Amistoso em 1948 – Grêmio 2×0 Estudiantes

by
1948 estudiantes foto 1

Sensacional defesa de Ogando, o consagrado arqueiro visitante, acossado por Hermes, que procura cabecear o balão” (Correio do Povo, 4 de março de 1948)

O primeiro encontro entre Grêmio e Estudiantes aconteceu em Porto Alegre, em março de 1948. No início daquela temporada a Federação Gaúcha de Futebol trouxe a equipe de La Plata para uma série de três amistosos na capital.

No primeiro deles, os argentinos empataram em 1 a 1 com o Cruzeiro na Timbaúva. O confronto com o Grêmio foi o segundo, disputado numa quarta-feira à noite no estádio do Cruzeiro (e não na Baixada, como aparece em algumas fontes).

O Grêmio venceu a partida por 2 a 0, com gols de Berocy e Pelado. O curioso é que os relatos da época revelam que o jogo teve muito pouco de “amistoso”. No evento mais bizarro da partida, Nelson Adams arremessou um LIMÃO em Hector Cerioni após receber uma falta deste. Depois disso, segundo o Jornal do Dia, houve um “Grosso Sururu”, no qual a torcida do Grêmio invadiu o campo para tentar agredir os atletas argentinos.

A diretoria do Estudiantes chegou a publicar uma nota nos jornais de Porto Alegre (que pode ser vista abaixo) lamentando o acontecido e chegou-se a cogitar o cancelamento do terceiro amistoso marcado, que seria disputado contra o Inter na Timbaúva. A solução encontrada pela Federação foi a de escalar Foguinho como árbitro.

Uma curiosidade reside no fato de que o Estudiantes tinha em seu ataque Beto Infante, que naquele mesmo ano teria “inventado” a jogada de letra/chaleira/rabona num jogo contra o Rosario Central.

1948 estudiantes foto 2

“Terminada a pugna, o povo invadiu o gramado, apupando os jogadores do Estudiantes – Vemos Ogando e Gagliardi, protegidos pela policia, quando se aproximavam do tunel, rumo ao vestiário” (Correio do Povo, 4 de março de 1948)

1948 estudiantes cp cronica

O GRÊMIO, EM ATUAÇÃO DE GALA, ABATEU, POR 2 A 0, O ESTUDIANTES DE LA PLATA
Flagrante a superioridade dos tricolores – Decepcionaram os visitantes, que abusaram de recursos ilícitos – Lamentáveis acidentes registraram-se ao terminar o cotejo

Brilhante e significativo triunfo obteve o glorioso Grêmio Porto Alegrense, na noite de ontem, ao abater na Colina Melancólica, pela contagem de 2×0 o conjunto argentino do Estudiantes de La Plata, um dos mais categorizados esquadrões f futebol platino

E o feito do consagrado clube da Baixada teve a aumentar o seu esplendor o fato de ser tido com a mais absoluta superioridade técnica, sem que os visitantes, em qualquer momento, pudessem obter qualquer vantagem territorial.

Lamentavelmente, cenas das mais desagradáveis desenrolaram-se dentro do gramado, produzidas, de maneira expressiva sem nenhum motivo ao menos aparente, pelos jogadores de Buenos Aires, os quais fizeram alarde de jogadas desleais, chegando a esbofetear e procurar machucar fisicamente vários elementos ao clube da baixada.

O revide dos agredidos fez com que, notadamente o 2º tempo transcorresse cheio de anormalidades, vendo-se o juiz obrigado a expulsar do campo o visitante Cerioni ao agredir o meia esquerda Marimba, que ficou estendido no solo.

O público, como é fácil de dilatar-se, acompanhou a atividade de revide dos gremistas e, ao terminar o cotejo, só a muito custo conseguiu a polícia não perecessem os players do Estudiantes a agressão física por parte dos populares exaltados, que haviam rompido os cordões de isolamento e invadido o gramado. A partida foi iniciada sob a condução de Artur Vilariño, apresentando-se os dois bandos com a seguinte constituição:

GRÊMIO – Julio; Clarel e Danton; Aurelio, Touguinha e Nelson Adams; Beroci, Hermes, Prego, Marimba e Pelado.

ESTUDIANTES – Ogando; Feretti (Guzman) e Violini; Garcerón, Villa (Romo) e Bouché, Gagliardi, Arbios (Reynoso), Infante, Cerioni e Pellegrina

Os primeiros minutos pertenceram aos visitantes, que incursionaram à área gremista, sem resultado.
Os tricolores reagiram e, aos 5 minutos, Hermes desferiu potente tijolaço, que Ogando desviou de soco, mandando a bola a escanteio.
O Grêmio continuou atacando, e quando decorriam 10 minutos, era aberto o score. Um corner, bem cobrado por Pelado, fez com que a esfera atingisse a área dos platinos, onde Beroci, em um lance rápido, mandou-a ao fundo das redes confiadas a Ogando.

Pouco depois, começaram os atos inamistosos, tendo, em certa ocasião, Marimba, sem a bola, recebido um sopapo, o que obrigou a interrupção da partida, a fim de ser socorrido.
Também Gagliardi, machucou-se. por volta do 35º minuto, sendo, igualmente atendido pelo massagista.
Com 1×0, terminou o 1. ° half-team, que transcorreu, quase inteiramente, favorável ao Grêmio, que comandou as jogadas e fez periclitar por várias vezes, a meta do Estudiantes.
Mal se iniciara a fase final e antes mesmo, que se escoasse o 1º minuto. Pelado recolheu a pelota e, sem demora, mandou ao goal, sem que Ogando conseguisse deter a sua violenta trajetória.

Desde então a partida perdeu o caráter amistoso, para se tornar um cenário de agressões condenáveis, em que os visitantes não, titubeavam em procurar jogar ilicitamente, vendo que, tecnicamente, nada conseguiriam frente na onze das três cores.
Julio, aos 5 minutos, numa saída do goal, chocou-se com Infante, sendo prontamente atendido.

Touguinha, aos 10 minutos acertou violenta canelada em Infante, sendo, como das demais vezes, a falta punida pelo arbitro.
Nelson Adams, ao se desfazer da bola, recebe, pelas costas, forte foul de Cerioni e atira-lhe, em resposta, no rosto, o pedaço de limão que tinha em seu poder.
Cerioni, aos 25 minutos, quis bancar o esperto e, com a mão, assinalou um goal, prontamente anulado.

Finalmente, o mesmo Cerioni voltou a agredir a Marimba, quando transcorriam 30 minutos dessa etapa, sendo imediatamente expulso do gramado, sob fortes protestos dos seus companheiros
Clarel, sentando-se sobre a bola, mereceu acerbas críticas.
Assim, em um ambiente de intensa agitação, a partida chegou a seu termo, com a espetacular vitória do clube dos Moinhos de Vento, pela contagem de 2×0.
Foi a mais justa possível vitória tricolor. Brilharam os defensores Baixada durante os 90 minutos regulamentares, usando e abusando de um entusiasmo e de uma força de vontade insuperáveis.
Com uma defesa coesa e que empregava a marcação de homem para homem com absoluta firmeza, os locais não deram tréguas aos dianteiros visitantes, ao mesmo tempo que o quinteto punha em constante polvorosa a retaguarda platina, mercê de infiltrações rápidas e fulminantes arremessos ao arco.
Não é justo destacar-se este ou aquele elemento do quadro vencedor, pois todos estiveram à altura do feito sensacional. Julio fez boas defesas e somente irritou o público e o adversário ao fazer urna daquelas “cêras” a que está habituado; Clarel e Danton portaram-se muito bem, notadamente o último, que, este ano, vem se firmando, de jogo para jogo, como um zagueiro seguro e de recursos; a linha media teve em Touguinha o cérebro e o coração, enquanto Aurelio, na direita, fez ótima partida, e Nelson Adams deu conta da marcação de que fôra incumbido.

Quanto ao ataque, Beroci, Hermes, Prego, Marimba e Pelado trabalharam exaustivamente, não temendo a valentia dos defensores do Estudiantes, que tudo envidavam para evitar, por bem ou por mal, que o “baile” decorresse com a animação desejada…

O esquadrão do Estudiantes voltou a mostrar as mesmas virtudes e as mesmas falhas notadas no match de domingo, frente ao Cruzeiro. Possuem os seus craques inteiro domínio da bola. Tramam com perfeição. Deslocam-se com incrível facilidade. Brindam o público com bonito espetáculo, quando se acham no meio da cancha. Desde, porém, que entram na grande área e têm o goal à sua feição, pecam pela falta de positividade, deixando de aproveitar excelentes oportunidades para atirar à meta.

Ogando, Ferretti, Víolini, Villa, Arbios, Garceron e Cerioni foram os que mais se destacaram, trabalhando muito, a fim de interromper o permanente envolvimento em que os gremistas mantinham o onze visitantes.

— :o: —

Dirigiu a pugna o juiz Artur Vilariño, que teve uma atuação regular, bastante dificultada pela atuação indisciplinar de alguns elementos.
Andou ele acertado na expulsão de Ceriani, assim como puniu diversas faltas com absoluta precisão, embora, principalmente no 2.° tempo, deixasse outras, não menos graves, passar em brancas nuvens.

Antes de ser começado o jogo, houve, no centro do campo, a tradicional troca de gentilezas, abrilhantada pela garrula legião do Departamento Feminino do Grêmio,.
Os jogadores locais foram festivamente saudados, ao espoucar de rojões, acompanhados de fogos de artificio e confetis.

— :o: —

A renda foi muito boa, levando-se em conta o tempo ameaçador.
Cr$ 80.214,00 passaram pelas bilheterias, assim discriminados: 139 cadeiras — 9.730,00; 665 pavilhões 13.300,00; 69 meio pavilhões — 690,00; 3.357 gerais — 50.335,00; 877 meias gerais — 6.139,00.
Pagaram entrada. 5.107 pessoas e entraram gratuitamente 1.589, o que dá uma assistência total de 6.696 espectadores.

— :o: —

Na preliminar, o Fiateci venceu o Partenoense, por 3×1.” (Correio do Povo – 4 de março de 1948)

1948 estudiantes 3

ESPETACULAR VITÓRIA DO GRÊMIO SÔBRE O ESTUDIANTES DE LA PLATA
2 a 0 o resultado do embate internacional de ontem a noite – Beroci e Pelado os goleadores – O embate foi entrecortado de lamentáveis incidentes

Frente ao Grêmio Porto Alegrense, desobrigou-se, ontem à noite, do seu segundo compromisso em campos porto-alegrenses, o esquadrão do Estudiantes de La Plata, de Buenos Aires. O embate vinha sendo aguardado com relativa ansiedade, já que, o onze portenho, em seu jogo de estreia, nada havia apresentado capaz de impressionar. Acreditava-se que os visitantes, em seu segundo compromisso, confirmassem plenamente o cartaz com que aqui se apresentaram. Entretanto, tal não sucedeu, pois o onze preparado pelo veterano Zozaya voltou a exibir-se da mesma maneira como o fez domingo último. Todos os integrantes da equipe tem bom domínio de bola e exibem um futebol bastante vistoso porém, pouco prático, no que tange às conclusões, pois os cinco forwards prendem demasiado o couro e, não raro, perdem boas oportunidades de marcar, preocupando-se demasiadamente com o jogo para a assistência. Na noite de ontem ficou plenamente confirmado que o onze visitante nada exibe de extraordinário, como aliás já havíamos afirmado em comentários anteriores.

Enquanto isso o onze do Grêmio Porto-Alegrense, embora por vezes tecnicamente inferior, portou-se de um modo mais positivo, exibindo um futebol mais prático, resultando, daí colher expressivo triunfo pela contagem de 2 a 0. Não se pode afirmar que o onze preparado pelo <> Otto Pedro Bumbell tenha feito uma exibição de gala, entretanto, soube melhor a aproveitar as oportunidades, além do que sua dianteira mostrou-se sempre mais expedita, dando insano trabalho ao trio final portenho. Com o extraordinário feito de ontem, reabilitou-se o onze tricolor do seu insucesso frente ao Nacional
As duas equipes apresentaram-se assim constituídas: Grêmio: Julio: Clarel e Danton; Aurelio. Touguinha e Nelson Adams: Hermes, Prego. Marimba e Pelado.
Estudiantes de La Plata: Ogando; Ferrari (Gusman) Violini; Garceron. Vila (Romo) e Bouchet; Gagliardo,Cerioni (Arbios e novamente Cerioni), Infante, Reinoso e Pelegrina.
Os tentos do Grêmio foram assinalados na seguinte ordem: o primeiro surgiu aos 8 minutos da fase Inicial e foi de autoria do ponteiro Beroci, aproveitando uma salda em falso do arqueiro Ogando. Coube a Pelado assinalar o segundo tento, quando apenas decorriam dois minutos da fase complementar, ao receber esplendido passe de Marimba, na bucha.

A arbitragem esteve a cargo de Artur Vilariño, o popular Espanha. O desempenho de s. s., embora não possa ser classificado de bom, não foi porém de modo a desagradar. Cometeu algumas faltas, é bem verdade, porém todas de pouca monta. O que é certo, é que é que o prélio se desenvolveu de um modo irregular, o que dificultou em muito o seu trabalho.
Não se deve, porém, pretender culpa-lo dos graves acontecimentos que se verificaram pouco antes de finalizar a pugna.

O embate preliminar esteve a cargo das equipes do Partenoense e do Fiateci, vencendo este pela contagem de 3 a 1, num jogo bastante movimentado
A renda apurada foi de Cr$ 80.214,00 considerada boa, se for levado em conta que o tempo esteve bastante ameaçador.
Lamentavelmente o embate de ontem à noite não teve a orna-lo, o mesmo nível disciplinar do embate de estreia frente ao Cruzeiro. Sem que se saiba porque, os nossos visitantes, em seu jogo de ontem, frente ao Grêmio Porto-Alegrense, excederam-se no jogo desleal, nas reclamações ao árbitro, estas, em sua maioria, descabidas, e nos gestos anti-desportivos, que culminaram com os graves acontecimentos que se verificaram, quando faltavam apenas dois ou três minutos para finalizar a contenda. Já vinham os companheiros de Ogando tendo unia conduta pouco elogiável, a ponto de, aos 27 minutos da fase derradeira ser expulso do gramado o atacante Cerioni, após agredir Marimba. Anteriormente já se haviam registrado faltas mais ou menos do mesmo quilate, o que fez com que os ânimos, aos poucos, se fossem exaltando, até que, nos instantes derradeiros, um defensor do Estudiantes, após receber falta de Nelson Adams agrediu a este médio da equipe do Grêmio Porto Alegrense, nascendo daí um grosso sururu que teria sido de consequências lamentáveis, não fosse a pronta intervenção da força policial que fez todo o possível para garantir ai integridade física dos jogadores argentinos. É deveras deplorável que os nossos visitantes, em seu segundo jogo, não houvessem sabido manter a necessária serenidade, imprescindível em embates de tal natureza.
 ” (Jornal do Dia, 4 de março de 1948)

1948 estudiantes cp previa

1948 estudiantes foto 31948 estudiantes foto 51948 estudiantes foto 4

Grêmio 2×0 Estudiantes

GRÊMIO: Julio; Clarel e Danton; Aurelio, Touguinha e Nelson Adams; Beroci, Hermes, Prego, Marimba e Pelado
Técnico:  Pedro Otto Bumbel

ESTUDIANTES: Ogando; Feretti (Guzman) e Juan Carlos Violini; Garcerón, Villa (Romo) e Alberto Bouché, Gagliardo, Arbios (Reynoso), Beto Infante, Hector Cerioni e Pellegrina
Técnico: Alberto Zozaya

Amistoso em 1948
Data: 03 de março de 1948, quarta-feira, 21h00min
Local: Estádio da Montanha (Colina Melancólica)
Público: 6.696 (5.107 pagantes)
Renda: Cr$ 80.214,00
Juiz: Artur Vilariño
Auxiliares: Oziel Hugo de Freitas e Rafael Mastrascusa
Expulsão: Cerioni
Gols: Beroci, aos 10 minutos do primeiro tempo e Pelado, no 1º minuto do segundo tempo

Advertisements

One Response to “Amistoso em 1948 – Grêmio 2×0 Estudiantes”

  1. Confrontos entre Grêmio e Estudiantes em Porto Alegre | Grêmio1983 Says:

    […] Amistoso em 1948 – Grêmio 2×0 Estudiantes – Público: 6.696 (5.107 pagantes) Amistoso em 1952 – Grêmio 1×1 Estudiantes – Público: 8.020 pessoas Libertadores de 1983 – Grêmio 2×1 Estudiantes – Público: 24.544 pagantes Supercopa 1989 – Grêmio 0x1 Estudiantes – Público: 14.040 pagantes Supercopa 1990 – Grêmio 1×0 Estudiantes – Público: 15.103 pagantes Supercopa 1997 – Grêmio 3×2 Estudiantes – Público: 4.114 pagantes […]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: