Libertadores 1995 – Grêmio 5×0 Palmeiras

by

Em 26 de julho de 1995 o Grêmio conseguiu uma das suas maiores vitórias na Copa Libertadores, ao golear o Palmeiras por 5×0 no Olímpico.

O dado curioso dessa partida é que nela foi registrado o menor público (16.136 presentes, 12.547 pagantes) do Grêmio jogando em casa em partidas de mata-mata da Libertadores (e 14º menor público de um total de 98 partidas que o Grêmio realizou em seus domínios nessa competição).

E o que explica essa marca negativa num jogo tão especial? Muito provavelmente, o preço dos ingressos. Abaixo eu fiz um quadro comparativo com os valores praticados nos outros mata-mata da Libertadores de 1995 e com os demais confrontos em casa com o Palmeiras naquela temporada.  Na época, um tema constante no noticiário gremista era a necessidade do clube fazer caixa para enfrentar seus compromissos. Contudo, podemos ver que essa iniciativa de aumentar demasiadamente o preço das entradas acabou sendo contraproducente (foi a menor renda dos jogos decisivos da Libertadores)

1995 libertadores

1995 palmeiras tres


Ingresso de Günther Gartner

Ingresso de Beto Lewin

 Ingresso de Thiago Floriano 

Ingresso de Pimpo Contursi



O Grêmio goleou o Palmeiras por 5 a 0, ontem à noite, em Porto Alegre. O Palmeiras precisa vencer o próximo jogo pela mesma diferença para decidir nos pênaltis uma vaga nas semifinais da Taça LIbertadores da América.
O primeiro tempo foi marcado por brigas dentro e fora do campo.
Houve três expulsões _Rivaldo e Válber, do Palmeiras, e Dinho. Na arquibancada, os palmeirenses brigaram com os gremistas.
A partida foi violenta desde o início. Aos 10min, Rivaldo levou cartão amarelo. Aos 17min,
acertou Arce e foi expulso.

O Grêmio continuou pressionando. Aos 19min, Carlos Miguel bateu escanteio, Jardel cabeceou, Paulo Nunes desviou, mas o goleiro Sérgio defendeu.
Vários jogadores do Palmeiras passaram a demonstrar nervosismo. O argenti
no Mancuso nem marcava nem armava. Os laterais Roberto Carlos e Cafu se omitiam.

Aos 26min, houve mais confusão. O volante Dinho agrediu o meia Válber. O palmeirense reagiu com um soco no nariz de Dinho.

O juiz Cerdeira não viu os dois lances, mas os bandeirinhas, sim.

Depois de quatro minutos de confusão, Válber e Dinho foram expulsos. Fora de campo, Dinho correu atrás de Válber, saltou e deu um chute em sua cabeça. O goleiro Danrlei também agrediu o palmeirense, pelas costas.
Por causa das brigas, a partida ficou parada por 14 minutos.

As expulsões desmontaram o Palmeiras. Um minuto após o reinício, o Grêmio marcou.

O lateral Arce apanhou um rebote na frente da área do Palmeiras, ajeitou a bola e chutou no canto direito do goleiro Sérgio.

Aos 51min, o meia Arílson arriscou um chute de longe. A bola bateu no pé de Mancuso, subiu e encobriu Sérgio: 2 a 0.
No segundo tempo, o técnico Carlos Alberto Silva tentou mudar o Palmeiras. Trocou o meia Amaral pelo atacante Alex Alves.

Mas o Grêmio definiu a vitória logo aos 4min. O lateral Roger cruzou, Jardel se antecipou a Cléber e chutou rasteiro: 3 a 0.

Aos 20min e 36min, de cabeça, Jardel marcou mais dois gols.
Os jogadores do Palmeiras reclamaram do árbitro Claudio Cerdeira. “Ele estava mal-intencionado”, afirmou Flávio Conceição. ( Marcelo Damato – Folha de São Paulo)

 




 

Briga no campo chega à torcida
Do enviado especial
e da Agência Folha, em Porto Alegre
A violência ocorrida em campo, entre os jogadores, no primeiro tempo do jogo, `contaminou’ a torcida no estádio do Grêmio.
Houve um início de conflito entre palmeirenses gremistas.
A Brigada Militar interveio e, segundo responsáveis pela segurança do estádio, ninguém ficou ferido ou foi detido.
Foram colocados à venda mais de 50 mil ingressos. A renda e público do jogo não foram divulgados. Os torcedores ocupavam um pouco mais da metade do estádio Olímpico.
O ingresso mais barato, para não-sócios do Grêmio, custava R$ 15,00. O mais caro, R$ 50, ou seja, meio salário mínimo.
O Grêmio pretende usar a renda da partida para comprar o passe do atacante Jardel, que marcou três gols e foi destaque no jogo de ontem. O atacante pertence ao Vasco, do Rio.
Para incentivar a presença no estádio, o Grêmio realizou várias promoções.
Foram dados brindes na compra de ingressos, entre eles, uma camiseta com a escrita “o leite vai azedar de novo”, ironizando a Parmalat , patrocinadora do Palmeiras, e a desclassificação do time pelo Grêmio na Copa do brasil.
Além disso, foram sorteados três carros no intervalo do jogo. (Humbero Saccomandi – Folha de São Paulo)

 

 

Laterais gaúchos viram pontas
Da Agência Folha, em Porto Alegre
O Grêmio aproveitou a vantagem de ter um jogador a mais desde os 17min do primeiro tempo para golear o Palmeiras.
A partir da expulsão de Rivaldo, o Grêmio avançou seu time para o campo do adversário a pedido do técnico Luis Felipe.
O jogo ficou ainda melhor com a segunda expulsão palmeirense, de Válber, embora, no mesmo lance, o time da casa tenha perdido o volante Dinho.
Os laterais Arce e Roger foram liberados para atacar. O volante Goiano cuidava da cobertura.
A estratégia do time logo surtiu efeito. Aos 27min, Arce, pela direita, fez 1 a 0, de fora da ár
ea.
O time gaúcho, com espaço para trocar passes, envolveu os jogadores do Palmeiras.
No lance do terceiro gol, Roger se transformou em ponta-esquerda, foi à linha de fundo e cruzou para Jardel finalizar.
No final da partida, nervoso, o palmeirense Mancuso retratou a irritação dos palmeirenses.
Ele se aproximou do juiz Claudio Cerdeira e, com os dedos, fez gesto insinuando que o árbitro tinha recebido dinheiro do Grêmio. (Folha de São Paulo)

O meia Rivaldo considerou injusta a expulsão contra o Grêmio. Ele disse que não entrou para pegar o zagueiro Rivarola, apesar de as imagens de TV indicarem o contrário.

(Humberto Saccomani – Folha de São Paulo) Folha – Você concorda com sua expulsão?

Rivaldo – Não, não tive maldade no lance. Se tivesse, machucaria o Rivarola. Acho que merecia ser expulso quando tomei o primeiro amarelo, mas não depois.

 





“O técnico Carlos Alberto Silva sugeriu que o juiz carioca Cláudio Vinicius Cerdeira prejudicou deliberadamente sua equipe, para compensar um pênalti que ele não marcou a favor do Grêmio em outra partida com o Palmeiras. Silva diz que não errou nas alterações.

(Humberto Saccomani – Folha de São Paulo)


Folha – O que
você achou da arbitragem?
Carlos Alberto Silva
– Maravilhosa. O Cerdeira tinha um dívida com o Grêmio. Veio e pagou a fatura. Agora está tudo certo.

Folha – A derrota se deveu só à arbitragem?

Silva – Não só. Deu tudo errado para o Palmeiras. As expulsões desequilibraram o time. Foi um desastre.

Folha – Não foi arriscado trocar o Amaral pelo Alex Alves? Não teria sido mais prudente tentar segurar a derrota por 2 a 0?

Silva – Não. Tínhamos que tentar o gol, jogar na frente. Não acho que nos expusemos mais do que já estávamos expostos. Além disso, o Amaral já tinha tomado um cartão amarelo.”

“Os números apurados pelo Datafolha na partida Grêmio x Palmeiras não dão margem a dúvida: o placar de 5 a 0 para os gremistas apenas refletiu o desempenho das equipes em campo.
O domínio do time gaúcho aparece, por exemplo, no número de finalizações a gol. O Grêmio finalizou o triplo de vezes que o Palmeiras: 18 a 6.
Nesse fundamento, o destaque foi o atacante gremista Jardel. Suas seis finalizações tiveram o rumo do gol, e três delas acabaram dentro da rede.
Do lado palmeirense, nem Muller nem Alex Alves, os dois atacantes que atuaram, conseguiram finalizar uma única vez a gol.
Com isso, o meia defensivo Mancuso acabou sendo o jogador do Palmeiras que
mais tentou o gol, com dois chutes certos.Outro dado: os jogadores gremistas trocaram 399 passes, com 85% de acerto; os palmeirenses deram 229 passes, alcançando 75% de eficiência.
O símbolo do desempenho do Grêmio nesse fundamento foi o zagueiro Adílson, que teve aproveitamento de 100%, acertando os 44 passes que fez.
A falta de combate do Palmeiras no meio-campo se traduz nos índice
s de passes certos dos meias ofensivos do Grêmio: 80% para Arílson e 84% para Carlos Miguel.
O jogo registrou 56 faltas (30 cometidas pelo Grêmio e 26, pelo Palmeiras). No Campeonato Paulista de 95, ocorrem 50 infrações, em média, por partida.
O recordista de faltas foi o meio-campista Goiano, do time gaúcho, com seis.
O meia palmeirense Válber, expulso aos 30 minutos do primeiro tempo por brigar com o gremista Dinho, sofreu quatro faltas no período em que esteve em campo. (Folha de São Paulo)

A briga entre os jogadores Dinho, do Grêmio, e Válber, do Palmeiras, que interrompeu o jogo por 14 minutos, resultou em inquérito policial.
Ambos devem responder processo por desordem e lesões corporais. Eles registraram queixa, um contra o outro, na 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, no início da madrugada de ontem.
O delegado Ivair Mainard, responsável pelo inquérito, pretende enviá-lo à Justiça em 30 dias. Válber e Dinho, que haviam sido expulsos, brigaram também fora do gramado do estádio Olímpico.
O inquérito não levará em conta as primeiras agressões trocadas ainda dentro do gramado, fato que deverá constar da súmula do juiz da partida, Cláudio Cerderia.
Os dois jogadores não se submeteram a exames de lesões corporais no Instituto Médico Legal.
Cerdeira e os seus dois auxiliares não viram as primeiras agressões entre os atletas” (Folha de São Paulo)
 



1995 palmeiras ida zh

 

GRÊMIO: Danrlei, Arce (Scheidt) , Rivarola, Adílson, Róger; Dinho, Goiano, Arílson e Carlos Miguel (Alexandre); Paulo Nunes e Jardel (Nildo).
Técnico: Luiz Felipe Scolari

PALMEIRAS: Sérgio; Cafú, Antônio Carlos, Cléber e Roberto Carlos; Amaral (Alex Alves), Mancuso, Flávio Conceição e Válber; Müller (Daniel Frasson) e Rivaldo
Técnico: Carlos Alberto Silva


Libertadores 1995 – Quartas de final – jogo de ida
Data: 26 de julho de 1995, quarta-feira
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS
Público: 16.136 (12.547 pagantes)
Renda: R$ 186.685,00
Juiz: Claúdio Cerdeira (Brasil)
Auxiliares: Dalmo Bozzano e Paulo Jorge Alves
Cartão Amarelo: Amaral, Mancuso, Arílson, Daniel Frasson, Cléber, Arce e Carlos Migu
el.
Cartão Vermelho: Rivaldo, Válber e Dinho.
Gols: Arce aos 41 e Arílson aos 51 do 1°tempo; Jardel aos 4, 21 e 38 do 2°tempo.


Preço e número de Ingressos:
Cadeira central: R$ 50,00 (8 mil, junto com cadeira central)
Cadeira lateral: R$ 40,00
Arquibancada: R$ 15,00 (21 mil)
Social: R$ 10,00 (18 mil)

Estudante Gremista: R$ 5,00 (3 mil)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


%d bloggers like this: