Grêmio que estreou ontem, muito animada.” (Zero Hora, segunda-feira, 6 de abril de 1981, página 45)

 

Foto: Zero Hora

 

“OPINIÃO: Vitória justa do Grêmio, que marcou na pressão inicial e depois soube segurar o resultado graças ao bloqueio perfeito na meia-cancha onde Tóinzinho e Elói nunca tiveram espaço para jogar.” (Emanuel Mattos, Revista Placar, Edição n.º 569 – 10 de abril de 1981)

 

Foto: Zero Hora

Foto: Zero Hora

 

Grêmio 1 x 0 Inter de Limeira

GRÊMIO: Leão; Paulo Roberto (Dirceu 17 do 2ºT), Newmar, De Léon e Casemiro, China, Paulo Isidoro e Vilson Tadei; Tarciso, Héber e Odair
Técnico: Ênio Andrade

INTER-SP: Serginho, Suemar, Beto Lima, Bolívar e Donizetti; Celso (Tornado 14 do 2ºT), Toinzinho e Elói; Camargo, Marcão e Simões (Almir, 29 do 2ºT)
Técnico: João Francisco

2 ªFase – 6ª Rodada – Campeonato Brasileiro 1981
Data: 05 de abril de 1981
Local: Olímpico, Porto Alegre, RS
Público: 54.120 pagantes
Renda: Cr$ 6.315.160,00
Árbitro: Luís Carlos Felix – RJ
AuxiliaresCarlson Gracie e Cid Marival da Fonseca
Cartões Amarelos: Donizetti e China
Gol: Newmar aos 9 minutos do 1º tempo

Brasileirão 2020 – Grêmio 1×0 Athlético Paranaense

February 22, 2021

O Grêmio voltou a vencer na Arena, depois de quatro jogos sem resultado positivo em casa. O Grêmio voltou a usar a camisa celeste depois de mais de três meses da sua estreia (nesse meio tempo bem que a Umbro poderia ter “acertado” o tom da meia). Mas tudo isso só pode ser visto, aqui no Brasil, por um link pirata na internet)

 

Fotos: Lucas Uebel  (Grêmio FBPA) e Lucas Bubols (Globo Esporte)

Grêmio 1×0 Athlético Paranaense

GRÊMIO: Paulo Victor; Victor Ferraz, Paulo Miranda, Kannemann e Diogo Barbosa; Lucas Silva (David Braz, 37’/2ºT), Darlan (Thaciano, intervalo); Everton (Ferreira, intervalo), Isaque (Jean Pyerre, intervalo) e Pepê; Diego Souza (Churín, 29’/2ºT)
Técnico: Renato Portalupppi

ATHLETICO-PR: Santos; Jonathan (Khellven, 37’/2ºT), Pedro Henrique, Thiago Heleno e Abner; Richard, Christian, Léo Cittadini (Bissoli, 37’/2ºT); Jadson (Renato Kayzer, 23’/2ºT), Nikão e Carlos Eduardo (Vitinho, 23’/2ºT)
Técnico: Antônio Oliveira (interino)

37ª Rodada – Campeonato Brasileiro 2020
Data: 21 de fevereiro, domingo, 18h15min
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Assistentes: Guilherme Dias Camilo (MG) e Celso Luiz da Silva (MG)
VAR: Igor Junio Benevenuto de Oliveira (MG)
Cartões amarelos: Darlan, Ferreira e Lucas Silva; Nikão (Athletico-PR)
Cartões vermelhos: Thiago Heleno e Richard (Athletic
Gol: Thaciano, aos 31 minutos do 2º tempo

Brasileirão 1981 – Botafogo 2×3 Grêmio

February 7, 2021
zh 1981 botafogo b

Foto: Armênio Abascal (Zero Hora)

Há exatos 40 anos o Grêmio conseguiu sua primeira vitória fora de casa no Brasileirão de 1981, ao vencer Botafogo no Maracanã por 3×2, em jogo válido pela 7ª rodada da Primeira Fase. Um dos destaques daquela tarde foi Baltazar, autor dos três gols gremistas.

Outro jogador com atuação destacada nesse dia foi Vilson Tadei, que fez sua primeira partida como titular na competição (antes disso ele somente havia entrado no segundo tempo do jogo contra o Goiás)

Nessa etapa, 7 dos 10 times de cada grupo avançavam para a fase seguinte. O Botafogo, treinado por Paulinho de Almeida (que havia sido campeão gaúcho pelo Grêmio em 1980) avançou até as semifinais.

 

1981 botafogo tarciso china

Foto: Armênio Abascal (Zero Hora)

FALTOU FORÇA PARA O GRÊMIO GOLEAR
Daí, o Botafogo reagiu e quase chegou ao empate no segundo tempo

A reação do Botafogo, sábado, no Maracanã, foi sensacional, chegando a ameaçar uma “virada” no jogo após estar perdendo por diferença de três gols. Mas o Grêmio mereceu a vitória por 3 a 2 porque aproveitou melhor as chances de gols, e embora tenha tido o domínio de jogo apenas no primeiro tempo, conseguiu garantir sua vantagem. Os gols foram marcados por Baltazar (3) no primeiro tempo, descontando Mendonça (2) para o Botafogo na etapa final. Com este resultado o Grêmio isolou-se na vice-liderança do Grupo B, com dez pontos, apenas um de diferença da Portuguesa.

No primeiro tempo o Grêmio fez o que quis em capo, impondo um ritmo forte de jogo e marcando três gols, através de Baltazar. E só não fez mais porque parou de atacar. Logo no início, a um minuto, Tadei lançou Baltazar, às costas de Gaúcho. Ele dominou no peito mas concluiu mal de pé esquerdo. Aos quatro minutos Uchoa fez um gol, mas estava impedido. Aos dez minutos Baltazar transformou a vantagem do Grêmio em 1 a O. A equipe de Ênio Andrade tinha um bom ritmo de jogo, com Vilson Tadei destacando-se pela boa presença no meio-campo. Fez tabelas com Renato Sá e China, lançando os ponteiros e o centroavante. Rocha, Marcelo e Mendonça ficaram completamente perdidos.

O Botafogo assustou-se e tomou o segundo e o terceiro gol. A galera previa urna goleada incrível. A própria crônica carioca esperava isso com resignação, achando que o Grêmio realmente mostrava um bom esquema tático de proteção a defesa, a segurança de Hugo De Léon no combate a Miradinha e o bom trabalho do meio-de-campo, mais a vantagem de Tarciso e Baltazar sobre a confusa defesa do Botafogo: Gilmar, Zé Eduardo, Gaúcho e Serginho estavam apavorados.

Já no Intervalo Paulinho de Almeida pensou que seu time estava muito mal e fez a primeira mudança, com muito acerto: tirou Marcelo, lento e sem combatividade, colocando o habilidoso e esforçado Jérson. Mudou tudo e até Mendonça pode desenvolver seu futebol na frente.

Os erros do primeiro tempo foram corrigidos, com o time carioca marcando melhor no meio e jogando rápido pelas pontas Edson deu trabalho a Dirceu e Mendonça chegava perto da área. O Grêmio resolveu segurar o resultado num esquema de troca de passes e retardamento a Leão: teve o merecido, pois tomou dois gols, como poderia ter levado mais.

A torcida do Botafogo, depois da briga nas arquibancadas, vendo o time melhorar, passou ao incentivo e os jogadores de Paulinho reagiram. Tiveram boas chances mas o Grêmio estava em boa tarde, resistindo aos ataques no final. Paulinho ainda fez uma alteração, tirando Ziza e colocando Revelles na direita, passando Edson para a ponta-esquerda. Ênio tentou rebater, colocando Heber e Bonamigo no lugar de Baltazar e Odair, respectivamente. Para segurar o jogo.

O placar

BALTAZAR, para o Grêmio — 1 a 0 aos dez minutos do primeiro tempo. Dirceu cobrou uma falta pela intermediária do Botafogo, pelo lado esquerdo, passando a De León. O zagueiro chutou sem muita força mas a bola bateu no pé de Baltazar, desviando para o canto esquerdo do goleiro Paulo Sergio.

BALTAZAR, para o Grêmio 2 a 0 aos 16 minutos do primeiro tempo. Tarciso cobrou o escanteio pela ponta-esquerda, colocando na pequena área. O goleiro esperou pela ação da zaga, que ficou parada e Baltazar cabeceou sem multo esforço no canto direito.

BALTAZAR, para o Grêmio 3 a 0 — aos 23 minutos do primeiro tempo. Novamente o escanteio pela esquerda foi cobrado por Tarciso. Odair tocou de calcanhar para a área e Vantuir cabeceou para Zé Eduardo tirar parcialmente. China chutou a gol e a zaga rebateu. Baltazar acabou colocando para dentro do gol de pé direito.

MENDONÇA, para o Botafogo 3 a 1 se, aos 13 minutos do segundo tempo. De León fez falta em Mirandinha na intermediária, pelo lado esquerdo do Grêmio. Leão orientou a barreira, mas Mendonça cobrou por cobertura, com perfeição, colocando no canto direito do goleiro, sem chances.

MENDONÇA, para o Botafogo 3 a 2 aos 37 minutos do segundo tempo. Serginho fez um lançamento em diagonal para a área. Mendonça aparou no peito, passando a bola por sobre a cabeça de Dirceu e completando com um chute forte de pé direito, sem deixar a bola cair no chão.” (Julio Sortica, Zero Hora, Segunda-Feira, 9 de fevereiro de 1981)

1981 botafogo vilson tadei

Foto: Armênio Abascal (Zero Hora)

COTAÇÃO – TADEI GARANTE SEU LUGAR NO TIME
Ele armou, lançou e ainda deu cobertura para sua área, jogando um futebol de alto nível

Botafogo

PAULO SÉRGIO — Não teve culpa nos gols: foi enganado no primeiro e nos outros falha foi da zaga. Poderia ter orientado os companheiros. Nota 5

GILMAR — Reserva de Perivaldo, não se complicou porque Odair foi muito mal. Não apoiou no primeiro tempo e marcou mal. Melhorou na etapa final. Nota 5

ZÉ EDUARDO — Completamente errado no início, marcando mal, levando desvantagem com Baltazar. Recuperou-se no final, quando teve bom trabalho com Gaúcho. Nota5

GAÚCHO — Zagueiro alto, mostrou-se desatento, mal na marcação e bom no apoio. Perdeu lances para Baltazar na cabeça e só melhorou na etapa final. Nota 5

SERGINHO — Era um dos mais fracos da defesa e Tarciso aproveitou o nervosismo do garoto. Batido no início, recuperou-se no final. Nota 5

ROCHA — Foi envolvido por Vilson Tadei. Tem pouco senso de jogo, em termos de visão. Errou passes e perdeu a tranqüilidade. Melhorou no segundo tempo, colocando a bola no chão. Nota 5

MARCELO — Um trabalho de baixo nível no início, foi dominado por China e Tadei. Acabou substituído por Jérson. Nota 3

EDSON — Ponteiro rápido e habilidoso, deu muitos dribles em Dirceu. Mas falta objetividade no seu futebol. Nota 4

MIRANDINHA — Bom atacante, sabe driblar bem e chuta com os dois pés. Deu trabalho a Vantuir e De León. Por ser individualista, sumiu do jogo no final. Nota 3

ZIZA — Já não é mais o jogador do Passado. No início ficou isolado na esquerda e foi para o meio. Melhorou levemente mas não rendeu bem. Acabou substituído por Revelles. Nota 3

JERSON – Um dos melhores do time. Rápido, boa visão de jogo e muita mobilidade. Já está merecendo uma vaga no time titular. Responsável pela reação do Botafogo. Nota 7

REVELLES – Entrou no lugar de Ziza, jogou na direita mas não fez nada. Nota 3

Grêmio

LEÃO — Foi um dos destaques do time, principalmente no segundo tempo. Fez boas saídas aos pés dos atacantes, interceptou bem os cruzamentos e não teve culpa nos gols do Botafogo. Nota 7.

UCHOA — Está melhorando de rendimento. No primeiro tempo não tomou conhecimento de Ziza e apoiou bem. Nota7.

VANTUIR — Um excelente primeiro tempo, bem na antecipação, na cobertura e nas bolas altas. Na etapa final andou vacilando em alguns lances. Nota 6.

DE LEON — Com Tadei, o melhor do Grêmio no primeiro tempo. Dominou completamente Mirandinha e ainda partiu para o apoio, lançando e fazendo passes. Caiu na etapa final. Nota 6

DIRCEU — O pior da defesa, pois na etapa inicial foi bem (como todo o time), mesmo permitindo alguns cruzamentos de Edson. No final, perdeu lances individuais e errou na marcação. Nota 5.

CHINA — Do bom trabalho de bloqueio, passes e cobertura no primeiro tempo, passou a ser envolvido e precipitado na etapa final. Talvez tenha sido emoção. Nota 4.

RENATO SÁ – No esquema de Ênio ele tem que recuar e marcar. Preocupa-se demais com isso e esquece de ir ao ataque. Regular no primeiro tempo e mal no segundo. Nota 4.

TARCISO — Taticamente, o melhor do ataque. Dominou a Serginho fez bons cruzamentos e deslocou-se para o meio. Nota 7

BALTAZAR — Entusiasmou os cariocas com seu oportunismo, posicionamento e sorte. Marcou os três gols do Grêmio, no início. Bem marcado, passou trabalho. Saiu para Héber “prender” o jogo na frente. Nota. 8.

ODAIR — Está na pior fase da sua carreira no Grêmio. Confunde-se taticamente, indo muito pelo meio e esquecendo da ponta. Nota 3

HÉBER – Entrou no lugar de Baltazar aos 37 minutos e não pode mostrar nada. Sem nota.

BONAMIGO – Entrou aos 30 minutos no lugar de Odair e quase complicou sua defesa num lance. Nota 3.

Os melhores

VILSON Tadei, com seu futebol objetivo e rápido, mostrou que pode ganhar a condição de titular. Contra o Botafogo ele fez de tudo: armou jogadas, fez tabelas, lançou e esteve até na área, para cobertura e retardamento de bolas a Leão. Foi dono do jogo no primeiro tempo. Na etapa final acabou cansando para marcar o meio-campo adversário. Fora de ritmo, ainda assim teve fôlego para agüentar os 90 minutos. Nota 9

MENDONÇA, talvez o único grande jogador que o Botafogo possui no momento, fez por merecer o respeito da torcida. No início foi envolvido pelo bom trabalho do meio de campo do Grêmio. Ficou retraído e só foi ao ataque depois dos 30 minutos. Na etapa final, junto com Jérson, mandou no jogo. Cobrou uma falta com perfeição e mostrou excelente visão de jogo e deslocamento. Fez o segundo gol do seu time na reação da etapa final. Nota 8

Atuação do juiz
Nota: 8
O árbitro paulista José Assis de Aragão é multo visado pelos dirigentes e jogadores. No jogo de sábado à tarde, no Maracanã, no entanto, foi quase perfeito. Acompanhou os lances de perto, marcou bem as faltas e talvez tenha sido exagerado apenas ao mostrar cartão para Rocha, Mirandinha e De León. Apenas um erro ao aceitar a marcação do bandeira Carlson Gracie num impedimento de Baltazar. Bom o trabalho dos auxiliares Carlson Gracie e Mário Santos.” (Julio Sortica, Zero Hora, Segunda-Feira, 9 de fevereiro de 1981)

1981 botafogo de leon

Foto: Armênio Abascal (Zero Hora)

 

“ÊNIO MANTÉM A MESMA EQUIPE PARA DOMINGO
O treinador não muda o time que venceu Botafogo no sábado

Ênio gostou do time no primeiro tempo, mas no início da etapa final sentiu que o Botafogo havia se modificado e vinha modificado taticamente. O treinador concluiu que também deveria mexer na sua equipe e colocar jogadores descansados:

— O Botafogo colocou mais um jogador no ataque, tirando um do meio campo e reforçando sua força ofensiva. Isto perturbou nosso meio campo e com aquele gol de falta, eles ganharam mais motivação. Assim, eu tirei o Baltazar e coloquei o Heber, para não deixar os zagueiros do Botafogo saírem jogando, ele estava mais descansado que o Baltazar. Acho que no primeiro tempo dominamos bem o jogo e no segundo tempo o time meio que largou a bola. Acontece que com um resultado destes logo no início da partida, qualquer equipe fica morna, se desinteressa da movimentação, diminui a produção e acaba se perturbando. Mas, nosso objetivo é conseguir o primeiro lugar nesta chave. Veja só, temos no domingo o Brasília no Olímpico e quinta-feira o Operário, em Campo Grande, poderemos chegar aos 12 ou 14 pontos, o que poderá nos, dar a primeira colocação na chave B, e assim teremos vantagens nos próximos jogos.

O treinador reconheceu que o time todo diminuiu sua produção no segundo tempo, mas não chegou a se perturbar com isto. Para ele, fo. tudo uma reação natural:

— O time se desmotivou por causa do resultado. O importante é que eu gostei de tudo o que vi e não creio que haja modificação no time para o jogo do próximo domingo. Terei uma semana para pensar nisto, mas é quase certo que não farei alterações. Gostei desta equipe e vou escalar os mesmos jogadores contra o Brasília.” (Julio Sortica, Zero Hora, Segunda-Feira, 9 de fevereiro de 1981)

 

“TADEI SOUBE ESPERAR

Tadei esperou até ganhar um lugar no time, sem nunca reclamar. Treinava diariamente entre os reservas, só aguardando a chance que Ênio daria. Ela surgiu contra o Botafogo, no Maracanã e ele foi considerado como o melhor em campo:

— Todo o time foi bem, no primeiro tempo, mas no segundo houve uma acomodação. Conseguimos segurar o resultado e isto aí é importante. Claro que não poderíamos ter nos acomodado como aconteceu, mas são coisas de futebol e isto acontece. O importante é que ganhamos os dois pontos, garantimos nossa classificação e agora vamos lutar pelo primeiro lugar na chave. Eu soube esperar minha oportunidade, ela veio e se Deus quiser eu não sairei tão cedo. Tenho certeza que cumpri aquilo que o seu Ênio me pediu, mas reconheço que acabei cansando um pouco no segundo tempo. Isto se explica pois estou há muito sem jogar com a equipe principal. Com o tempo o entrosamento vai aumentando e poderei me adaptar em seguida com os titulares. Sei também que o time acomodou no segundo tempo, mas ainda bem que nos acordamos quase no final e conseguimos dar um sufoco no Botafogo.” (Julio Sortica, Zero Hora, Segunda-Feira, 9 de fevereiro de 1981)

 

BOTAFOGO REAGE TARDE: GRÊMIO VENCE COM 3 DE BALTAZAR

Depois do primeiro tempo em que (apresentou uma atuação totalmente falho no setor defensivo, quando tomou três gols, o Botafogo reagiu no segundo tempo, mas não conseguiu o empate e foi derrotado por 3 o 2 pelo Grêmio. Baltazar, com uma grande atuação, marcou os três gols no primeiro tempo. Mendonça fez os dois gols do time carioca. 

Para surpreso dos 17.161 torcedores que foram Estádio Mário Filho, o Grêmio começou jogando bem e dominando inteiramente o Botafogo. O time gaúcho encontrou uma defesa totalmente falha, fez o que quis e só não terminou com uma goleada no primeiro tempo por falto de sorte […]” (Jornal dos Sports, 08 de fevereiro de 1981)

BOTAFOGO ESCAPA DE SER GOLEADO PELO GRÊMIO

Depois de jogar de forma lamentável no primeiro tempo, quando se deixou envolver inteiramente pelo Grêmio — que chegou fácil aos 3 a 0 e ameaçou ganhar de goleada — o Botafogo, embora desordenadamente e mais na base do empenho, reagiu e acabou reduzindo o marcador para 3 a 2.

O Grêmio fez uno boa partida, sabendo aproveitar os erros gritantes da defesa do Botafogo e a inoperância de seu ataque que em todo o tempo, mesmo na fase de reação, não exigiu grande esforço de Leão, vencido nas duas únicas bolas, perigosas que foram a seu gol.  […]”  (Jornal do Brasil, 08 de fevereiro de 1981)

Placar: Se no primeiro tempo o jogo foi todo do Grêmio, que marcou em cima, no segundo o Botafogo melhorou muito chegando a ter oportunidade de empatar.” (Milton Costa Carvalho, Revista Placar, edição n.º 561, 13 de fevereiro de 1981)

GRÊMIO GANHA DO BOTA E INTER VOLTA A EMPATAR

Enquanto o Grêmio fez uma boa partida no Maracanã, vencendo o Botafogo por 3 a 2 e recuperando-se da derrota em São Paulo, o Internacional, no Beira-Rio voltou a decepcionar, empatando sem gols com o Bangu. E, por isso, a torcida colorado vaiou o time.

O Grêmio começou com um notável primeiro tempo. Com futebol rápido, jogadas organizadas com inteligência por Vilson Tadei e movimentação intensa de Baltazar e Tarciso, o tricolor inibiu o adversário. E, assim. surgiram os três gols de Baltazar.

No segundo tempo, porém, o Grêmio facilitou. Em decorrência, o Botafogo cresceu e marcou dois gols. Leão, Uchoa, Vantuir, De León, e Dirceu; China, Tadei e Renato: Tarciso, Baltazar (Éber) e Odair (Bonamigo) jogaram pelo Grêmio, no jogo que rendeu CrS 2.270.200.00.

Aqui, com os torcedores revoltados, Benitez, Carlos Alberto, Wagner, André, Minero (Bereta); Ademir, Jair, Galvão; Paulo Santos. Jones (Birra) e Mário Sérgio não conseguiram vencer o time carioca.

Nos resultados, a classificação automática da dupla, ontem.” (Correio do Povo, 08 de fevereiro de 1981)

1981 botafogo chamada guaiba1981 botafogo chamada gaucha

1981 botafogo gol bota

Foto: Armênio Abascal (Zero Hora)

Botafogo 2 x 3 Grêmio

BOTAFOGO: Paulo Sérgio; Gilmar, Zé Eduardo, Gaúcho e Serginho; Rocha, Mendonça e Marcelo Oliveira (Jérson, intervalo); Édson, Mirandinha e Ziza (Revelles, 17 do 2ºT)
Técnico: Paulinho de Almeida

GRÊMIO: Leão; Uchoa, Vantuir, De León e Dirceu; China, Vilson Tadei, e Renato Sá; Tarciso, Baltazar (Éber 37 do 2ºT) e Odair (Bonamigo 30 do 2ºT)
Técnico: Ênio Andrade

Brasileirão 1981  – 1ª Fase – Grupo B – 7ª Rodada
Data: 07 de fevereiro de 1981, sábado, 17h00min
Local: Estádio Maracanã, Rio de Janeiro
Público: 17.161 pagantes
Renda: Cr$ 2.270.200,00
Árbitro: José de Assis Aragão – SP
Auxiliares: Carlson Gracie e Mário Leite Santos
Cartões Amarelos: Rocha, De León e Mirandinha
Gols: Baltazar 10, 16 e 23 minutos do 1º tempo; Mendonça 13 e 37 do 2º