Brasileirão 1983 – Sport Recife 2×2 Grêmio

by

Foto: Zero Hora/Diário de Pernambuco

No Brasileirão de 1983, o Grêmio empatou em 2×2 com o Sport em Recife. O gol de empate, sofrido no último minuto da partida, saiu caro para o tricolor, que após uma surpreendente derrota para a Ferroviária de Araraquara na última rodada, terminou a fase em 3º lugar, empatado em pontos com os classificados Sport e São Paulo, mas atrás pelo número de vitórias.

 

Foto: Zero Hora/Diário de Pernambuco

GRÊMIO JOGOU MAL, MAS O RESULTADO FOI MUITO BOM
Empate no Recife traz a classificação para dentro do Olímpico

O empate em 2 a 2 de Recife foi valioso, mas o ponto ganho não deve apagar a atuação insatisfatória do Grêmio. Outra vez, o time saiu atrás, tomando um gol logo de inicio, chegou a virar o resultado até o último minuto quando Leandro fez pênalti e o Sport empatou. Uma atuação com falhas individuais, que deverão ser corrigidas imediatamente para enfrentar o São Paulo, domingo, em Porto Alegre. Este empate transfere a responsabilidade da classificação para o Olímpico, pois agora tem apenas uma partida fora, contra o próprio São Paulo.

O empate do primeiro tempo até que saiu “barato” para o tamanho das deficiências apresentadas pelo Grêmio. Não apenas pelo Impacto do gol sofrido logo aos três minutos de jogo, mas pela movimentação do setor de meio de campo do Sport que se ¡untou a Denó, mais a frente, e por ali armou repetidas confusões na área gremista. Especialmente quando as combinações de toques rápidos dos pernambucanos envolviam com relativa facilidade a Silmar e, por conseqüência Leandro que saia em sua cobertura. Os dois foram os piores. China mal pegava a bola e já tinha ao menos três adversários dispostos a roubar o lance e dali armar contra ataque em tabelas velozes. Tonho mal aparecia, Osvaldo pouco ou quase nada produzia e, assim, a sobrecarga ficou em China e De León. E para matar as combinações na origem, Leandro saía da área na antecipação, quase sempre sem sucesso e sem condições de parar os toques curtos e rápidos do Sport.

Silmar sofreu com Joãozinho. Pelo seu lado, o ponteiro levou vantagens na velocidade e no drible de linha de fundo. A jogada do gol do Sport partiu de combinações com o ponteiro, e no lance toda a defesa foi envolvida, numa seqüência de falhas. Tarciso se lesionou e entrou Renato e o lance do pênalti marcado sobre Tita foi o único de perigo no primeiro tempo. Há dúvida sobre a sinalização de Vilson Carlos dos Santos, pois o Sport reclama que Betão fez falta em Tita quando a bola já tinha saído de campo.

O Grêmio voltou mais seguro, mais consistente a frente da zaga, até porque Tonho se movimentou como não tinha feito no início. E o Sport também não retornou com o mesmo fôlego, a sua melhor arma, o meio de campo, já não produzia o mesmo, tanto que Edson foi substituído em seguida. Renato, que até então tentava jogadas individuais, finalmente foi o responsável pelo lance mais brilhante numa partida de escassa qualidade técnica, quando passou por Antenor e cruzou encobrindo o goleiro País. Caio finalizou de cabeça. O jogo parecia definido a favor do Grêmio, mas o Sport insistiu e Leandro – em outro vacilo da defesa — fez pênalti indiscutível em Joãozinho. Carrasco cobrou à última hora e empatou. O juiz Vilson Carlos dos Santos foi irregular, o pênalti a favor do Grêmio foi discutível e deixou de dar faltas visíveis.”(Zero Hora, quinta-feira, 14 de abril de 1983)

O PLACAR

JOÃO CARLOS para Sport, 1 a O, aos 3 minutos do primeiro tempo: Partiu da habilidade do ponteiro Joãozinho que combinou com Denó, recebendo a bola às costas de Silmar. Daí em diante Leandro, China, De León, Remi e Casemiro foram envolvidos enquanto a bola sobrava para o outro lado onde João Carlos marcava sozinho.

TITA para o Grêmio, 1 a 1, aos n minutos do primeiro tempo: Tita recebeu lançamento na entrada da grande área, avançou até a linha de fundo quando recebeu realmente a falta de Betão — mas a bola já havia saído de campo, isto é, estava fora de jogo, quando ocorreu a falta. Vilson Carlos marcou e Tita cobrou para empatar no mesmo canto que País se atirou.

CAIO para o Grémio, 2 a 1, aos 25 minutos do segundo tempo: Renato, como de costume, tentava mais uma jogada individual e de linha de fundo, um dois dribles e cruzou, encobrindo o goleiro Pais, adiantado no lance, sem condições de defender a bota colocada do Ponteiro. Caio entrou na linha do gol e marcou de cabeça.

CARRASCO para o Sport, 2 a 2, aos 45 minutos do Segundo tempo: Um lance tranquilo, sem a menor dúvida: Joãozinho avançou com bola dominada sobre Leandro: Passou pelo zagueiro e ficaria a frente de Remi mas Leandro o derrubou na tentativa de lhe tirar a bala. Carrasco cobrou sem chances para Remi” (Zero Hora, quinta-feira, 14 de abril de 1983)

 

OPINIÃO: O Sport atacou mais até mesmo no segundo tempo, quando o Grêmio reagiu.” (Lenivaldo Aragão, Placar, n.º 674, 22 de abril de 1983)

 

SPORT EMPATA E AINDA LIDERA

O empate de 2×2, ontem à noite, não era aquilo que Pernambuco queria. O Sport não soube segurar uma vitória que parecia fácil quando, com menos de cinco minutos de jogo, estabeleceu a vantagem. Cedeu ao empate com uma penalidade máxima desnecessária, e mesmo com 1×1, a supremacia ainda era dos pernambucanos, mas o Grêmio soube impor sua categoria e ganhou a parada até os 44 minutos. Aí Joãozinho, novamente ele, arranjou a penalidade.

Na verdade, Sport 1×2 Grêmio, não foi justo pelo que o tricampeão pernambucano apresentou durante o primeiro tempo e cerca de 15 minutos da fase final, mas pelo menos serviu para justificar aquilo que todos sabem há anos sobre o futebol: quem não faz, leva. E foi o que aconteceu, ontem á noite, no Colosso do Arruda, até que Carrasco, de penalidade máxima, decretou o empate de 2×2.

GRANDE RENDA

Na realidade os 43.321 espectadores, que proporcionaram sensacional renda de Cr$ 18 milhões, 156 mil e 100 cruzeiros, esperavam algo melhor do time pernambucano, e no novo recorde de arrecadação o melhor seria o Sport premiar sua torcida com uma grande vitória. Mas não deu certo. De qualquer maneira, fica o consolo de que o time de Pernambuco, ainda está no páreo para alcançar a classificação, com o empate obtido nos minutos finais, mantendo-se na liderança da sua chave.

A torcida rubro-negra, antes muito eufórica, deixou o estádio José do Rego Maciel ainda entusiasmada, sem querer acreditar que sua equipe não soubera ganhar do Grêmio, depois de espelhar uma superioridade a toda prova.

OS GOLS

O primeiro gol surgiu aos quatro minutos de jogo, numa jogada onde João Carlos, com sua fome e seu faro, conseguiu acertar o caminho das redes. E aquele tento, ainda no começo da partida, dava a impressão de que a vitória seria fácil. O primeiro empate veio aos 23 minutos, numa penalidade máxima, com Tita convertendo uma jogada onde ele mesmo, sem necessidade, foi aterrado por Betão.

Na fase final, aos 23 minutos, o Grêmio ficou na vantagem, com um gol de Caio. Aos 44 minutos, quando tudo parecia crer que o Sport seria derrotado, eis que Joãozinho sofreu uma penalidade máxima e Carrasco, com categoria, decretou o empate definitivo: 2×2.

O Sport alinhou com País; Betão, Marião, Bianchi e Antenor; Merica, Carrasco e Edson (Roberto); João Carlos (Jorge Campos), Denô e Joãozinho.

O Grêmio, com Remy; Silmar, Leandro, De Leon e Casemiro; China, Osvaldo e Tita; Tarciso (Renato), Caio e Tonho (Bonamigo).

Arbitragem de Wilson Carlos dos Santos, com péssima atuação. Os auxiliares foram Rubens de Souza Carvalho e o pernambucano Ivanildo Sales, que substituiu a Luís Barbosa, que chegou, atrasado.” (Diário de Pernambuco, quinta-feira, 14 de abril de 1983)

Foto: Zero Hora/Diário de Pernambuco

Sport Recife 2×2 Grêmio

SPORT: País, Betão, Marião, Bianchi e Antenor; Merica, Wilson Carrasco e Édson (Roberto Cearense, 29 do 2º); João Carlos (Jorge Campos, 15 do 2º), Denô e Joãozinho
Técnico: Givanildo Oliveira

GRÊMIO: Remi, Silmar, Leandro, De León e Casemiro; China, Osvaldo e Tita; Tarciso (Renato Portaluppi, 17 do 1º), Caio e Tonho (Bonamigo, 35 do 2º)
Técnico: Valdir Espinosa

Campeonato Brasileiro – Taça de Ouro – 3ª Fase – Grupo S – 2ª Rodada
Data: 13 de Abril de 1983, quarta-feira, 21h30min
Local: Arruda, em Recife-PE
Árbitro: Wilson Carlos dos Santos (RJ)
Auxiliares: Rubem S. Carvalho e Ivanildo Sales
Público: 43.321
Renda: Cr$ 18.156.100,00
Cartões Amarelos: Édson, João Carlos, De León e Tonho.
Gols: João Carlos aos 3 minutos e Tita (de pênalti) 25 minutos do 1º Tempo; Caio 26 e Wilson Carrasco (de pênalti) 45 do 2º Tempo

One Response to “Brasileirão 1983 – Sport Recife 2×2 Grêmio”

  1. Retrospectiva do Blog em 2020 | Grêmio1983 Says:

    […] Brasileirão 1983 – Sport Recife 2×2 Grêmio […]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: