Archive for the ‘Uniformes’ Category

Camisa Preta 2015

December 6, 2015

 Eu já disse antes que não entendi muito bem o porque do lançamento dessa quarta camisa no penúltimo jogo da temporada. Acho que essa questão poderia ser mais claramente regulada pelo Grêmio, seguindo o modelo dos clubes ingleses (O Arsenal, por exemplo, garante que lançará no máximo 3 camisas por ano, e que elas serão usadas por uma temporada)
A camisa em si não me pareceu ter nada especial. Muito parecida com os modelos já usados pela Chapecoense em 2015 (listras fininhas no tronco e mangas “lisas”).
Quanto a parte das costas da camisa, repito a crítica que fiz em 2013: Todas as camisas pretas de jogo que o Grêmio já teve usaram o Banrisul em branco, seguido do número em azul e Tramontina em branco logo abaixo (ver imagem abaixo). Creio que uma certa variação seria bem vinda. 

Camisas 2014 – Tricolor e Branca

May 4, 2014

Creio que seja mais fácil começar pelas coisas que gostei/entendi desse lançamento da coleção 2014 das camisas do Grêmio. Achei bem legal a ideia de fazer o desfile de apresentação na Arena em um dia de jogo. Isso não só prestigia quem costuma ir a campo como também valoriza a esplanada do estádio, que é um espaço pra lá de subaproveitada.
De resto é difícil entender algumas questões que envolvem esse tema do material de esportivo:
– Por que a coleção da temporada é lançada somente no final de abril?
– Por que se espera a segunda rodada do brasileirão para estrear a camisa titular?
– Por que se divulga o lançamento de produtos que ainda não estão disponíveis pra venda, como a camisa branca o os fardamentos de treino?
– A tal da “venda no escuro” precisa ser repetida em todos os anos?
– Por que não é ofertada a camisa feminina na pré-venda de modo a atingir também as sócias?

Além disso, sou cada vez mais contrário a essa ideia de ter uma camisa titular para a Libertadores e outra para as demais competições. Creio que a camisa tricolor mereça alguma pompa, e me parece que o mais correto seria que ela fosse a mesma do primeiro ao último jogo da temporada. Do modo como é feito hoje o Grêmio chegar a usar três camisas tricolores num mesmo ano. Sem falar no fato de que lança uma camisa em fevereiro e outra em abril.
 

Não gostei muito da camisa tricolor. Acho que as listras brancas ficaram excessivamente finas. Se somar isso ao fato de que o Banrisul na frente esteja em preto, assim como os punhos e boa parte da gola, deixa o conjunto do fardamento com um excesso de tons negros.
Não gostei muito do detalhe em azul na parte da frente da gola, parece que o azul da listra “vazou” para lá. Acho que a ideia de usar preto no restante gola e nos punhos até poderia ser uma diferença interessante aos modelos anteriores, mas acabou remetendo um pouco ao uniforme de 2008. E acho que poderiam ter usado uma fonte nova para os números, visto que já terceira camisa titular com essa mesma fonte.
No site do Grêmio se afirma que o “modelo é inspirado no ano de 1928“. Por óbvio que o conceito de “inspirado” pode ser muito relativizado, mas acho que se a ideia era lembrar o primeiro fardamento tricolor a Topper poderia ter pensado num modelo com gola branca ou mesmo com cordão junto a gola (tal como fez a Uhlsport no Munchen 1860 ou a Puma para a seleção uruguaia)
Eu gostei bem mais da camisa branca. Gostei desse grafismo, me remete aos uniformes dos anos 90. Só acho que ele poderia seguir na parte de trás da camiseta, que mais uma vez acaba ficando um pouco sem graça. E esse desenho me lembrou mais da camisa branca de 1996 do que dos  “grafismos étnicos dos tradicionais Pampas gaúchosanunciados pela Topper.

Achei legais o restante da coleção, especialmente da camisa de goleiro, com essas listras em diversos tons de azul e outra em diversos tons de amarelo. Uma pena que ainda não estejam a venda.

 
 
 
 

Camisa Preta 2013

November 10, 2013

Já disse que não o maior fã da camisa preta do Grêmio, mas sei bem que ela faz grande sucesso com grande parte da torcida gremista.

Não entendi porque o Grêmio, mais uma vez, fez a chamada venda no escuro. Mais incompreensível era o fato de que a foto que estampava a notícia no site do clube deixava bem claro como seria a camisa.

Eu achei a camisa bonita. Contudo sempre acho que o terceiro fardamento é propício a inovações e alterações, e esse modelo é apenas uma variação de cores da camisa reserva (que é uma homenagem ao uniforme de 83, e naquela ano não havia camiseta preta). 
Um  detalhe que eu esperava que fosse modificado é a disposição dos patrocinadores e do número. Todas as camisas pretas de jogo que o Grêmio teve usaram o Banrisul em branco, seguido do número em azul e Tramontina em branco logo abaixo (ver imagem abaixo). Creio que uma certa variação seria bem vinda.

 
 

Protótipo das Camisas de 1998

September 3, 2013

Em 18 de fevereiro de 1998, Grêmio e Inter anunciaram o seu novo patrocinador, a Chevrolet, em uma cerimônia no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini. Depois de três anos, a dupla voltava a ter o mesmo patrocínio. O então diretor de Assuntos Corporativos e Exportação da General Motors do Brasil, José Carlos Pinheiro Neto, disse que: “Patrocinar apenas um clube seria um equívoco indesculpável”. Desde então os clubes sempre tiveram o mesmo patrocinador master.
Cada clube recebeu cerca de 7 milhões de Reais por um contrato de três anos. O lançamento em si teve uma curiosidade. O Inter estampou o símbolo da Chevrolet em seu uniforme modelo 1997, enquanto o Grêmio apresentou a marca no que parece ser um protótipo do uniforme de 1998.
O curioso é que essas camisas nunca foram usadas em jogo, e o fardamento gremista de 1998 só foi ser oficialmente lançado em 3 de março, véspera da estreia do clube na Libertadores daquele ano. Alguns detalhes foram alterados na versão final. Na camisa tricolor entrou o patrocínio do Corsa junto com o logo de Chevrolet (que passou a ser estampado num retângulo metade azul, metade preto). Já na camisa azul entrou apenas a inscrição Banco GM.

Como foi o lançamento dos uniformes em 1983?

June 17, 2013

O Grêmio lançou na semana passada o seu fardamento para atual temporada inspirado nos uniformes usados em 1983. Dessa vez o clube lançou a nova coleção na metade da temporada e decidiu revelar o uniforme em diversos pontos da cidade. E fica a dúvida: Como  foi o lançamento dos uniformes em 1983?
O time iniciou aquele ano com o uniforme da temporada passada (da Olympikus). A camisa tricolor da Adidas foi estreada em 4 de março, no empate em 1×1 com o Flamengo, pela Libertadores no Olímpico. Já o uniforme reserva foi usado pela primeira vez contra o Botafogo, em novo empate por um gol no Olímpico, no dia 16 de março, em jogo válido pelo Brasileirão daquele ano.

Contudo, a coleção completa só foi oficialmente lançada em 29 de março de 1983, num evento no Hotel Plaza São Rafael.

(Zero Hora – 29 de março de 1983)
“GRÊMIO RECEBE O NOVO UNIFORME

Com um coquetel, ontem à noite no Hotel Plaza São Rafael, foi apresentado o novo uniforme do Grêmio, da coleção da Adidas. Estiveram presentes, além de toda a direção do Grêmio, vários jogadores, entre eles De León e Tita, representantes de federações esportivas e imprensa. O presidente Fábio Koff entregou a Renê Rezende, representante da Adidas para a Região Sul, uma bandeira do Grêmio. Primeiro foi mostrada toda a coleção da Adidas incluindo sacolas, abrigos, fardamentos, toalhas e roupas esportivas. Ao final, ao som do hino do Grêmio, foi apresentado o novo fardamento do time.” (Folha da Tarde – 29 de março de 1983)

Osvaldo, César e Tita com a camisa de treino no estádio Olímpico

Espinosa em um treinamento

 Valdir Espinosa na social do Olímpico

De León em uma viagem do Grêmio em 1983

Newmar, Paulo César Magalhães e Tarciso no Olímpico

César em um treino de 1983

Camisas castelhanas

September 22, 2012

 Já disse em outras ocasiões que sou um defensor ardoroso da camisa celeste do Grêmio e acho que a camisa reserva que a Puma fez para a Libertadores de 2009 é o melhor fardamento branco já feito para o clube.

Assim sendo eu fiquei bem empolgado quando fiquei sabendo dessa coleção inspirada nos uniformes das seleções da Argentina e do Uruguai. De um modo geral eu achei as camisas bem legais.

 
Não há nenhuma grande novidade nelas. O corte/design e a fonte dos números é a mesma da camisa titular. O posicionamento dos patrocinadors, do distintivo e do logo da Topper também é bem  parecido. 
A camisa celeste tem uma marca d’água em V que lembra muita a camisa do Werder Bremen da temporada passada. E, por uma questão de gosto, eu gostaria de ver um algum detalhe em branco nesse uniforme azul (talvez na gola e punho), afinal de contas o time é tricolor e a seleção uruguaia tradicionalmente ostenta algum elemento branco no seu uniforme titular. Do jeito que está, a camisa se assemelha muito a reserva do Santos desse ano.

Acho legal que exista bastante oferta e que o torcedor tenha opção. Mas com esses o Grêmio chega a cinco uniformes lançados na temporada (sendo que dois são brancos). Qual o limite? Quantas vezes cada um deles vai ser usada pela equipe principal? Os times ingleses, como Arsenal, Chelsea e Liverpool deixam bem claro para os seus sócios/torcedores/consumidores a vida útil dos  fardamentos.
Outras críticas também podem ser feitas. Concordo que a referência aos vizinhos do Rio da Prata não precisava ser tão óbvia e direta. E não consigo entender porque se lança em setembro um produto que só vai estar disponível em 20 de outubro.
Mas é preciso repetir que achei as camisas bem bonitas. E talvez seja este o ponto mais importante.

Camisa preta 2012

August 21, 2012


Eu confesso que não sou um dos maiores entusiastas da idéia do Grêmio utilizar um uniforme reserva preto. Não me entusiasmei com a ideia da camisa shadow de 2005 (e suas versões posteriores). Não se trata de purismo, apenas uma predileção pela camisa celeste com uniforme reserva.
Contudo, entendo que existe uma demanda por uma camisa de jogo dessa cor. Achei que a idéia de uma linha toda preta poderia ser legal, muito embora não fosse um projeto muito original (Umbro fez para o Cosmos, Nike para a Seleção Brasileira). Mas não gostei do resultado final.

Achei que a camisa de jogo tem muito azul e branco para um uniforme que deveria ser todo preto. Eu teria optado/tentado por estampar os patrocinadores, fornecedores, números, nomes e distintivos em tons de cinza ou preto, tal como é a camisa de passeio (Com os devidos ajustes em função da visibilidade, é claro. A solução de colocar o número em azul e o restante das marcas em branco já foi usada na camisa azul marinho do ano passado e na minha opinião “quebra” com a idéia de uma camisa toda negra.

Também não entendi porque foram lançados mais um calção e mais uma meia preta. E não entendi o porque dos detalhes em azul e branco nos dois, uma vez que não guardam nenhuma relação com a camisa. A meia lembra muito a que a Puma fez para o Grêmio em 2005. E a fonte do número em remeteu fonte feita pela Puma para a Euro 2012 e da Reebok usada em 2006.

Enfim, não achei a camisa feia. Classificaria como “sem graça”. Não era o que eu esperava quando ouvi o conceito de “black project”.





Fornecedor em 1976. Hering? Rainha?

July 4, 2012

Nem sempre foi tão fácil identifcar quem era o fornecedor dos uniformes dos clubes de futebol. As marcas, via de regra, não eram estampadas nas camisetas. A partida da paradigmática parceria entre o Leeds United e a Admiral em 1973 é que houve uma significativa mudança nessa área.

No Grêmio, nas camisas feitas antes de 1980, é preciso consultar as etiquetas para descobrir quem era o fornecedor. Em razão disso, eu sempre achei que o fornecedor do Grêmio na década de 1970 era a Hering ou a Terres.

Pois, para minha supresa, ao pesquisar sobre o ano de 1976, eu descobri diversas fotos nas quais os jogadores aparecem em treinos com material da Rainha.

Nos meses de julho e agosto daquele ano, nos treinamentos o time por vezes usava material da Rainha e por vezes material da Hering (quando não usava dos dois no mesmo treinamento).

Tudo isso pode ser observado nas imagens que ilustram o post (que foram retiradas da Folha da Tarde e Zero Hora do período)

Uma curiosidade é que o representante de Rainha em Porto Alegre era Clóvis Haggsträm, que viria ser representante da Penalty e conselheiro do Grêmio.

Outro dado curioso é que a Rainha é uma marca da Alpargatas, que também é dona da Topper, atual fornecedora do Grêmio.

Sugestão – Uniforme de 1962

April 6, 2012

Em outubro do ano passado, eu sugeri ao marketing do Grêmio que os uniformes de 2012 poderiam homenagear a equipe de 1962, aproveitando os 50 anos da conquista da Taça Legalidade, da excursão européia e do título do chamado “Supercampeonato” Gaúcho.

A idéia foi bem recebida e a partir daí a Martina Schreiner e eu elaboramos uma análise dos uniformes daquela temporada e enviamos o material para o clube. O trabalho em questão pode ser visualizado abaixo:

Como vimos nessa semana, o uniforme de 1962 foi lembrado na atual camisa reserva. Como já disse, em termos gerais eu gostei dessa camisa branca de 2012, muito embora eu preferisse que as listras tivessem continuidade nas costas da camisa, tal como era usada há 50 anos atrás (como se vê na foto abaixo, aonde Gessi e Marino enfrentam o São José no Olímpico)

Penso da mesma forma em relação ao uniforme retrô lançado. Se é uma réplica, as listras também deveriam aparecer nas costas da camisa.

E me parece que faltou um pouco de atenção da Topper em relação aos detalhes desse modelo retrô. A ordem das listras da gola foi invertida, ficando diferente do que era usado na época (conforme se pode observar nas fotos abaixo).

Milton, Valério e Vieira

Elton e Airton

Camisa Branca 2012

April 3, 2012

Em termos gerais eu gostei do uniforme reserva do Grêmio para 2012. Talvez esse seja o desenho mais tradicional da camisa branca tricolor, e nesse modelo eu consigo sim ver uma clara referência a camisa usada em 1962.
E acho que a escolha de usar o distintivo e a listras acima do patrocinador, na altura do peito (tal como era em 1962 e como foi em 2005) funciona melhor de que estampar o patrocinador acima das listras (como foi em 1998)

Gostei da meia listrada e acho que ela funciona bem com todo fardamento.

Penso que as listras poderiam seguir na parte das costas da camisa, tal como era em 1962. A parte de trás ficou muito parecida com a camisa branca de 2011.


Fotos: Lucas Uebel (Grêmio Oficial) , e Leonardo Osmarin (GrêmioFotos)